Saúde

Câncer de Cólon

A morte do ator Chadwick Boseman, de 43 anos, comoveu admiradores ao redor do mundo. O intérprete do personagem Pantera Negra lutava contra um câncer de cólon há quatro anos. O caso chama a atenção para a prevenção da doença pelo exame de colonoscopia. Muitos casos como o do ator podem ser evitados com a realização precoce desse exame.

Benefícios da Colonoscopia

O maior benefício da colonoscopia certamente é a prevenção do câncer de intestino – local difícil de analisar com procedimentos não invasivos. Esse exame consiste na introdução de um aparelho flexível e fino no final do trato digestivo do paciente, permitindo a avaliação de todo o intestino por dentro. Além disso, durante o exame de coloscopia o médico pode retirar os pólipos, nodulações que podem surgir no intestino e que evoluem para o câncer. Essa é a melhor forma de você ser curado antes mesmo do câncer aparecer. Proctologista em BH

O câncer de cólon é o segundo mais comum em nosso país, segundo a Coloproctologista Dra. Raíssa Reis de Carvalho, coloproctologista especialista em Colonoscopia.

Diagnóstico

Ela explica que é um tumor rastreável e altamente curável, desde que seja feito o diagnóstico precoce. “De acordo com a Sociedade Americana do Câncer, depois dos 45 anos, todo mundo precisa fazer a colonoscopia de rotina ( mesmo sendo assintomático). Caso esse exame fosse mais disponível para a população, a taxa de cura seria muito maior. Infelizmente, na rede pública de saúde o volume de pacientes que precisa do exame é superior à estrutura de realização do mesmo pelo Estado, o que faz com que muitas pessoas demorem meses e até anos para conseguir uma colonoscopia. Isso atrasa e muito o diagnóstico e permite que lesões benignas acabem se transformando em câncer”.

Já no caso de pessoas que apresentam sintomas como sangramento nas fezes, alteração do hábito intestinal (diarreia ou prisão de ventre); dor ou desconforto abdominal;
fraqueza e anemia; perda de peso sem causa aparente e alteração na forma das fezes (muito finas e compridas), esse exame poderá ser indicado em qualquer idade. Se você apresentar algum dos sintomas citados, procure logo um Coloproctologista para que ele avalie se há necessidade de realização do exame em seu caso. Isso pode fazer a diferença entre você desenvolver ou não um câncer de cólon. Colonoscopia em BH

De acordo com um estudo epidemiológico publicado pela Divisão de Prevenção do Câncer do National Cancer Institute (NCI), com dados de 1980 a 2016 e lançado no final de 2019, a incidência do câncer de intestino é crescente. Entre 30 e 39 anos é o tipo de câncer que mais tem aumentado, motivado pelo estilo de vida que favorece os fatores de risco. A pesquisa revela que a incidência no Brasil é maior nas regiões Sul e Sudeste. Em Minas Gerais, são 15,6 casos para cada 100 mil homens e 14,2 para cada 100 mil mulheres. O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima 4 mil casos de câncer de intestino no estado em 2020.

Tratamento

Se diagnosticado precocemente, o câncer de cólon é uma doença tratável e frequentemente curável, com índices de cura que chegam a 90%. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica, o principal tratamento de câncer colorretal é cirúrgico, que envolve a retirada da parte do intestino afetada. Outros tratamentos como quimioterapia e a radioterapia também podem ser indicados, seja pra regressão do tumor, permitindo uma cirurgia menos agressiva, seja para prevenção de retorno do tumor no futuro. Clinica popular em BH

cancer de colon

A osteoartrite é a causa mais comum de dor crônica nas articulações e afeta mais de 23 milhões de pessoas.

O que é osteoartrite? O que é osteoporose?

osteoartrite é a causa mais comum de dor crônica nas articulações e afeta mais de 23 milhões de pessoas. A definição de osteoartrite é a degeneração do tecido da cartilagem articular e do osso subjacente. A definição de osteoporose é uma condição médica que faz com que os ossos se tornem quebradiços e/ou frágeis.

A osteoartrite e a osteoporose são formas de artrite?

artrite é definida como inflamação dolorosa e rigidez articular.

  • osteoartrite é um tipo de artrite que envolve o tecido e o osso subjacente de uma articulação.
  • osteoporose é principalmente uma perda de tecido ósseo que não se limita às áreas das articulações.
  • As formas mais comuns de artrite são osteoartrite artrite reumatoide. É possível que uma pessoa tenha as duas condições.

Qual delas é mais dolorosa e pior, osteoartrite ou osteoporose?

Ambas as condições podem ser leves, moderadas ou graves, mas devido ao alto risco de fraturas ósseas com osteoporose, alguns médicos podem considerar a osteoporose, especialmente se for grave, como a doença “pior” devido ao alto risco de outras fraturas. No entanto, “pior” pode ser visto de forma diferente por outras pessoas, porque a dor da osteoartrite com destruição das articulações pode ser “pior” e mais dolorosa para uma pessoa com o tempo. Ortopedista em Brasilia

10 diferenças nos sintomas e sinais de osteoartrite vs. artrite reumatoide

Osteoartrite ou OA, pode não causar quaisquer sintomas ou sinais em uma articulação envolvida; no entanto, quando ocorrem, os sintomas podem causar:

  1. Dor nas articulações;
  2. Calor comum;
  3. Sensibilidade nas articulações;
  4. Aumento da junta óssea;
  5. Desalinhamento das articulações envolvidas.

artrite reumatoide (AR) geralmente envolve muitas articulações e causas:

  1. Dor nas articulações;
  2. Calor comum;
  3. Inchaço nas articulações;
  4. Rigidez articular (particularmente rigidez matinal);
  5. Sensibilidade nas articulações.

Quais são as diferenças nos sinais e sintomas de osteoartrite versus osteoporose?

Os sinais e sintomas de osteoartrite incluem:

  • Dor nas articulações, como mãos, joelhos, quadris, coluna e / ou pescoço;
  • Rigidez nas articulações;
  • Edema nas articulações, sensibilidade, inchaços (esporas ósseas);
  • Deformidade articular;
  • Mancando ao caminhar;
  • Sons de estalo quando a junta é movida.

osteoporose é denominada “doença silenciosa” porque pode progredir durante anos antes de ser diagnosticada. Após a progressão da osteoporose, as fraturas por compressão e outras fraturas podem causar sintomas. Ortopedista DF. Frequentemente, uma pessoa com osteoporose não apresenta sintomas até:

  • Ocorre uma fratura óssea;
  • Ossos porosos são detectados por testes de densidade óssea ou vistos incidentalmente em exames de imagem como raios-X ou tomografia computadorizada;
  • Perda de altura devido a fraturas por compressão óssea da coluna vertebral;
  • Forte dor nas costas;
  • Mudança de postura;
  • Dificuldade e/ou incapacidade de andar.

Quais são as diferenças nas causas da osteoartrite X osteoporose?

As principais diferenças nas causas dessas doenças são:

  • A osteoartrite é causada principalmente pelo uso excessivo ou “desgaste” nas articulações.
  • A osteoartrite pode ser categorizada nos estágios 0-4, em que 0 representa uma articulação normal e 4 representa doença grave.
  • A osteoporose é causada principalmente por um ou mais problemas subjacentes, como deficiência de cálcio, deficiência de vitamina D ou alterações hormonais.
  • A osteoporose tipicamente tem escores T entre -1,0 ou acima (normal) a -2,5 ou abaixo (diagnóstico de osteoporose) em um teste de densidade óssea diagnóstico. Ortopedista Brasilia

Quais são os fatores de risco para osteoartrite X osteoporose? Eles são herdados?

Fatores de risco de osteoartrite

Os fatores de risco de osteoartrite incluem:

  • Idoso;
  • Lesões nas articulações;
  • Tensões repetidas nas articulações;
  • Obesidade;
  • Deformidades ósseas;
  • Genética (história familiar);
  • Ser mulher;
  • Certas doenças, como artrite reumatoide ou lúpus sistêmico.

Fatores de risco de osteoporose

A maioria dos fatores de risco para osteoporose são os mesmos da osteoartrite, como idade avançada, sexo feminino e genética (história familiar), mas outros incluem:

  • Fumar;
  • álcool uso;
  • Fratura óssea após os 40 anos;
  • Falta de exercício;
  • Corpo pequeno e / ou magro;
  • Pós-menopausa;
  • Baixo consumo de cálcio e / ou baixo consumo de vitamina D;
  • Outras condições médicas, como hipertireoidismo.

Quais procedimentos e testes diagnosticam osteoartrite vs. osteoporose?

Diagnóstico de Osteoartrite

O diagnóstico de osteoartrite inclui:

  • História
  • Exame físico
  • Testes de imagem
  • Não há exames de sangue usados ​​para diagnosticar a osteoartrite.

Diagnóstico de Osteoporose

O diagnóstico de osteoporose inclui:

  • História;
  • Exame físico;
  • Exames de sangue;
  • Teste de densidade mineral óssea (BMD);
  • Possivelmente, biópsia óssea;
  • Raio X Convencional.

osteoporose

A pesquisa mostrou que o uso de maconha durante a gravidez pode aumentar o risco de natimortos, prematuros e baixo peso ao nascer.

Agora, um novo estudo adiciona outro perigo: as crianças cujas mães usaram maconha durante a gravidez podem estar em maior risco de autismo.

E o aumento do perigo não era pequeno: usando dados sobre cada nascimento, entre abril de 2007 e março de 2012, os pesquisadores de universidade descobriram que mulheres grávidas que usaram cannabis tinham 1,5 vez mais probabilidade de ter um filho com autismo do que mulheres que não o fizeram.

Havia meio milhão de mulheres incluídas na amostra, e cerca de 3.000 delas disseram que usaram maconha durante a gravidez. O banco de dados não incluiu as particularidades do uso de maconha por essas mulheres – como, com que frequência ou quanto elas a usavam.

Em um estudo anterior, os mesmos pesquisadores descobriram que o uso de maconha durante a gravidez estava associado a um risco aumentado de parto prematuro e outros resultados adversos do parto.

Os pesquisadores usaram esse novo estudo para determinar se havia mais impactos de longo prazo na saúde de crianças cujas mães usaram maconha durante a gravidez.

Eles fizeram isso combinando dois bancos de dados de saúde, um que rastreia diagnósticos (incluindo autismo) e outro que rastreia os resultados do nascimento em geral.

Houve uma ligação entre esses dois registros, para que possamos comparar os dados de nascimento com os resultados dos bebês dessa gravidez mais tarde na vida. Psiquiatra SP

Para mostrar que o uso de maconha por si só estava ligado ao aumento do risco de autismo, os pesquisadores analisaram especificamente 2.200 mulheres que usaram maconha, mas não usaram outras substâncias durante a gravidez.

Ainda assim, vários fatores podem contribuir para um risco aumentado de autismo. O estudo mostra apenas que o uso de maconha durante a gravidez pode estar associado ao autismo – não que ele definitivamente o cause.

Mulheres grávidas que usam maconha não o fazem apenas para fins recreativos – algumas dizem que a usam para tratar dores ou enjoos matinais.

Muitos dos pacientes com os quais ela trabalha usam maconha para aliviar as náuseas ou perguntam se deveriam. Essas mulheres dizem que essa é a única coisa que ajuda.

O mecanismo pelo qual o uso de maconha durante a gravidez pode afetar os resultados do parto e a saúde do bebê não é totalmente compreendido. Ainda assim, a maioria dos especialistas aponta para estudos em animais que encontraram receptores de cannabis no cérebro de embriões de animais com apenas 5 a 6 semanas de idade. Psiquiatra Brasilia

Quando uma mulher grávida consome maconha, esses receptores de cannabis seriam ativados, afetando potencialmente o desenvolvimento do cérebro do bebê.

O número de mulheres que usaram maconha durante a gravidez pode ser muito maior do que o relatado pelo estudo, visto que algumas podem ter negado o uso porque a maconha recreativa era ilegal quando os dados foram coletados.

A legalização nacional da cannabis recreativa no Canadá em 2018 foi um catalisador para o estudo. Médicos disseram que temiam que a legalização pudesse levar a um aumento no uso de maconha entre mulheres grávidas, apesar da falta de evidências de que seja segura.

