Archives

All posts for the month August, 2020

A osteoartrite é a causa mais comum de dor crônica nas articulações e afeta mais de 23 milhões de pessoas.

O que é osteoartrite? O que é osteoporose?

osteoartrite é a causa mais comum de dor crônica nas articulações e afeta mais de 23 milhões de pessoas. A definição de osteoartrite é a degeneração do tecido da cartilagem articular e do osso subjacente. A definição de osteoporose é uma condição médica que faz com que os ossos se tornem quebradiços e/ou frágeis.

A osteoartrite e a osteoporose são formas de artrite?

artrite é definida como inflamação dolorosa e rigidez articular.

  • osteoartrite é um tipo de artrite que envolve o tecido e o osso subjacente de uma articulação.
  • osteoporose é principalmente uma perda de tecido ósseo que não se limita às áreas das articulações.
  • As formas mais comuns de artrite são osteoartrite artrite reumatoide. É possível que uma pessoa tenha as duas condições.

Qual delas é mais dolorosa e pior, osteoartrite ou osteoporose?

Ambas as condições podem ser leves, moderadas ou graves, mas devido ao alto risco de fraturas ósseas com osteoporose, alguns médicos podem considerar a osteoporose, especialmente se for grave, como a doença “pior” devido ao alto risco de outras fraturas. No entanto, “pior” pode ser visto de forma diferente por outras pessoas, porque a dor da osteoartrite com destruição das articulações pode ser “pior” e mais dolorosa para uma pessoa com o tempo. Ortopedista em Brasilia

10 diferenças nos sintomas e sinais de osteoartrite vs. artrite reumatoide

Osteoartrite ou OA, pode não causar quaisquer sintomas ou sinais em uma articulação envolvida; no entanto, quando ocorrem, os sintomas podem causar:

  1. Dor nas articulações;
  2. Calor comum;
  3. Sensibilidade nas articulações;
  4. Aumento da junta óssea;
  5. Desalinhamento das articulações envolvidas.

artrite reumatoide (AR) geralmente envolve muitas articulações e causas:

  1. Dor nas articulações;
  2. Calor comum;
  3. Inchaço nas articulações;
  4. Rigidez articular (particularmente rigidez matinal);
  5. Sensibilidade nas articulações.

Quais são as diferenças nos sinais e sintomas de osteoartrite versus osteoporose?

Os sinais e sintomas de osteoartrite incluem:

  • Dor nas articulações, como mãos, joelhos, quadris, coluna e / ou pescoço;
  • Rigidez nas articulações;
  • Edema nas articulações, sensibilidade, inchaços (esporas ósseas);
  • Deformidade articular;
  • Mancando ao caminhar;
  • Sons de estalo quando a junta é movida.

osteoporose é denominada “doença silenciosa” porque pode progredir durante anos antes de ser diagnosticada. Após a progressão da osteoporose, as fraturas por compressão e outras fraturas podem causar sintomas. Ortopedista DF. Frequentemente, uma pessoa com osteoporose não apresenta sintomas até:

  • Ocorre uma fratura óssea;
  • Ossos porosos são detectados por testes de densidade óssea ou vistos incidentalmente em exames de imagem como raios-X ou tomografia computadorizada;
  • Perda de altura devido a fraturas por compressão óssea da coluna vertebral;
  • Forte dor nas costas;
  • Mudança de postura;
  • Dificuldade e/ou incapacidade de andar.

Quais são as diferenças nas causas da osteoartrite X osteoporose?

As principais diferenças nas causas dessas doenças são:

  • A osteoartrite é causada principalmente pelo uso excessivo ou “desgaste” nas articulações.
  • A osteoartrite pode ser categorizada nos estágios 0-4, em que 0 representa uma articulação normal e 4 representa doença grave.
  • A osteoporose é causada principalmente por um ou mais problemas subjacentes, como deficiência de cálcio, deficiência de vitamina D ou alterações hormonais.
  • A osteoporose tipicamente tem escores T entre -1,0 ou acima (normal) a -2,5 ou abaixo (diagnóstico de osteoporose) em um teste de densidade óssea diagnóstico. Ortopedista Brasilia

Quais são os fatores de risco para osteoartrite X osteoporose? Eles são herdados?

Fatores de risco de osteoartrite

Os fatores de risco de osteoartrite incluem:

  • Idoso;
  • Lesões nas articulações;
  • Tensões repetidas nas articulações;
  • Obesidade;
  • Deformidades ósseas;
  • Genética (história familiar);
  • Ser mulher;
  • Certas doenças, como artrite reumatoide ou lúpus sistêmico.