O uso de maconha entre mulheres grávidas nos Estados Unidos e no Brasil já está aumentando, de acordo com o Instituto Nacional de Abuso de Drogas: 7% das mulheres grávidas relataram usar a droga em uma pesquisa 2016-2017. Psiquiatra Taguatinga

A gravidez é um período altamente sensível e as mulheres realmente não devem usar nenhuma substância que não tenham que usar durante a gravidez.

Introdução aos Transtornos Invasivos do Desenvolvimento

O termo “distúrbios generalizados do desenvolvimento“, também chamado de TID, refere-se a um grupo de condições que envolvem atrasos no desenvolvimento de muitas habilidades básicas, principalmente a capacidade de socializar com os outros, de se comunicar e de usar a imaginação. As crianças com essas condições geralmente ficam confusas em seus pensamentos e geralmente têm problemas para entender o mundo ao seu redor.

Como essas condições geralmente são identificadas em crianças por volta dos 3 anos de idade – um período crítico no desenvolvimento da criança – elas são chamadas de distúrbios do desenvolvimento. Embora a condição comece muito antes dos 3 anos de idade, os pais geralmente não percebem um problema até que a criança não esteja andando, conversando ou se desenvolvendo, assim como outras crianças da mesma idade.

Transtorno Invasivo do Desenvolvimento

Que condições são consideradas distúrbios invasivos do desenvolvimento?

Existem cinco tipos de distúrbios generalizados do desenvolvimento:

Autismo: crianças com autismo têm problemas com interação social, fingir brincar e comunicação. Eles também têm uma gama limitada de atividades e interesses. Muitas (quase 75%) das crianças com autismo também apresentam algum grau de retardo mental. Psiquiatra DF

Síndrome de Asperger: assim como as crianças com autismo, as crianças com síndrome de Asperger têm dificuldade com a interação e a comunicação social e têm uma gama estreita de interesses. No entanto, crianças com Asperger têm inteligência média ou acima da média e desenvolvem-se normalmente nas áreas da linguagem e cognição (os processos mentais relacionados ao pensamento e ao aprendizado). As crianças com Asperger também costumam ter dificuldade em se concentrar e podem ter pouca coordenação.

Transtorno desintegrativo da infância: crianças com essa condição rara começam seu desenvolvimento normalmente em todas as áreas, físicas e mentais. Em algum momento, geralmente entre 2 e 10 anos de idade, uma criança com esta doença perde muitas das habilidades que desenvolveu. Além da perda de habilidades sociais e de linguagem, uma criança com distúrbio desintegrativo pode perder o controle de outras funções, incluindo o controle do intestino e da bexiga. Psiquiatra Taguatinga

Síndrome de Rett: crianças com esse distúrbio muito raro apresentam os sintomas associados a um TID e sofrem de problemas no desenvolvimento físico. Eles geralmente sofrem a perda de muitas habilidades motoras ou de movimento – como caminhar e usar as mãos – e desenvolvem uma coordenação deficiente. Essa condição foi associada a um defeito no cromossomo X, por isso quase sempre afeta as meninas.

Transtorno invasivo do desenvolvimento não especificado de outra forma (TID-SOE): Esta categoria é usada para se referir a crianças que têm problemas significativos com a comunicação e o brincar, e algumas dificuldades em interagir com outras pessoas, mas são sociais demais para serem consideradas autistas. Psiquiatra Brasilia

Quais são os sintomas dos transtornos invasivos do desenvolvimento?

O uso da palavra “difundida” para descrever essas doenças é um tanto enganador. A definição de difusão é “estar presente o tempo todo”, mas as crianças com TID geralmente não têm problemas em todas as áreas de funcionamento. Em vez disso, a maioria das crianças com TID possui áreas problemáticas específicas e geralmente funciona muito bem em outras áreas.

Crianças com TID, como o autismo, podem exibir uma ampla gama de sintomas que podem variar em gravidade, de leve a incapacitante. Eles também variam amplamente em suas habilidades, inteligência e comportamento individuais. Psicologa Brasilia

Os sintomas gerais que podem estar presentes em algum grau em uma criança com TID incluem:

  • Dificuldade na comunicação verbal, incluindo problemas no uso e no entendimento da linguagem;
  • Dificuldade na comunicação não verbal, como gestos e expressões faciais;
  • Dificuldade com a interação social, incluindo se relacionar com as pessoas e com os arredores;
  • Maneiras incomuns de brincar com brinquedos e outros objetos;
  • Dificuldade em se adaptar às mudanças no ambiente rotineiro ou familiar;
  • Movimentos corporais repetitivos ou padrões de comportamento, como bater as mãos, girar e bater a cabeça;
  • Alterando a resposta ao som. (A criança pode ser muito sensível a alguns ruídos e parecer não ouvir outros.);
  • Birras de temperamento;
  • Dificuldade em dormir;
  • Comportamento agressivo;
  • Medo ou ansiedade (nervosismo).

A articulação do quadril é definida pelo encontro da bacia/pelve por meio do osso chamado acetábulo, com a coxa através da cabeça do fêmur. Desta forma, se trata da ligação entre o tronco e os membros inferiores. O quadril é responsável por absorver e transmitir o peso corporal e os impactos advindos das atividades diárias. Por esta razão, bem como por englobar diversas estruturas ósseas, cartilaginosas, tendíneas, musculares e neuro vasculares, ele está associado a um grande número de lesões, sendo as mais comuns: Artrose, Osteonecrose, Fratura Luxação da Cabeça/Colo Femoral – Trocantericas, Fraturas Luxação da Pelve – Acetábulo, Tendinopatias – Bursites, Impacto Femoro Acetabular / Lesão Labral, Osteoporose. quadril

Lesões no Quadril

Artrose

Artrose ou osteoartrite é o desgaste e perda progressiva da cartilagem que reveste os componentes da articulação (acetábulo e cabeça femoral). Esse desgaste ocorre em função de alterações mecânicas decorrentes de deformidade local (sequela de traumas – fraturas – deformidades congênitas ou adquiridas ao longo da vida), alterações inflamatórias que lesam diretamente a cartilagem (artrite reumatoide, lúpus, dentre outros), desgaste natural associado ao uso (agravado pelo sobrepeso, atividades de alto impacto ao longo da vida). A perda da cartilagem leva ao aumento excessivo do atrito intra articular, associado à redução progressiva / bloqueio de alguns movimentos e dor severa, o que traz enorme limitação para realização de atividades cotidianas. Seu tratamento depende do grau de acometimento articular e intensidade dos sintomas/limitações, variando desde medicamentos sintomáticos, redução do peso corporal e atividades diárias, reabilitação e atividade física, até o tratamento cirúrgico (osteotomias ou artroplastia). Ortopedista Brasilia

Osteonecrose

Osteonecrose é a morte de células ósseas. Neste caso sendo mais comum acometer a cabeça femoral. Os mecanismos que levam à morte celular ainda são controversos, mas acredita-se haver um aumento de pressão local associado à redução do suprimento vascular. Diversas são as causas que podem causar osteonecrose: doenças inflamatórias, uso de medicamentos como corticoides – quimo e radio terapia, etilismo, tabagismo, uso de drogas, mergulho com uso de cilindro, dentre outros. Seu tratamento depende do local, extensão e grau de acometimento, e inclui medicamentos sintomáticos, restringir temporariamente a carga local com uso de muletas, reabilitação, chegando até ao tratamento cirúrgico com descompressão da área de osteonecrose, ou artroplastia de quadril nos casos mais avançados.

Fratura Luxação da Cabeça/Colo Femoral – Trocantéricas

As fraturas e/ou luxações que acometem a região proximal do fêmur são mais frequentes em adultos jovens, em decorrência de acidentes de alta energia (automobilísticos) e idosos após trauma de baixa energia (quedas da própria altura). Geralmente, o tratamento destas lesões é cirúrgico, e deve ser realizado o mais rápido possível, para melhor controle da dor e reduzir os riscos e complicações associados a esta lesão.

Fraturas Luxação da Pelve – Acetábulo

As fraturas e/ou luxações da pelve e acetábulo geralmente acometem adultos vítimas de acidentes de alta energia, estando, muitas vezes, associadas a outras lesões (neurológicas, tórax, abdominais ou pélvicas). O tratamento pode ser conservador: restrição de carga, repouso, analgesia, fisioterapia; ou cirúrgico – a depender da localização e padrão da fratura, bem como perfil do paciente. Entretanto a avaliação médica multidisciplinar é fundamental e urgente. Ortopedista Brasília

Tendinopatias – Bursites

Tendões são prolongamentos do ventre muscular, compostos por colágenos, que tem a função de se fixar ao osso para promover, juntamente com a contração muscular, o movimento de uma articulação/segmento do corpo. Já a bursa é um fino tecido que reveste proeminências ósseas, estando presente em grande número em todo corpo e que permite um melhor deslizamento muscular e tendíneo sobre o osso. Desta forma, tanto os tendões como as bursas estão sujeitos a processos inflamatórios, comumente associado ao excesso de tração local causado pela falta de alongamento ou aumento de atrito local decorrente de atividades de alto impacto e fraqueza muscular adjacente. A forma mais comum de tendinite e bursite no quadril acomete o trocanter (área lateral e mais proeminente da coxa), sendo o tendão glúteo médio e as bursas trocantéricas as estruturas geralmente inflamadas. Seu tratamento, via de regra é conservador, com medidas analgésicas e anti inflamatórias locais, medicamentos, reabilitação com ênfase para alongamento e fortalecimento. Há, ainda, a possibilidade de infiltração local com agentes anestésicos e anti inflamatórios. Casos isolado e e refratários ao tratamento conservador podem ser candidatos ao tratamento cirúrgico.

Impacto Femoro-Acetabular / Lesão Labral

O lábrum é uma estrutura fibroelástica de reveste toda a bora do acetábulo (como um toldo), e tem a função de vedar a articulação do quadril, melhora sua congruência, e contribui para a estabilidade local. Neste caso, pode haver impacto ou contusão entre o acetábulo e a região proximal do fêmur (geralmente colo femoral). Ele ocorre em decorrência de alguma alteração na forma ou orientação destas estruturas (aumento da cobertura acetabular ou proeminência óssea na região do fêmur proximal ou acetabular) ou movimentos extremos (abertura excessiva em bailarinos, por exemplo). Com isso, em determinadas posições da articulação, há o choque entre essas estruturas levando à contusão e lesão local. Este processo pode ser agravada com o passar do tempo, acometendo estruturas adjacentes – inclusive o lábrum, podendo levar à artrose do quadril. O tratamento do impacto femoro-acetabular associado ou não à lesão labral, como na maioria das lesões, depende do grau de acometimento, características e atividades realizadas pelo paciente, intensidade de sintomas. Inicialmente realiza-se reabilitação – fisioterapia associado a medidas analgésicas e anti inflamatórias, mudança de hábitos e atividades. Os casos refratários são candidatos ao tratamento cirúrgico – cirurgia aberta ou artroscopia. Ortopedista DF

Osteoporose

O osso é uma estrutura em constante mudança, havendo um processo contínuo de remodelamento com a retirada de células antigas e deposição de células jovens. Este ciclo deve ocorrer de forma equilibrada para garantir um adequado estoque ósseo. Quando há desbalanço entre a quantidade de osso removida e a depositada, instala-se um processo de enfraquecimento ósseo que leva, inicialmente à osteopenia (redução moderada da massa óssea), podendo chegar à osteoporose (redução acentuada da densidade óssea). Tanto a osteopenia quanto a osteoporose não causam dor ou qualquer sintoma. Todavia, elas levam a um maior risco de fraturas com traumas de baixa energia, especialmente do punho, coluna, quadril. Sendo assim, ela deve ser tratada com mudanças de hábitos, dieta, atividade física e medicação.

Obesidade aumenta as chances de coágulos pulmonares perigosos em pacientes com COVID-19

A obesidade piora o COVID-19 e pode levar a coágulos sanguíneos mortais nos pulmões. Os pesquisadores disseram que pacientes obesos com COVID-19 podem ter quase três vezes o risco de desenvolver o que é conhecido como embolia pulmonar. Os médicos podem utilizar nossas descobertas para ajudar a determinar quais pacientes devem avaliar a embolia pulmonar com angiografia por TC pulmonar, já que os sintomas do COVID-19 e da embolia pulmonar se sobrepõem. Endocrinologista Taguatinga

obesidade

A detecção precoce de embolia pulmonar pode permitir tratamento imediato com anticoagulação e minimizar problemas clínicos. Pacientes obesos hospitalizados com COVID-19 devem ser avaliados quanto a aumentos na coagulação, indicados pelo aumento do dímero D – um exame de sangue para coagulação.

De acordo com o estudo, 22% dos 328 pacientes que sofrem de COVID-19 que tinha uma tomografia computadorizada angiografia teve uma embolia pulmonar. Os pesquisadores também descobriram que pacientes que tomavam estatinas para baixar o colesterol antes de tomar COVID-19 eram menos propensos a apresentar embolia pulmonar.

Mais estudos são necessários para determinar se as estatinas têm um efeito protetor contra a embolia pulmonar em pacientes com COVID-19. um estudo recente sugere que os pacientes com COVID-19 devem ser colocados em anticoagulantes para evitar a coagulação. A obesidade pode piorar o COVID-19 porque está associado a um aumento da inflamação. A inflamação também aumenta o risco de coagulação. Endocrinologista Florianopolis

Este estudo ressalta um ponto que está se tornando mais conhecido sobre o COVID-19 – que a obesidade leva a uma cascata inflamatória. Sabemos que os produtos químicos inflamatórios aumentam com a obesidade. Esse é o mecanismo suspeito de por que os pacientes obesos correm maior risco de complicações. A inflamação pode levar a coágulos sanguíneos, embora isso não tenha sido comprovado.

As complicações do COVID-19 que estamos vendo são inflamação e uma tempestade de citocinas, que causa inflamação nas artérias e coágulos sanguíneos por todo o corpo – e a obesidade é a culpada em pacientes de alto risco. Dizer que é por isso que estamos vendo mais embolia pulmonar em pacientes obesos é plausível. São pequenos números iniciais, mas é uma descoberta muito importante e não é surpreendente. Angiologista Taguatinga

Mas se as estatinas são protetoras é algo que deveria ser cuidadosamente estudado. Não há razão clara para iniciar pacientes obesos com estatinas se eles ainda não os tomavam quando foram internados no hospital. Pacientes obesos com COVID-19 precisam dos mesmos cuidados que outros pacientes. Isso inclui anticoagulação. Muitas das complicações do COVID-19 parecem ser causadas pela coagulação, e iniciar pacientes com anticoagulantes pode se tornar um tratamento padrão.

Já estamos começando a analisar a anticoagulação preventiva. Já é algo de que estamos muito conscientes, mas este estudo adiciona evidências a uma correlação direta entre obesidade e coágulos sanguíneos, é isso que há de novo aqui.

Transtornos factícios são condições em que uma pessoa age como se tivesse uma doença física ou mental quando não está realmente doente. Transtorno factício por procuração é quando uma pessoa age como se uma pessoa sob seus cuidados tivesse uma doença quando não o fez.

Pessoas com distúrbios factícios deliberadamente criam ou exageram os sintomas de uma doença de várias maneiras. Eles podem mentir ou fingir sintomas, se machucar para provocar sintomas ou alterar testes (como contaminar uma amostra de urina) para fazer parecer que eles ou a pessoa sob seus cuidados estão doentes. Psiquiatra Taguatinga

psiquiatra

Pessoas com distúrbios factícios se comportam dessa maneira devido a uma necessidade interna de ser vista como doente ou ferida, para não obter um benefício claro, como ganho financeiro. Pessoas com distúrbios factícios estão até dispostas e, às vezes, ansiosas para passar por testes e operações dolorosas ou arriscadas, a fim de obter a simpatia e atenção especial dada às pessoas que estão verdadeiramente doentes ou que têm um ente querido que está doente. Transtornos factícios são considerados doenças mentais porque estão associados a graves dificuldades emocionais.

Muitas pessoas com distúrbios factícios também sofrem de outras condições mentais, principalmente distúrbios de personalidade. Pessoas com transtornos de personalidade têm padrões antigos de pensamento e ação que diferem do que a sociedade considera habitual ou normal. Essas pessoas geralmente também têm habilidades e problemas de enfrentamento deficientes, formando relacionamentos saudáveis. Psiquiatra Brasilia

Os distúrbios factícios são semelhantes a outro grupo de transtornos mentais chamados distúrbios somatoformes, que também envolvem a presença de sintomas que não são devidos a doenças físicas ou mentais reais. A principal diferença entre os dois grupos de distúrbios é que as pessoas com distúrbios somatoformes não fingem sintomas ou enganam outras pessoas sobre seus sintomas de propósito.

Tipos de distúrbios factícios

Existem quatro tipos principais de distúrbios factícios, incluindo:

  • Transtorno factício com sintomas principalmente psicológicos: como a descrição indica, as pessoas com esse distúrbio imitam um comportamento típico de uma doença mental, como a esquizofrenia. Eles podem parecer confusos, fazer afirmações absurdas e relatar alucinações, a experiência de sentir coisas que não existem; por exemplo, ouvindo vozes. A síndrome de Ganser, às vezes chamada de psicose na prisão, é um distúrbio factício que foi observado pela primeira vez em prisioneiros. Pessoas com síndrome de Ganser apresentam episódios curtos de comportamento bizarro, semelhantes aos mostrados por pessoas com doenças mentais graves.
  • Transtorno factício com sintomas principalmente físicos: as pessoas com esse distúrbio afirmam ter sintomas relacionados a uma doença física, como sintomas de dor no peito, problemas estomacais ou febre. Às vezes, esse distúrbio é chamado de síndrome de Munchausen, em homenagem ao Barão von Munchausen, um oficial alemão do século 18 que era conhecido por embelezar as histórias de sua vida e experiências. Psicologa Brasilia
  • Transtorno factício com sintomas psicológicos e físicos: as pessoas com esse distúrbio produzem sintomas de doenças físicas e mentais.
  • Transtorno factício não especificado de outro modo: esse tipo inclui um distúrbio chamado transtorno factício por procuração (também chamado de síndrome de Munchausen por procuração). Pessoas com esse distúrbio produzem ou fabricam sintomas de doença em outra pessoa sob seus cuidados. Ocorre com mais frequência em mães (embora possa ocorrer em pais) que intencionalmente prejudicam seus filhos para receber atenção.

Usando células da cartilagem no nariz dos pacientes, os médicos suíços fizeram adesivos com sucesso para tratar 10 adultos cuja cartilagem do joelho foi danificada por lesão. Dois anos após os transplantes, a maioria dos pacientes cultivou nova cartilagem nos joelhos e relatou melhora na dor, função do joelho e qualidade de vida.

Desenvolvemos uma abordagem nova e promissora para o tratamento de lesões na cartilagem articular. Embora os resultados desse estudo preliminar sejam encorajadores, são necessárias mais pesquisas antes que essa técnica se torne amplamente disponível. Antes que isso possa ser oferecido aos pacientes como tratamento padrão, obviamente ele precisa ser testado em um número maior de pacientes e em ensaios randomizados com avaliação a longo prazo dos resultados clínicos. Otorrino brasilia

otorrino

O tratamento de lesões na cartilagem continua sendo um problema clínico significativo, e não há tratamento padrão-ouro nem tratamento ideal disponível. O uso de células do nariz para reparo das articulações é completamente novo. A cartilagem nasal pode ser uma ótima fonte para o reparo da cartilagem; no entanto, mais estudos clínicos são necessários.

O enxerto modificado foi cortado na forma correta e utilizado para substituir a cartilagem danificada após a remoção cirúrgica do joelho do paciente. Com o procedimento, apenas uma pequena amostra de células é retirada do nariz, usando um anestésico local. Após o reparo do joelho, o paciente fica de muletas por seis a oito semanas. Normalmente, leva vários meses para uma recuperação. Rinoplastia Brasilia

Dois anos após o procedimento, os exames de ressonância magnética revelaram um novo tecido semelhante à cartilagem normal do joelho. Além disso, nove pacientes relataram melhorias no uso do joelho e menos dor. Um paciente foi excluído por causa de várias novas lesões esportivas.

Nenhuma reação ruim foi relatada, mas dois eventos adversos sérios não relacionados ao procedimento ocorreram – uma lesão independente no joelho não tratado e novos danos na cartilagem em outras áreas do joelho tratado. Mesmo pequenas lesões na cartilagem articular podem causar dor, limitar a caminhada e a corrida e restringir o movimento articular. Com o tempo, a cartilagem saudável circundante pode se deteriorar – resultando em artrite. Otorrino Ceilandia

Uma variedade de procedimentos cirúrgicos foram desenvolvidos para preencher “buracos” na cartilagem articular, com sucesso variável. Nas últimas duas décadas, os cirurgiões conseguiram retirar células da cartilagem do joelho, cultivá-las em laboratório e colocá-las de volta no joelho de um paciente. Este novo estudo demonstra a plausibilidade de retirar células cartilaginosas do nariz em um procedimento menos invasivo que requer apenas anestesia local. Se os resultados do estudo puderem ser duplicados e estendidos para um número maior de pacientes, este é um passo à frente na restauração da cartilagem articular, e aplaudo os esforços de pesquisa.

otorrinolaringologia é uma especialidade médica que tem como campo de atuação o diagnóstico e tratamento das doenças que afetam ouvido, nariz, seios paranasais, faringe, laringe, cabeça e pescoço. A rinoplastia pode melhorar a aparência do nariz e sua função respiratória a partir da modificação de aspectos como tamanho, largura, perfil, ponta nasal, abertura das narinas e desvio de septo. Em virtude de trabalhar estruturas delicadas, a cirurgia deve ser realizada por médico com formação cirúrgica adequada, como o otorrinolaringologista. Embora também trate problemas relacionados a outras áreas do corpo humano — como ouvido, seios paranasais, faringe, laringe, cabeça e pescoço —, o otorrinolaringologista é o especialista que melhor conhece o nariz. Dessa forma, sua operação não considera somente a perspectiva estética da rinoplastia, mas igualmente contempla a recuperação da funcionalidade nasal.

À medida que mais evidências surgem de que o COVID-19 está ligado a um risco aumentado de coágulos sanguíneos perigosos, novas pesquisas sugerem que dar aos pacientes mais finos o sangue pode melhorar suas chances de sobrevivência. O uso de anticoagulantes deve ser considerado quando os pacientes são admitidos no pronto-socorro e têm teste positivo para COVID-19, para possivelmente melhorar os resultados. Angiologista Taguatinga

corona vírus

Nas últimas semanas, os médicos que cuidam de pacientes hospitalizados com COVID-19 aumentaram o alarme depois que pacientes mais jovens desenvolveram coágulos e derrames com risco de vida. Os pacientes tinham entre 33 e 49 anos de idade – muito jovens a serem atingidos por um derrame. A coagulação associada ao COVID-19 é tão pronunciada que “algumas pessoas estão começando a dizer: ‘Olha, qualquer pessoa que chega ao hospital precisa usar'” anticoagulantes no início do tratamento.

Desses pacientes, 28% receberam uma dose completa de anticoagulantes, uma quantidade geralmente administrada a pessoas com ou com suspeita de coágulos sanguíneos. A terapia para diluir o sangue foi associada à melhora da sobrevida dos pacientes com COVID-19, dentro e fora da terapia intensiva, disseram os autores do estudo.

Entre os pacientes colocados em ventiladores, quase 63% daqueles que não foram tratados com anticoagulantes morreram, em comparação com 29% daqueles que receberam os medicamentos, relataram os pesquisadores. Entre os pacientes que usaram ventiladores que morreram, aqueles que não receberam anticoagulantes morreram após nove dias, enquanto aqueles que receberam os medicamentos morreram após 21 dias. Endocrinologista Taguatinga

De todos os pacientes que morreram, aqueles em anticoagulantes morreu depois de passar uma média de 21 dias no hospital, enquanto aqueles que não receberam anticoagulantes morreu depois de uma média de 14 dias no hospital. É importante ressaltar que não houve diferença significativa nos eventos hemorrágicos entre os pacientes que receberam ou não receberam anticoagulantes. Dois médicos desconectados do novo estudo concordaram que os anticoagulantes podem ser necessários em muitos pacientes com COVID-19.