Fatores de risco de osteoporose

A maioria dos fatores de risco para osteoporose são os mesmos da osteoartrite, como idade avançada, sexo feminino e genética (história familiar), mas outros incluem:

  • Fumar;
  • álcool uso;
  • Fratura óssea após os 40 anos;
  • Falta de exercício;
  • Corpo pequeno e / ou magro;
  • Pós-menopausa;
  • Baixo consumo de cálcio e / ou baixo consumo de vitamina D;
  • Outras condições médicas, como hipertireoidismo.

Quais procedimentos e testes diagnosticam osteoartrite vs. osteoporose?

Diagnóstico de Osteoartrite

O diagnóstico de osteoartrite inclui:

  • História
  • Exame físico
  • Testes de imagem
  • Não há exames de sangue usados ​​para diagnosticar a osteoartrite.

Diagnóstico de Osteoporose

O diagnóstico de osteoporose inclui:

  • História;
  • Exame físico;
  • Exames de sangue;
  • Teste de densidade mineral óssea (BMD);
  • Possivelmente, biópsia óssea;
  • Raio X Convencional.

osteoporose

A pesquisa mostrou que o uso de maconha durante a gravidez pode aumentar o risco de natimortos, prematuros e baixo peso ao nascer.

Agora, um novo estudo adiciona outro perigo: as crianças cujas mães usaram maconha durante a gravidez podem estar em maior risco de autismo.

E o aumento do perigo não era pequeno: usando dados sobre cada nascimento, entre abril de 2007 e março de 2012, os pesquisadores de universidade descobriram que mulheres grávidas que usaram cannabis tinham 1,5 vez mais probabilidade de ter um filho com autismo do que mulheres que não o fizeram.

Havia meio milhão de mulheres incluídas na amostra, e cerca de 3.000 delas disseram que usaram maconha durante a gravidez. O banco de dados não incluiu as particularidades do uso de maconha por essas mulheres – como, com que frequência ou quanto elas a usavam.

Em um estudo anterior, os mesmos pesquisadores descobriram que o uso de maconha durante a gravidez estava associado a um risco aumentado de parto prematuro e outros resultados adversos do parto.

Os pesquisadores usaram esse novo estudo para determinar se havia mais impactos de longo prazo na saúde de crianças cujas mães usaram maconha durante a gravidez.

Eles fizeram isso combinando dois bancos de dados de saúde, um que rastreia diagnósticos (incluindo autismo) e outro que rastreia os resultados do nascimento em geral.

Houve uma ligação entre esses dois registros, para que possamos comparar os dados de nascimento com os resultados dos bebês dessa gravidez mais tarde na vida. Psiquiatra SP

Para mostrar que o uso de maconha por si só estava ligado ao aumento do risco de autismo, os pesquisadores analisaram especificamente 2.200 mulheres que usaram maconha, mas não usaram outras substâncias durante a gravidez.

Ainda assim, vários fatores podem contribuir para um risco aumentado de autismo. O estudo mostra apenas que o uso de maconha durante a gravidez pode estar associado ao autismo – não que ele definitivamente o cause.

Mulheres grávidas que usam maconha não o fazem apenas para fins recreativos – algumas dizem que a usam para tratar dores ou enjoos matinais.

Muitos dos pacientes com os quais ela trabalha usam maconha para aliviar as náuseas ou perguntam se deveriam. Essas mulheres dizem que essa é a única coisa que ajuda.

O mecanismo pelo qual o uso de maconha durante a gravidez pode afetar os resultados do parto e a saúde do bebê não é totalmente compreendido. Ainda assim, a maioria dos especialistas aponta para estudos em animais que encontraram receptores de cannabis no cérebro de embriões de animais com apenas 5 a 6 semanas de idade. Psiquiatra Brasilia

Quando uma mulher grávida consome maconha, esses receptores de cannabis seriam ativados, afetando potencialmente o desenvolvimento do cérebro do bebê.

O número de mulheres que usaram maconha durante a gravidez pode ser muito maior do que o relatado pelo estudo, visto que algumas podem ter negado o uso porque a maconha recreativa era ilegal quando os dados foram coletados.

A legalização nacional da cannabis recreativa no Canadá em 2018 foi um catalisador para o estudo. Médicos disseram que temiam que a legalização pudesse levar a um aumento no uso de maconha entre mulheres grávidas, apesar da falta de evidências de que seja segura.

O uso de maconha entre mulheres grávidas nos Estados Unidos e no Brasil já está aumentando, de acordo com o Instituto Nacional de Abuso de Drogas: 7% das mulheres grávidas relataram usar a droga em uma pesquisa 2016-2017. Psiquiatra Taguatinga

A gravidez é um período altamente sensível e as mulheres realmente não devem usar nenhuma substância que não tenham que usar durante a gravidez.