Novo estirpe de corona vírus é mais contagioso

Uma nova cepa mutada do corona vírus que causa o COVID-19 se tornou dominante e parece ser mais contagiosa do que a cepa que se espalhou durante os estágios iniciais da pandemia, relatam os cientistas. Eles disseram que a nova cepa apareceu em fevereiro na Europa, se espalhou para a costa leste dos Estados Unidos e tem sido a cepa dominante em todo o mundo desde meados de março. A nova cepa se espalha mais rapidamente e pode tornar as pessoas suscetíveis a uma segunda infecção por COVID-19, mas não parece ser mais mortal. Psiquiatra Taguatinga

Os cientistas disseram que havia uma “necessidade urgente de um alerta precoce” para que vacinas e medicamentos em desenvolvimento para combater o novo corona vírus sejam eficazes contra a cepa mutada. Para o estudo, os pesquisadores realizaram uma análise computacional de mais de 6.000 sequências genéticas de corona vírus de todo o mundo. Não se sabe por que a nova cepa é mais infecciosa que as cepas anteriores. A história é preocupante, pois vemos uma forma mutada do vírus emergindo muito rapidamente e, durante o mês de março, se tornando a forma pandêmica dominante. Quando os vírus com essa mutação entram na população, eles rapidamente começam a dominar a epidemia local, tornando-os mais transmissíveis.

Definição e fatos:

  • O ligamento cruzado anterior é um dos quatro ligamentos no joelho que fornece estabilização para a articulação do joelho;
  • Ligamento cruzado anterior rasgadas são uma lesão comum no joelho;
  • Uma ruptura ou entorse do ligamento cruzado anterior ocorre com uma mudança repentina de direção ou gira contra um joelho travado;
  • Um estalo, seguido de dor e inchaço do joelho, são os sintomas mais comuns de uma ruptura do ligamento cruzado anterior;
  • As mulheres são mais propensas a romper o ligamento cruzado anterior devido a diferenças na anatomia e na função muscular;
  • Os objetivos do tratamento são retornar o paciente ao seu nível de função pré-lesão. A cirurgia artroscópica pode ser necessária para reconstruir o ligamento rompido;
  • Pode levar de seis a nove meses para retornar à atividade normal após uma lesão no ligamento cruzado anterior.

ortopedista

Qual é a função da articulação do joelho?

O objetivo da articulação do joelho é dobrar e endireitar (flexionar e estender), permitindo que o corpo mude de posição. A capacidade de dobrar o joelho torna atividades como caminhar, correr, pular, ficar em pé e se sentar muito mais fácil e mais eficiente.

O osso da coxa (fêmur) e a canela (tíbia) encontram a rótula (patela) para formar a articulação do joelho. As extremidades arredondadas do fêmur, ou côndilos, alinham-se com as partes superiores planas da tíbia chamadas platôs. Existem várias estruturas que mantêm a articulação do joelho estável e permitem que os côndilos e os platôs mantenham sua relação anatômica, para que o joelho possa deslizar facilmente através de sua amplitude de movimento. O joelho é uma articulação da dobradiça, mas também ocorre alguma rotação quando se dobra e se endireita.

Existem quatro bandas grossas de tecido, chamadas ligamentos, que estabilizam o joelho e mantêm seu movimento em um plano.

  • O ligamento colateral medial (LMC) e o ligamento colateral lateral (LCL) estabilizam os lados do joelho, impedindo a flambagem lateral;
  • O ligamento cruzado anterior (LCA) e o ligamento cruzado posterior (PCL) formam um X no interior da articulação do joelho e impedem que o joelho deslize de trás para frente e de frente para trás, respectivamente.

Os principais músculos da coxa também atuam como estabilizadores: o quadríceps na frente da perna e os isquiotibiais nas costas. Ortopedista Brasília

Uma entorse ocorre quando um ligamento é lesionado e as fibras são esticadas ou rasgadas. Uma entorse de primeiro grau é um ligamento esticado, mas sem fibras rasgadas, enquanto uma entorse de segundo grau é um ligamento parcialmente rasgado. Uma entorse de terceiro grau é um ligamento completamente rasgado. Ortopedista Brasilia

O que é um ligamento cruzado anterior rasgado?

Um ligamento cruzado anterior (LCA) rasgado é uma entorse de segundo ou terceiro grau do ligamento cruzado anterior. O ligamento cruzado anterior surge da frente do côndilo femoral medial e passa pelo meio do joelho para se conectar entre os afloramentos ósseos (chamados de coluna da tíbia) que estão localizados entre os platôs da tíbia. É uma estrutura pequena, com menos de 1,5 cm de comprimento e 2,5 cm de largura. O ligamento cruzado anterior é vital para impedir que o fêmur deslize para trás na tíbia (ou, do outro ponto de vista, a tíbia deslize para frente sob o fêmur). O ligamento cruzado anterior também impede que o joelho gire, o movimento que ocorre quando o pé é plantado e a perna gira. Sem um ligamento cruzado anterior normal, o joelho fica instável e pode dobrar, especialmente quando a perna é plantada e são feitas tentativas para parar ou girar rapidamente.

Quais são os sintomas e sinais de uma lesão do ligamento cruzado anterior?

Com uma lesão aguda, o paciente geralmente descreve que ouviu um estalo alto e depois desenvolveu dor intensa no joelho. A dor torna muito difícil caminhar ou suportar peso. A articulação do joelho começará a inchar dentro de algumas horas por causa de um sangramento na articulação, dificultando o endireitamento do joelho.

Se não for tratado, o joelho se sentirá instável e o paciente poderá se queixar de dores e inchaços recorrentes e ceder, principalmente quando andar em terreno irregular ou subir ou descer degraus.

O que causa uma lesão do ligamento cruzado anterior em homens e mulheres?

A maioria das lesões do ligamento cruzado anterior ocorre devido a lesão, geralmente em um esporte ou atividade física. O ligamento fica esticado ou rasga quando o pé é firmemente plantado e o joelho trava e torce ou gira ao mesmo tempo. Isso geralmente ocorre no basquete, futebol, futebol e ginástica, onde uma mudança repentina de direção estressa e danifica o ligamento. Essas lesões geralmente não têm contato, ocorrem em baixa velocidade e ocorrem quando o corpo está desacelerando.

As lesões do ligamento cruzado anterior também podem ocorrer quando a tíbia é empurrada para a frente em relação ao fêmur. Esse é o mecanismo de lesão que ocorre devido a uma queda ao esquiar, de um golpe direto na frente do joelho (como no futebol) quando o pé é plantado no chão ou em um acidente de carro.

Muitos transtornos de ansiedade se desenvolvem primeiro na infância ou adolescência. Embora alguns possam resolver, muitos persistem na idade adulta. Alguns sintomas de ansiedade estão relacionados ao desenvolvimento infantil. Por exemplo, a ansiedade de separação é normal em crianças pequenas. No entanto, quando o medo de ficar longe dos pais persiste ou interfere no desenvolvimento normal, o transtorno de ansiedade de separação é diagnosticado. A ansiedade de separação pode começar após um evento traumático, como a morte de um ente querido. No entanto, se o medo é mais sobre o trauma, e não especificamente sobre a separação dos cuidadores da criança, um distúrbio de estresse agudo ou um diagnóstico de transtorno de estresse pós-traumático podem ser mais apropriados.

transtorno de ansiedade

Mutismo seletivo refere-se à incapacidade de falar em situações sociais em que existe expectativa de falar (como a escola), mas eles ainda são capazes de falar em outros contextos. Quando esse padrão persiste e causa problemas na escola, no trabalho ou em outro desempenho, o mutismo seletivo é diagnosticado. Clinica de Psiquiatria em Brasilia

As semelhanças e diferenças nos sintomas de ansiedade em adultos em comparação com crianças e adolescentes dependem da condição específica que está causando a ansiedade. Por exemplo, sintomas de fobia social ou fobia específica são bastante semelhantes em crianças e adolescentes em comparação com adultos, exceto que crianças e adolescentes têm menos probabilidade de reconhecer que seus pensamentos ou comportamentos são irracionais. Os sintomas de ansiedade em crianças e adolescentes tendem a ser consistentes com a maneira como expressam sentimentos em geral. Por exemplo, crianças mais jovens são menos capazes de expressar sentimentos verbalmente em comparação com crianças mais velhas e, portanto, tendem a expressar ansiedade reclamando de sintomas físicos, como dores de estômago ou dores de cabeça. Psiquiatra em Brasilia. Eles também são mais propensos a chorar, ter birras ou ficar pegajosos. Em contraste com as crianças mais novas, os adolescentes tendem a expressar sintomas de ansiedade de maneira semelhante aos adultos. No entanto, é mais provável que os adolescentes exibam ansiedade do que adultos, ficando irritados ou com raiva. Os adolescentes ansiosos também têm maior probabilidade de apresentar grandes variações de humor, do normal para o ansioso, zangado e irritável.

Ansiedade em homens e mulheres

Os transtornos de ansiedade são diagnosticados em mulheres duas vezes mais que nos homens. É difícil determinar se as mulheres são mais suscetíveis a transtornos de ansiedade ou se os homens têm menos probabilidade de reconhecer ou relatar sintomas e, portanto, são diagnosticados com menos frequência. Da mesma forma, diferenças em como homens e mulheres experimentam ou reconhecem sintomas de ansiedade também podem influenciar o diagnóstico de transtorno de ansiedade. Psiquiatra Brasilia

Estudos indicam que os homens parecem experimentar efeitos da ansiedade de maneira diferente em comparação às mulheres. Especificamente, os homens tendem a exibir mais sintomas psicológicos de ansiedade, como tensão, irritabilidade e uma sensação de destruição iminente. Por outro lado, as mulheres tendem a desenvolver mais sintomas físicos como dor no peito, palpitações, insônia, falta de ar e náusea. Além disso, parece que as mulheres com tais sintomas físicos de ansiedade correm mais risco de desenvolver problemas cardíacos.

ansiedade pode ser descrita como a resposta a uma ameaça futura ou possível. A ansiedade está intimamente relacionada ao medo, que é a resposta a uma ameaça imediata real ou percebida. O medo e a ansiedade são respostas evoluídas normais em humanos e animais, e as respostas físicas estão ligadas ao sistema de “luta ou fuga”. O sistema nervoso autônomo controla a resposta de luta ou fuga no corpo, e essa resposta geralmente inclui dilatação das pupilas nos olhos, aumento da freqüência cardíaca e aumento da respiração / respiração. As respostas de ansiedade podem incluir maior vigilância (prestando atenção ao ambiente) e tensão muscular. A ansiedade pode ser construtiva, como melhorar o desempenho em um teste, evento esportivo ou falar em público. Embora sejam respostas normais e frequentemente respostas úteis ao perigo, a ansiedade pode causar problemas quando é ativada com muita facilidade, não é desativada quando o perigo está ausente ou quando a resposta é muito forte. Ansiedade excessiva que causa sofrimento ou prejuízo, que interfere na função normal ou evita atividades importantes e pessoas na vida, é considerada um distúrbio de ansiedade.

ansiedade

Quais são os tipos de transtornos de ansiedade?

Os transtornos de ansiedade são diferenciados com base no tipo de objeto ou situação que causa medo, ansiedade ou evitação, bem como nos padrões de pensamento associados ao medo ou à ansiedade. Para ser considerado um transtorno de ansiedade, o medo ou ansiedade também deve ser persistente (durando geralmente seis meses ou mais), e não uma fase normal de desenvolvimento (por exemplo, uma criança com medo de ficar longe dos pais). Os transtornos de ansiedade geralmente começam na infância, mas persistem na idade adulta. Psiquiatra Taguatinga

Os transtornos de ansiedade mais comuns são fobias específicas. Fobias específicas são um medo excessivo de um objeto ou situação específica, como aranhas (aracnofobia), alturas (acrofobia), voo ou espaços fechados (claustrofobia). A maioria das pessoas sabe que seus medos (fobias) são excessivos, mas geralmente se sentem impotentes para controlá-los. Às vezes, uma fobia pode começar após um evento traumático (por exemplo, ficar preso em um espaço pequeno; ver alguém ferido por um animal), mas os sintomas estão relacionados ao medo e não relacionados à re-experiência do trauma (por exemplo, o os sintomas não se encaixam melhor no diagnóstico de transtorno de estresse pós-traumático.

No transtorno de ansiedade social (fobia social ou ansiedade de desempenho), as pessoas são excessivamente amedrontadas ou preocupadas com interações ou situações sociais que podem envolver serem observadas ou examinadas. A autoconsciência de ser observada pelos outros ou de se apresentar na frente dos outros é normal. No entanto, a ansiedade social é muito mais extrema e atrapalha a realização de atividades normais (e muitas vezes necessárias) com sucesso. A fobia social pode estar limitada a situações de desempenho (como falar, cantar, atuar etc. na frente de outras pessoas) ou pode ser mais geral e relacionada a muitas (ou todas) situações em torno de outras pessoas. Psiquiatra Brasilia

transtorno de ansiedade generalizada (TAG) é caracterizado por ansiedade persistente e excessiva e se preocupa com muitas áreas diferentes que são difíceis de controlar. Outros transtornos de ansiedade incluem transtorno de ansiedade de separação, mutismo seletivo, agorafobia (medo de ficar fora de casa em várias situações) e transtorno do pânico (ataques de pânico recorrentes inesperados e medo de ter mais ataques de pânico).

Quais são os sintomas e sinais de ansiedade?

Sintomas e sinais comuns de transtorno de ansiedade podem incluir:

  • inquietação ou nervosismo;
  • cansar-se facilmente, fadiga;
  • problemas de concentração, que também podem aparecer como problemas de memória ou atenção;
  • sentindo como se a mente estivesse “em branco”;
  • irritabilidade;
  • tensão muscular;
  • dores de cabeça;
  • problemas de sono (problemas para adormecer ou dormir sem descanso).

A ansiedade associada a medos específicos (fobia específica ou simples) ou social (fobia social) também pode resultar em evitar certas situações ou elevar os sintomas para desencadear um ataque de pânico. Psicologa Brasilia

Os ataques de pânico são episódios repentinos de intenso medo e/ou desconforto físico que atingem um pico em minutos. Sinais e sintomas específicos de ataques de pânico incluem sintomas físicos e emocionais, como:

  • palpitações (sensação de batimentos cardíacos rápidos e / ou irregulares);
  • dor no peito, aperto no peito ou outro desconforto, sentindo como se estivesse tendo um ataque cardíaco;
  • falta de ar ou dificuldade em respirar;
  • sudorese das palmas das mãos;
  • náusea ou outra dor de estômago;
  • tremendo ou tremendo;
  • sentir-se tonto, instável, tonto ou fraco;
  • desrealização (sentimentos de irrealidade) ou despersonalização (sentimento desapegado de si mesmo);
  • medo de perder o controle ou ficar louco;
  • sensação de dormência ou formigamento;
  • calafrios ou ondas de calor;
  • sentindo como se estivesse sufocando;
  • uma sensação de destruição iminente;
  • sentindo como se estivesse morrendo.

O que é atropina e como funciona (mecanismo de ação)?

A atropina ocorre naturalmente e é extraída dos alcaloides da beladona contidos nas plantas. A atropina bloqueia a ação da acetilcolina, um neurotransmissor que causa a contração de dois tipos de músculos, músculos lisos e cardíacos. Também tem outros efeitos neurológicos. Atropina oftálmica é usada durante exames oftalmológicos para dilatar a pupilaOftalmologista Planaltina. A atropina também é usada para enfraquecer a contração dos músculos dentro dos olhos, os músculos que operam a íris e as lentes. Paralisada lente, chamada cicloplegia, resulta na perda da capacidade de focalizar a visão. A paralisia da íris (midríase) impede que a íris se ajuste ao brilho da luz que chega e afeta a capacidade de ver claramente. Em estudos clínicos, o uso de uma única administração tópica de solução oftálmica de atropina a 1% (colírio) resultou em midríase máxima (dilatação ou alargamento da pupila) em aproximadamente 40 minutos e cicloplegia máxima em aproximadamente 60 a 90 minutos. Na maioria dos casos, a recuperação completa ocorreu em aproximadamente uma semana, mas pode levar algumas semanas. O FDA aprovou a atropina em 1938.

Quais são os efeitos colaterais da atropina?

Os efeitos colaterais mais comuns relatados incluem:

  • dor nos olhos;
  • picada na administração;
  • visão borrada;
  • sensibilidade à luz;
  • diminuição da produção de lágrimas;
  • inchaço palpebral;
  • aumento da frequência cardíaca e pressão arterial se a atropina for absorvida pelo olho.

Qual é a dosagem para atropina?

  • Para induzir midríase (dilatação da pupila) ou cicloplegia em adultos: Instale 1-2 gotas de solução oftálmica a 1% no olho 1 hora antes do procedimento. Clinica de Oftalmologia em Brasilia
  • Para o tratamento de condições inflamatórias do olho (irite ou uveíte) em adultos: Instale 1-2 gotas de solução a 1% no olho até 4 vezes por dia.

Quais medicamentos ou suplementos interagem com atropina?

O uso de atropina com inibidores da monoamina oxidase (MAOI) não é recomendado devido ao risco de causar pressão arterial severamente elevada (crise hipertensiva). Exemplos de inibidores da MAOI incluem:

  • linezolida (Zyvox);
  • azul de metileno;
  • fenelzina (Nardil);
  • procarbazina (Matulane);
  • rasagilina (Azilect);
  • selegilina (Eldepryl, Zelapar, Carbex);
  • tranylcypromine (Parnate) e outros.

Os pacientes devem perguntar ao seu médico ou farmacêutico antes de usar produtos para os olhos de atropina se estiverem tomando certos medicamentos, como:

  • drogas antiarrítmicas, por exemplo, quinidina, procainamida (Procanbid), anti-histamínicos como meclizina (Antivert) ou difenidramina (Benadryl);
  • antiespasmódicos, como diciclomina (Bentil);
  • certos medicamentos utilizados para tratar a doença de Parkinson, tais como benztropina (Cogentin) ou tri-hexifenidilo (Artane);
  • antidepressivos, por exemplo amitriptilina (Endep, Elavil).

É seguro tomar atropina se estiver grávida ou amamentando?

Não existem estudos adequados e bem controlados de sulfato de atropina em mulheres grávidas. Oftalmologista Brasilia

Pequenas quantidades de atropina foram detectadas no leite humano após a administração de atropina injetável. As preparações oftálmicas de atropina são compatíveis com a amamentação.

Que preparações de atropina estão disponíveis?

Solução oftálmica: 1%

Como devo manter a atropina armazenada?

A solução oftálmica de atropina pode ser armazenada na geladeira ou à temperatura ambiente, longe do calor e da luz.

Níveis de hormônio do apetite podem influenciar o retorno do peso

Alguns dietistas podem ter mais chances de recuperar o excesso de peso que perderam, dependendo de sua composição hormonal.

Uma certa combinação de hormônios do apetite, leptina e grelina, parece predispor algumas pessoas ao ganho de peso após uma dieta.

A conexão entre hormônios do apetite, como grelina e leptina, e complicações de longo prazo para a perda de peso, decorre do trabalho com 104 homens e mulheres obesos e com sobrepeso, todos embarcados em uma dieta de oito semanas e com baixas calorias.

dieta endocrinologista

Conclusão: aqueles com níveis mais altos de leptina e grelina antes da dieta tinham maior probabilidade de recuperar o peso perdido após o término da dieta. Endocrinologista Brasilia

Acredita-se que esta pesquisa possa indicar que o resultado da terapia com pesos pode ser pré-condicionado,

As descobertas podem fornecer aos profissionais de endocrinologia e nutrição uma ferramenta para identificar indivíduos que precisam de programas especializados de perda de peso que visem primeiro os níveis de hormônio do apetite antes de iniciar o tratamento dietético convencional.

E, embora observando que “o sucesso a longo prazo de manter o peso perdido geralmente é ruim”, é sugerido que as observações atuais “poderiam ser usadas como uma ferramenta para personalizar programas de perda de peso que garantissem sucesso em evitar o peso”.

Quais dietas ajudam a manter o peso de voltar?

Enquanto você fica agachado esperando que o coronavírus diminua, você pode se inspirar para perder peso. Mas qual dieta é melhor? A resposta curta é que todas as dietas parecem funcionar. A resposta longa é que você provavelmente recuperará o peso dentro de um ano.

“Não existe uma dieta que de alguma forma ajude a manter o peso magicamente”. Siga qualquer dieta que você goste, e você perderá peso e diminuirá a pressão arterial e os níveis de colesterol. Isso reduz o risco de doenças cardíacas, incluindo ataque cardíaco e derrame, desde que você mantenha o peso. Endocrinologista Florianopolis

Mas é mais fácil falar do que fazer, e à medida que os números na escala aumentam, os benefícios em termos de risco de doença cardíaca desaparecem.

Tanto a dieta DASH quanto a mediterrânea são ricas em frutas, vegetais e grãos integrais, nozes, legumes e peixe, e com baixo teor de açúcar, gordura e carne vermelha. Eles são frequentemente apontados como saudáveis para o coração, mas foi concluído que não está claro se eles provaram reduzir o risco de doenças cardíacas e derrames.

Durante seis meses, as pessoas que seguiram dietas com baixo teor de carboidratos e baixo teor de gordura perderam em média 9 a 11 libras, e a pressão arterial também diminuiu, descobriram os investigadores.

Mas nenhuma das dietas melhorou os níveis de colesterol “bom” (HDL) ou diminuiu os níveis de proteína C reativa, que está ligada a doenças cardíacas. Após um ano, as pessoas de todas as dietas estudadas recuperaram peso e perderam qualquer benefício à saúde do coração. Aqueles na dieta mediterrânea, no entanto, mantiveram um pequeno benefício no colesterol.

Com base nessas descobertas, você pode esperar a mesma perda de peso inicial em qualquer uma das dietas – portanto, qual você escolhe é realmente uma questão de preferência pessoal.

As dietas, pelos padrões atuais, não funcionam. Por trabalho, quero dizer um estilo de vida sustentável que promove um peso saudável e atende às necessidades nutricionais do indivíduo. As dietas da moda são temporárias, geralmente muito restritivas e pouco realistas. Endocrinologista Taguatinga

“O ambiente em que vivemos não promove uma vida saudável e é difícil para muitos resistir às tentações de conveniência e fast food”.

Uma dieta mais baseada em vegetais de alimentos caseiros e menos processados – em outras palavras, uma abordagem do tipo mediterrâneo – pode ajudar as pessoas a diminuir o risco de doenças crônicas, gerenciar o peso e aumentar a energia.

“Precisamos nos controlar e enfrentar o fato de que uma dieta constante de alimentos rápidos, lixo e preparados não é saudável”.

E, cuidado: você pode ganhar peso comendo qualquer coisa – até mesmo alimentos saudáveis -, por isso, porções e atividades físicas importam. “Podemos ficar complacentes com o tempo, começar a comer um pouco mais, com porções um pouco maiores de comida, ser menos ativos”. “E, com o tempo, essas pequenas alterações podem resultar em ganho de peso lento “.

OtorrinoO que é um distúrbio de equilíbrio?

Um distúrbio de equilíbrio é uma condição que faz você se sentir instável ou tonto, como se estivesse se movendo, girando ou flutuando, mesmo estando parado ou deitado. Os distúrbios do equilíbrio podem ser causados por certas condições de saúde, medicamentos ou um problema no ouvido interno ou no cérebro.

Nosso senso de equilíbrio é controlado principalmente por uma estrutura semelhante a labirinto no ouvido interno chamada labirinto, que é feita de ossos e tecidos moles. Em uma extremidade do labirinto, há um intrincado sistema de loops e bolsas, chamados canais semicirculares e órgãos otolíticos, que nos ajudam a manter o equilíbrio. No outro extremo, há um órgão em forma de caracol chamado cóclea, que nos permite ouvir. O termo médico para todas as partes do ouvido interno envolvidas no equilíbrio é o sistema vestibular.

Como funciona o sistema vestibular?

Nosso sistema vestibular trabalha com outros sistemas sensório-motores no corpo, como o sistema visual (olhos) e o sistema esquelético (ossos e articulações), para verificar e manter a posição do corpo em repouso ou em movimento. Também nos ajuda a manter um foco constante nos objetos, mesmo que a posição do nosso corpo mude. O sistema vestibular faz isso detectando forças mecânicas, incluindo a gravidade, que agem sobre nossos órgãos vestibulares quando nos movemos. Duas seções do labirinto nos ajudam a realizar essas tarefas: os canais semicirculares e os órgãos otolíticos. Otorrino Ceilandia

Os canais semicirculares são três voltas cheias de fluido dispostas aproximadamente em ângulo reto entre si. Eles dizem ao cérebro quando nossa cabeça se move de maneira rotativa ou circular, como quando balançamos a cabeça para cima e para baixo ou olhamos da direita para a esquerda.

Cada canal semicircular tem uma base rechonchuda, que contém uma estrutura em forma de gota de chuva preenchida com uma substância semelhante a gel. Essa estrutura, chamada cúpula, fica no topo de um aglomerado de células sensoriais, chamadas células ciliadas. As células ciliadas possuem longas extensões semelhantes a fios, chamadas estereocilia, que se estendem para o gel. Quando a cabeça se move, o fluido dentro do canal semicircular se move. Esse movimento faz com que a cúpula se dobre e os estereocílios dentro dela se inclinem para um lado. A ação de inclinação cria um sinal que viaja para o cérebro, informando o movimento e a posição da cabeça. Otorrino Taguatinga

Entre os canais semicirculares e a cóclea, estão os órgãos otolíticos, que são duas bolsas cheias de líquido chamadas utrículo e sáculo. Esses órgãos informam o cérebro quando nosso corpo está se movendo em linha reta, como quando nos levantamos ou andamos de carro ou de bicicleta. Eles também informam ao cérebro a posição de nossa cabeça em relação à gravidade, como estar sentado, recostado ou deitado.

Assim como os canais semicirculares, o utrículo e o sáculo têm células ciliadas sensoriais. Essas células ciliadas revestem o fundo de cada bolsa e seus estereocílios se estendem para uma camada semelhante a gel. No topo do gel há pequenos grãos feitos de carbonato de cálcio chamados otoconia. Quando você inclina a cabeça, a gravidade puxa os grãos, que então movem a estereocilia. Como nos canais semicirculares, esse movimento cria um sinal que informa ao cérebro a posição da cabeça. Otorrino DF

Nosso sistema visual trabalha com nosso sistema vestibular para impedir que os objetos embaçam quando nossa cabeça se move e para nos manter conscientes de nossa posição quando caminhamos ou quando andamos em um veículo. Os receptores sensoriais em nossas articulações e músculos também nos ajudam a manter o equilíbrio quando paramos ou andamos. O cérebro recebe, interpreta e processa as informações desses sistemas para controlar nosso equilíbrio.

Quais são os sintomas de um distúrbio do equilíbrio?

Se seu equilíbrio estiver prejudicado, você pode sentir como se a sala estivesse girando. Você pode cambalear ao tentar andar ou balançar ou cair ao tentar se levantar. Alguns dos sintomas que você pode ter são:

  • Tontura ou vertigem (sensação de rotação);
  • Caindo ou sentindo como se fosse cair;
  • Tontura, desmaio ou sensação de flutuação;
  • Visão embaçada;
  • Confusão ou desorientação.

Outros sintomas são náusea e vômito, diarreia, alterações na frequência cardíaca e pressão arterial e medo, ansiedade ou pânico. Algumas pessoas também se sentem cansadas, deprimidas ou incapazes de se concentrar. Os sintomas podem ir e vir por curtos períodos ou durar por períodos mais longos.

O que causa um distúrbio do equilíbrio?

Um distúrbio de equilíbrio pode ser causado por infecções virais ou bacterianas no ouvido, um ferimento na cabeça ou distúrbios da circulação sanguínea que afetam o ouvido interno ou o cérebro. Muitas pessoas experimentam problemas com seu senso de equilíbrio à medida que envelhecem. Problemas de equilíbrio e tontura também podem resultar do uso de certos medicamentos.

Além disso, problemas nos sistemas visual e esquelético e no sistema nervoso e circulatório podem ser a fonte de alguns problemas de postura e equilíbrio. Um distúrbio do sistema circulatório, como pressão arterial baixa, pode levar a uma sensação de tontura quando subitamente nos levantamos. Problemas nos sistemas esqueléticos ou visuais, como artrite ou desequilíbrio dos músculos oculares, também podem causar problemas de equilíbrio. No entanto, muitos distúrbios do equilíbrio podem começar de repente e sem causa óbvia.

Quais são alguns tipos de distúrbios do equilíbrio?

  • A labirintite é uma infecção ou inflamação do ouvido interno que causa tontura e perda de equilíbrio. Frequentemente está associado a uma infecção respiratória superior, como a gripe.
  • A doença de Ménière está associada a uma mudança no volume de líquidos dentro de partes do labirinto. A doença de Ménière causa episódios de vertigem, perda auditiva irregular, zumbido (zumbido ou zumbido no ouvido) e sensação de plenitude no ouvido. A causa desta doença é desconhecida.
  • A neuronite vestibular é uma inflamação do nervo vestibular e pode ser causada por um vírus. Seu principal sintoma é vertigem.
  • A fístula perilinfa é um vazamento de líquido do ouvido interno no ouvido médio. Pode ocorrer após uma lesão na cabeça, mudanças drásticas na pressão atmosférica (como no mergulho), esforço físico, cirurgia no ouvido ou infecções crônicas no ouvido. Seu sintoma mais notável, além de tonturas e náuseas, é a instabilidade ao caminhar ou ficar em pé, que aumenta com a atividade e diminui com o repouso. Alguns bebês podem nascer com fístula perilinfa, geralmente associada à perda auditiva presente no nascimento.
  • A síndrome do mal de descarte (MdDS) é um distúrbio de equilíbrio no qual você se sente como se estivesse balançando ou balançando continuamente. Geralmente acontece após um cruzeiro oceânico ou outras viagens marítimas. Geralmente, os sintomas desaparecem em questão de horas ou dias após a chegada à terra. No entanto, casos graves podem durar meses ou até anos.

Olhos Vermelhos ou Conjuntivite também podem ser sintomas de Coronavírus

Além de causar o COVID-19, o novo coronavírus também pode levar à conjuntivite, e pesquisadores chineses dizem que o vírus pode se espalhar por lágrimas. Dos 38 pacientes com COVID-19, uma dúzia também teve olho vermelho (conjuntivite), segundo um novo estudo. Em dois pacientes, o coronavírus estava presente nos fluidos nasal e ocular. “Alguns pacientes com COVID-19 apresentam sintomas oculares, e talvez novos coronavírus estejam presentes nas secreções dos olhos de pacientes com COVID-19 “, disse o pesquisador Dr. Liang, do departamento de oftalmologia da Universidade das Três Gargantas da China, em Yichang.

conjuntivite

A conjuntiva é uma camada fina e transparente de tecido que reveste a pálpebra interna e cobre parte do branco do olho. Liang disse que o coronavírus pode invadi-lo em pacientes com pneumonia grave por COVID-19. Isso significa que o vírus pode se espalhar se alguém esfregar um olho infectado e tocar em outra pessoa – ou durante um exame oftalmológico, sugeriram os autores do estudo. Quanto mais grave o COVID-19 de um paciente, maior a probabilidade de ele também ter olhos vermelhos (uma espécie de conjuntivite).

Diante dessas descobertas, médicos e enfermeiros que tratam pacientes com COVID-19 devem usar óculos de proteção, além de outras roupas de proteção, bonés e luvas. Muitas pessoas estão recomendando o uso de mascaras de acrílico, semelhanste àquelas usadas por soldadores.
Reagindo à pesquisa, um oftalmologista da cidade de Nova York disse que as pessoas devem tomar medidas para evitar os olhos rosados. Isso inclui evitar tocar nos olhos e no rosto e usar óculos em vez de lentes de contato durante o surto de coronavírus. Oftalmologista DF

“Embora a conjuntivite seja uma manifestação rara desta doença, devemos tomar todas as precauções necessárias para prevenir a conjuntivite, incluindo a lavagem frequente das mãos”, disse o Dr. Prachi Dua, oftalmologista do Hospital de Olhos, Ouvidos e Garganta de Manhattan.
“Pacientes e médicos devem estar cientes de que o COVID-19 pode se manifestar com vermelhidão ocular, inchaço e lacrimejamento”, acrescentou. “Esses pacientes devem procurar atendimento adequado para diagnóstico e prevenção adequados da transmissão”.
Dr. Alfred Sommer, professor de epidemiologia e saúde internacional na Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, em Baltimore, escreveu um editorial que acompanhava o estudo. “Este é um aviso para as pessoas de que a conjuntiva pode ser uma fonte de infecção que pode se espalhar para outras pessoas”, disse ele. Isso significa que ele pode se espalhar pelas lágrimas das pessoas, um médico examinando seus olhos ou até mesmo alguém esfregando os olhos, recebendo coronavírus nos dedos e tocando outra pessoa, Sommer apontou. Ele observou que as diretrizes da Academia Americana de Oftalmologia recomendam que exames oftalmológicos regulares não sejam realizados durante a pandemia. É claro, acrescentou, emergências que podem afetar a visão ainda precisam ser tratadas imediatamente. Oftalmologista Brasilia
“As pessoas podem esperar um mês ou dois para fazer um exame oftalmológico de rotina”, disse Sommer, acrescentando: “Você pode obter um novo par de óculos prescritos a qualquer momento, não precisa fazer isso no meio de uma epidemia”.

Sintomas da conjuntivite

  • Coceira;
  • Intolerância à luz – Fotofobia;
  • Vermelhidão;
  • Olhos lacrimejantes;
  • Pálpebras inchadas;
  • Pálpebras grudadas ao acordar;
  • Secreção purulenta (conjuntivite bacteriana);
  • Sensação de areia ou de ciscos nos olhos;
  • Secreção esbranquiçada (conjuntivite viral);
  • Visão borrada ou embaçada;

Prevenção

  • Não compartilhe maquiagem de outras pessoas;
  • Não compartilhe toalhas;
  • Lave as mãos com frequência e não coloque-as nos olhos;Use óculos de mergulho para nadar;
  • Use sempre óculos de proteção se for necessário no seu trabalho;
  • Não use remédios sem prescrição médica;
  • Evite nadar em piscinas sem cloro ou em lagos.

Tratamento

Não existe um tratamento específico para conjuntivite provocada por vírus.
O que se pode fazer é usar algumas táticas para diminuir os sintomas e o desconforto, até que seu sistema imunológico elimine a ameaça viral.
O soro fisiológico gelado e compressas nos olhos ajuda muito, limpar os olhos e as pálpebras com frequência, ou ainda, usar colírios lubrificantes e lágrimas artificiais.

Pode ser possível prever quem desenvolverá doenças psicóticas, como esquizofrenia e transtorno bipolar , muito cedo no processo da doença, diz um novo estudo. O estudo encontrou cinco fatores que estavam frequentemente presentes antes do diagnóstico de um distúrbio psicótico em crianças que já apresentavam alto risco de tais distúrbios. Quando três ou mais desses fatores estavam presentes, o estudo encontrou uma probabilidade de 80% de desenvolver psicose em dois anos e meio. “Nem todo mundo que apresenta sintomas precoces desenvolve psicose. Mas, se identificarmos o grupo em que 80% desenvolverão psicose, os esforços de intervenção serão mais bem aplicados àqueles com maior risco”.

psicose infantil

Os sintomas da psicose são vistos em vários distúrbios da saúde mental , como transtorno bipolar, esquizofrenia, depressão e com algumas formas de abuso de álcool ou drogas , de acordo com a Academia Americana de Psiquiatria da Criança e do Adolescente (AACAP). Os dois sintomas psicóticos mais comuns são delírios e alucinações, de acordo com a AACAP. Os delírios são crenças falsas, mas firmemente mantidas. Alucinações são falsas percepções sensoriais, como ouvir vozes quando ninguém está falando. Psiquiatra Brasilia

Embora esses sintomas possam certamente ser perturbadores: “a maioria das pessoas com distúrbios psicóticos não é mais propensa à violência”. E este estudo não foi projetado para lidar com a violência ou o potencial de violência em pessoas com doenças psicóticas, por isso não está claro se a identificação e intervenção anteriores dessas doenças poderiam ajudar a prevenir incidentes como tiroteios nas escolas.

Cannon e seus colegas estudaram prospectivamente 291 jovens que procuraram tratamento em saúde mental em um dos oito diferentes centros de tratamento na América do Norte. A idade média dos participantes do estudo foi de 18 anos e todos procuraram tratamento para sintomas precoces de psicose, como pensamentos incomuns.

Durante os dois anos e meio de acompanhamento, 35% desse grupo desenvolveram doenças psicóticas. Psiquiatra DF

Os pesquisadores identificaram cinco fatores que poderiam ajudar a prever o eventual desenvolvimento de psicose. Isso incluía uma história familiar de esquizofrenia com recente deterioração do funcionamento; níveis mais altos de pensamentos incomuns; níveis mais altos de suspeita ou paranoia; maior comprometimento social; e uma história de abuso de substâncias.

Quando dois ou três desses fatores estavam presentes, as chances de doença psicótica aumentavam. Dois fatores aumentaram a probabilidade de doença psicótica para 68% e três fatores combinados aumentaram o risco para 80%. Psicologa Brasilia

“Este foi realmente um bom estudo em termos de tamanho e, uma vez replicado, pode aumentar o campo”, disse Christopher Lucas, professor associado de psiquiatria infantil e adolescente na Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York e diretor de o Serviço de Primeira Infância no Centro de Estudos da Criança da Universidade de Nova York.

Os pais precisam estar atentos a uma criança que se retira socialmente e deixa de participar de atividades que já desfrutou, de acordo com Cannon. Ele disse que geralmente não é até que uma criança receba tratamento de saúde mental que ela admite ter delírios ou ouvir vozes ou sentir um maior senso de suspeita, para que os pais não percebam esses sintomas. Os pais devem ser especialmente cautelosos com qualquer um desses sintomas se houver um histórico familiar de doenças psicóticas, de acordo com o estudo.

O joelho é uma das partes mais comuns do corpo lesionadas. Esportes, quedas e acidentes de automóvel são responsáveis ​​pela grande maioria das dores e lesões no joelho.

Os diferentes tipos de lesões comuns no joelho são definidos pela anatomia afetada do joelho e pelo mecanismo pelo qual ele é ferido.

lesoes no joelho

Entorses de joelho são lesões nos ligamentos que mantêm o joelho unido. Existem vários ligamentos que estabilizam o joelho e o mantêm alinhado. O ligamento cruzado anterior (LCA) e o ligamento cruzado posterior (PCL) estabilizam o joelho em movimento da frente para trás e cruzam-se no meio da articulação do joelho . O ligamento colateral medial (LMC) e o ligamento colateral lateral (LCL) estabilizam o joelho para que os ossos não deslizem de um lado para o outro.

Entorses de ligamentos são classificados pela quantidade de alongamento ou ruptura das fibras ligamentares e quanta instabilidade causam da seguinte maneira:

  • Entorse de joelho grau 1: o ligamento é esticado e doloroso, mas as fibras não são rasgadas e não há instabilidade.
  • Entorse de joelho de grau 2: as fibras do ligamento estão parcialmente rasgadas, pode ser evidente instabilidade leve.
  • Entorse de joelho grau 3: as fibras do ligamento estão completamente rasgadas e o joelho é instável.

As distensões do joelho ocorrem quando os tendões ou músculos ao redor do joelho são alongados, geralmente devido à hiperflexão ou hiperextensão do joelho. Essas tensões podem causar dor fora da articulação do joelho, mas podem causar disfunção da amplitude de movimento normal do joelho. O tendão patelar se estende da rótula até a frente do osso da tíbia na frente da perna.

A bursite do joelho ocorre quando uma bolsa cheia de líquido (chamada de bursa) no joelho é irritada, inflamada ou infectada. Bursas são sacos cheios de líquido localizados ao redor das articulações que atuam como amortecedores que minimizam o atrito entre vários tecidos, como músculos e tendões ao redor das articulações. No joelho, existem duas bursas principais, uma acima da rótula ( patela ) e outra abaixo da articulação do joelho, perto da frente do osso da tíbia. Ortopedista brasilia

Lágrimas do menisco podem ocorrer devido a danos no interior do joelho. Os meniscos medial e lateral (plural de menisco) são cartilagens articulares semi-redondas que atuam como amortecedores e almofadas lisas para o osso da coxa (fêmur). Esses meniscos podem sofrer lesões agudas ou podem se tornar disfuncionais gradualmente devido ao uso excessivo e / ou ao envelhecimento. Ortopedista em brasilia

A luxação da articulação do joelho pode ocorrer devido a lesões de grande impacto e grande força no joelho (esportes e acidentes de automóvel). Trata-se de uma lesão rara, mas causa graves danos a todos os componentes anatômicos do joelho e pode incluir danos aos vasos sanguíneos e nervos ao redor do joelho. Isso requer tratamento ou cirurgia de emergência.

A rótula (patela) pode deslocar para o lado do joelho. A luxação da patela pode ser muito dolorosa, mas geralmente não apresenta risco de vida e pode ser tratadas colocando-a de volta no lugar (redução da patela), talas e fisioterapia.

As fraturas do joelho ocorrem por golpes diretos nos ossos. A patela, ou rótula, ocorre quando a pessoa cai diretamente sobre os joelhos e a rótula racha devido à força. O colapso da parte superior do osso da tíbia no joelho ( fratura do platô da tíbia ) pode ocorrer devido a uma súbita lesão por compressão no joelho, especialmente em pessoas com osteoporose . Outras fraturas dos ossos longos (fíbula, tíbia e fêmur) são raras, com lesões isoladas no joelho.

Outras lesões de uso excessivo do joelho incluem a síndrome da dor femoropatelar (muitas vezes referida como “joelho do corredor”, que causa dor na frente do joelho) e fraqueza e degeneração da cartilagem sob a rótula (condromalácia da patela). Essas lesões são devidas a um acúmulo de dano repetitivo nas estruturas do joelho. Problemas congênitos no joelho ou mecânica inadequada do movimento do joelho podem causar isso.

A osteocondrite dissecante é um distúrbio articular que ocorre mais comumente em crianças. Os ossos e cartilagens abaixo das articulações perdem o suprimento sanguíneo, resultando em dor e rigidez nas articulações. Essa condição geralmente afeta os joelhos, mas também pode afetar outras articulações, como cotovelos e tornozelos.

A doença de Osgood-Schlatter é uma condição em crianças causada por surtos de crescimento que causam dor no joelho e inchaço abaixo da rótula.

Distúrbios da tireoide são condições que afetam a glândula tireoide, uma glândula em forma de borboleta na frente do pescoço. A tireoide tem papéis importantes para regular vários processos metabólicos por todo o corpo. Diferentes tipos de distúrbios da tireoide afetam sua estrutura ou função.

endocrinologista brasilia

A glândula tireoide está localizada abaixo do pomo-de-adão enrolada na traqueia (traqueia). Uma fina área de tecido no meio da glândula, conhecida como istmo, une os dois lobos da tireoide de cada lado. A tireoide usa iodo para produzir hormônios vitais. A tiroxina, também conhecida como T4, é o hormônio primário produzido pela glândula. Após a entrega pela corrente sanguínea aos tecidos do corpo, uma pequena porção do T4 liberado pela glândula é convertida em triiodotironina (T3), que é o hormônio mais ativo.

A função da glândula tireoide é regulada por um mecanismo de feedback que envolve o cérebro. Quando os níveis de hormônio tireoidiano são baixos, o hipotálamo no cérebro produz um hormônio conhecido como hormônio liberador de tireotrofina (TRH), que causa a glândula pituitária. (localizada na base do cérebro) libere hormônio estimulador da tireoide (TSH). O TSH estimula a glândula tireoide a liberar mais T4.

Como a glândula tireoide é controlada pela hipófise e pelo hipotálamo, os distúrbios desses tecidos também podem afetar a função da tireoide e causar problemas na tireoide.

Quais são os tipos específicos de distúrbios da tireoide?

Existem tipos específicos de distúrbios da tireoide que incluem:

  • Hipotireoidismo
  • Hipertireoidismo
  • Bócio
  • Nódulos tireoidianos
  • Câncer de tireoide

Hipotireoidismo

O hipotireoidismo resulta da glândula tireoide produzindo uma quantidade insuficiente de hormônio tireoidiano. Pode surgir a partir de problemas na glândula tireoide, hipófise ou hipotálamo. Os sintomas do hipotireoidismo podem incluir:

  • Fadiga
  • Má concentração ou sensação mental “nebulosa”
  • Pele seca
  • Prisão de ventre
  • Sentindo frio
  • Retenção de fluidos
  • Dores musculares e articulares
  • Depressão
  • Sangramento menstrual prolongado ou excessivo em mulheres

Algumas causas comuns de hipotireoidismo incluem:

  • Tireoidite de Hashimoto (uma condição auto-imune que causa inflamação da glândula tireóide)
  • Resistência ao hormônio tireoidiano
  • Outros tipos de tireoidite (inflamação da tireóide), como tireoidite aguda e tireoidite pós-parto

Hipertireoidismo

O hipertireoidismo descreve a produção excessiva de hormônio tireoidiano, uma condição menos comum que o hipotireoidismo. Os sintomas de hipotireoidismo geralmente estão relacionados ao aumento do metabolismo. Em casos leves, pode não haver sintomas aparentes. Os sintomas e sinais de hipertireoidismo podem incluir:

  • Tremor
  • Nervosismo
  • Frequência cardíaca rápida
  • Fadiga
  • Intolerância ao calor
  • Aumento dos movimentos intestinais
  • Aumento da transpiração
  • Problemas de concentração
  • Perda de peso não intencional

Algumas das causas mais comuns de hipertireoidismo são:

  • Doença de Graves
  • Bócio multinodular
  • Nódulos tireoidianos que superexpressam o hormônio tireoidiano (conhecidos como nódulos “quentes”)
  • Consumo excessivo de iodo.

Bócio

Um bócio simplesmente descreve o aumento da glândula tireoide, independentemente da causa. Um bócio não é uma doença específica em si. Um bócio pode estar associado a hipotireoidismo, hipertireoidismo ou função tireoidiana normal. Endocrinologista brasilia

Nódulos tireoidianos

Nódulos são nódulos ou massas anormais na tireoide. Os nódulos podem ser causados ​​por cistos benignos, tumores benignos ou, menos comumente, por cânceres da tireoide. Os nódulos podem ser únicos ou múltiplos e podem variar em tamanho. Se os nódulos forem excessivamente grandes, podem causar sintomas relacionados à compressão de estruturas próximas.

Câncer de tireoide

O câncer de tireoide é muito mais comum entre mulheres adultas do que homens ou jovens. Cerca de 2/3 dos casos ocorrem em pessoas com menos de 55 anos. Existem diferentes tipos de câncer de tireoide, dependendo do tipo de célula específico na tireoide que se tornou cancerígeno. A maioria dos casos de câncer de tireoide tem um bom prognóstico e altas taxas de sobrevida, principalmente quando diagnosticada em seus estágios iniciais. Endocrino brasilia

Como são diagnosticados os distúrbios da tireoide?

Além do histórico médico completo e do exame físico, testes especializados são usados ​​para diagnosticar distúrbios da tireoide.

Os exames de sangue geralmente são feitos para medir os níveis de hormônios da tireoide e TSH. Os exames de sangue para identificar anticorpos contra o tecido tireoidiano também podem ser solicitados pelo seu médico, como títulos de anticorpos anti-tireoglobulina, anti-tireoperoxidase ou anticorpos estimulantes do receptor de TSH.

Testes de imagem são comumente usados ​​quando nódulos ou aumento da tireoide estão presentes. O ultrassom pode visualizar a consistência do tecido dentro da glândula e muitas vezes podem revelar cistos ou calcificações. O exame ultrassonográfico não pode distinguir um processo benigno de um processo maligno. Endocrinologista asa sul

As varreduras de tireoide com iodo radioativo são frequentemente realizadas para avaliar a função dos nódulos da tireoide. A tireoide é o único local no corpo que absorve o iodo; portanto, quando o iodo radioativamente rotulado é administrado, ele é absorvido pela glândula tireoide. Um teste de imagem geralmente mostra captação de iodo radioativo pelo tecido tireoidiano normal. Áreas ou nódulos que produzem excesso de hormônio (conhecido como hiperfunção) mostrarão um aumento na captação de iodo. Estes são referidos como nódulos ou áreas “quentes”. Por outro lado, os chamados nódulos “frios” representam áreas com menor captação de iodo. Nódulos “frios” não produzem excesso de hormônio e às vezes podem representar câncer.

Aspiração por agulha fina e biópsia são técnicas que removem uma amostra de células ou tecido da glândula tireoide para exame e diagnóstico por um patologista, médico formado no diagnóstico de condições baseadas em amostras de tecido. A aspiração por agulha fina (PAAF) usa uma agulha longa e fina para retirar uma amostra de células da tireoide. A PAAF pode ser realizada no consultório médico. Às vezes, a ultra-sonografia é usada para orientar o procedimento da PAAF. Uma biópsia é a amostra cirúrgica de um tecido.

O transtorno bipolar, também chamado de transtorno bipolar I e anteriormente chamado de depressão maníaca, é uma doença mental, especificamente um dos transtornos afetivos (humor). É caracterizado por mudanças graves de humor, pelo menos um episódio de mania e pode incluir episódios repetidos de depressão. Esta doença afeta mais de 1% dos adultos nos Estados Unidos, até 4 milhões de pessoas. Alguns fatos e estatísticas adicionais sobre o transtorno bipolar incluem o seguinte:

bipolar

  • O transtorno bipolar é a quinta principal causa de incapacidade no mundo.
  • O transtorno bipolar é a nona principal causa de anos perdidos por morte ou invalidez em todo o mundo.
  • O número de indivíduos com transtorno bipolar que se suicidam é 60 vezes maior que o da população em geral.

Parece não haver aumento no envolvimento com crimes violentos em pessoas com transtorno bipolar em comparação com a população em geral, exceto naqueles que sofrem de transtorno bipolar que também sofrem de um transtorno por uso de álcool ou outras substâncias.

Pessoas que sofrem de transtorno bipolar correm maior risco de sofrer abuso de substâncias, como alcoolismo, além de outros problemas de saúde mental.

Vários problemas médicos tendem a ocorrer com o transtorno bipolar, incluindo algumas dores e distúrbios neurológicos e genéticos.

Os homens podem desenvolver transtorno bipolar mais cedo na vida em comparação com as mulheres.

Quais são os tipos de transtorno bipolar?

O transtorno bipolar tem vários tipos, incluindo os transtornos bipolar I e II. Dependendo da rapidez com que as mudanças de humor ocorrem, os episódios de transtorno bipolar também podem ser descritos como tendo características misturadas (episódios com distúrbios do humor que duram menos do que a quantidade habitual de tempo necessária para o diagnóstico) ou ciclagem rápida (quatro ou mais episódios com transtornos do humor) por ano) recursos. Cerca de dois quintos das pessoas com transtorno bipolar têm pelo menos um período de ciclagem rápida ao longo da vida. Para todo tipo e duração da doença, o paciente experimenta problemas significativos com seu funcionamento na escola, no trabalho, socialmente ou de outra forma na comunidade, pode precisar de hospitalização ou ter sintomas psicóticos (por exemplo, delírios ou alucinações)) O diagnóstico do transtorno bipolar I requer que o indivíduo tenha pelo menos um episódio maníaco, mas não requer histórico de depressão maior . O transtorno bipolar II é diagnosticado se a pessoa tiver experimentado pelo menos um episódio de depressão maior e pelo menos um episódio de hipomania (uma forma mais branda de mania). O distúrbio ciclotímico é caracterizado por pelo menos um período de dois anos em adultos, ou um ano em crianças e adolescentes, de episódios de sintomas de depressão e episódios de sintomas hipomaníacos que não se qualificam para ter uma depressão maníaca depressiva maior. ou episódio hipomaníaco. Psiquiatra Brasilia

Características mistas são definidas como atender a critérios diagnósticos completos para um episódio maníaco, além de sofrer pelo menos três sintomas de um episódio depressivo, ou atender a critérios diagnósticos completos para um episódio depressivo maior, além de sofrer pelo menos três sintomas de um episódio maníaco ou hipomaníaco. Pessoas que sofrem de alterações sazonais significativas e debilitantes ano após ano podem ser classificadas como tendo um padrão sazonal para seu transtorno bipolar. Psicologa Brasilia

Quais são os sintomas e sinais do transtorno bipolar em adultos, adolescentes e crianças?

Conforme indicado no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-V) para se qualificar para o diagnóstico de transtorno bipolar, uma pessoa deve experimentar pelo menos um episódio maníaco. As características da mania devem durar pelo menos uma semana (a menos que faça parte de características mistas) e incluir

  • Humor elevado, expansivo ou irritável;
  • Pensamentos descontrolados;
  • Discurso pressionado (fala rápida, excessiva e frenética);
  • Diminuição da necessidade de sono;
  • Ideias grandiosas (por exemplo, falsas crenças de superioridade ou falhas);
  • Discurso tangencial (alterando repetidamente tópicos de conversação para tópicos que dificilmente estão relacionados);
  • Inquietação/aumento da atividade direcionada a objetivos;
  • Impulsividade, mau julgamento ou engajamento em atividades arriscadas (como passar despercebidos, promiscuidade ou excesso de desejo por sexo).

Os sintomas do episódio maníaco do transtorno bipolar de início precoce na infância ou adolescência tendem a incluir explosões de raiva, raiva e agressão, além de irritabilidade, em oposição ao humor expansivo e excessivamente elevado observado em adultos. O adolescente com transtorno bipolar tem maior probabilidade de apresentar depressão e episódios mistos com rápidas mudanças de humor. Apesar das diferenças nos sintomas do transtorno bipolar em adolescentes e crianças em comparação aos adultos, muitos que são diagnosticados com certos tipos de transtorno bipolar pediátrico continuam apresentando esses sintomas quando adultos. Clinica de Psiquiatria Brasilia

Os sintomas do transtorno bipolar nas mulheres tendem a incluir mais depressão e ansiedade e um padrão rápido de ciclismo em comparação aos sintomas nos homens, e os homens com transtorno bipolar correm maior risco de ter um transtorno por uso de álcool ou outras substâncias em comparação com as mulheres com transtorno de humor. As mulheres que sofrem de transtorno bipolar também são mais propensas a sofrer de doenças da tireoide ou obesidade em comparação aos homens.

Embora um episódio depressivo maior não seja necessário para o diagnóstico de transtorno bipolar, esses episódios geralmente se alternam com episódios maníacos. De fato, a tristeza persistente tende a ocorrer com mais frequência do que a mania em muitas pessoas com transtorno bipolar.

As características dos episódios depressivos (depressão bipolar) incluem vários dos seguintes sintomas: humor persistentemente deprimido ou irritável; sentimentos de apreensão; choro frequente, incapacidade de sentir prazer; perda de interesse em atividades previamente prazerosas; apatia, baixa motivação; aumento ou diminuição do apetite, perda ou ganho de peso, dificuldade em adormecer; sonolência excessiva, agitação ou falta de atividade; fadiga/baixa energia; sentimentos de inutilidade; Falta de concentração; lentidão na atividade e no pensamento; sentimentos inapropriados de culpa; desesperança; pensamentos de morte, auto-mutilação ou pensamentos, planos ou ações suicidas.

Se você é um dos mais de 25 milhões de americanos que sofrem de varizes desconfortáveis ​​e desagradáveis, deve conhecer um tratamento não cirúrgico seguro, praticamente indolor e que exige pouco ou nenhum tempo de inatividade.

varizes

O procedimento de tratamento de veias a laser VenaCure EVLT utiliza energia de laser para obter resultados comprovados sem o desconforto e a recuperação prolongada experimentados pela opção cirúrgica de ligadura e remoção de veias. Angiologista brasilia

Todo o procedimento leva cerca de uma hora e, dependendo da gravidade de sua condição, pode ser coberto pelo seu seguro. (Ligue para o seu provedor para obter mais informações.)

Sobre varizes

As varizes podem se desenvolver através de uma combinação de paredes das veias enfraquecidas e válvulas com defeito. Sob uma variedade de circunstâncias, as paredes das veias elásticas, normalmente tonificadas, podem se tornar fracas e permitir que o sangue recirculante que deveria estar se movendo em direção ao seu coração flua para trás. Angiologista taguatinga

As válvulas unidirecionais nessas veias – que abrem e permitem que o sangue flua no seu caminho para cima e depois fechem para impedir que o sangue flua para trás – também podem não funcionar adequadamente.

Isso permite que o sangue se acumule e a pressão se acumule, o que enfraquece ainda mais e danifica as veias, fazendo com que elas fiquem torcidas, aumentadas e doloridas.

Causas de varizes:

  1. Predisposição genética herdada;
  2. Processo normal de envelhecimento;
  3. Alterações hormonais que relaxam as paredes das veias, colocando as mulheres em maior risco que os homens;
  4. Condições que pressionam excessivamente as veias das pernas (por exemplo, ficar em pé por longos períodos de tempo, obesidade e gravidez);
  5. História de coágulos sanguíneos e condições que aumentam a pressão no abdômen (por exemplo, tumores, prisão de ventre e roupas apertadas);
  6. Cirurgia venosa prévia;
  7. Exposição aos raios ultravioleta;
  8. Até 40% das mulheres e 25% dos homens são afetados por essa condição – e, felizmente, o tratamento está disponível.

Sobre o tratamento das veias a laser

Simplificando, um laser é um feixe de luz altamente concentrado. Os lasers médicos funcionam fornecendo essa energia luminosa ao tecido alvo com extrema precisão, para não afetar o tecido circundante.

O tratamento com veias a laser VenaCure EVLT elimina varizes onde elas começam.

No tratamento das veias a laser , uma fibra fina é inserida na veia danificada. Uma luz laser é emitida através da fibra, fornecendo a quantidade certa de energia. O tecido alvo reage com a energia da luz, fazendo com que a veia se feche e feche. As veias que são fechadas são veias superficiais que lidam com menos de 5% do seu fluxo sanguíneo. O sangue é encaminhado automaticamente para outras veias.

O procedimento é feito diretamente no consultório do cirurgião.

Todo o procedimento VenaCure EVLT normalmente dura de 45 minutos a uma hora e requer apenas anestesia local. O cirurgião inserirá uma fina fibra de laser na veia através de um ponto de entrada muito pequeno, e a luz do laser emitida por essa fibra selará a veia com defeito.

Embora você possa sentir uma sensação desconhecida, não é doloroso. Esta parte do procedimento leva literalmente apenas alguns minutos. Você será incentivado a caminhar imediatamente após o procedimento e poderá retomar a atividade normal no mesmo dia. (Pergunte ao cirurgião quando é seguro retomar atividades rigorosas.) Alguns pacientes podem sentir dores temporárias, que podem ser tratadas efetivamente com analgésicos sem aspirina e sem prescrição médica e devem diminuir nos primeiros cinco dias.

Benefícios do VenaCure:

  1. Tratamento em menos de uma hora
  2. Pode ser realizado no consultório médico
  3. Até 98% de taxa de sucesso
  4. Alívio imediato dos sintomas
  5. Retorne à atividade normal imediatamente com pouca ou nenhuma dor
  6. Sem anestesia geral ou hospitalização
  7. Cicatrizes mínimas a inexistentes
  8. Normalmente coberto pelo seguro

Os resultados podem ser imediatos – e são mais de 97% eficazes

Após o tratamento, a aparência da veia anormal é instantaneamente melhorada com cicatrizes mínimas. Pode haver algum leve inchaço e contusões mínimas no local do tratamento. No entanto, quando isso diminuir, você verá uma diferença significativa na aparência das pernas. Para os pacientes que não experimentam esses pequenos efeitos colaterais, os resultados são óbvios imediatamente.

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade em Crianças ou TDAH Infantil

tdah

Fatos sobre TDA ou TDAH na infância (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade)

O transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é uma condição de saúde mental. Os sintomas de TDAH na infância incluem:

  1. dificuldade de concentração;
  2. problemas no controle de impulsos;
  3. atividade excessiva.

Embora não haja uma causa específica de TDAH , existem muitos fatores sociais, biológicos e ambientais que podem aumentar o risco de se desenvolver ou ser diagnosticado com o distúrbio.
Existem três subtipos de TDAH: apresentação predominantemente desatenta, predominantemente hiperativa/impulsiva e combinada (desatenta, hiperativa e impulsiva).
Embora os medicamentos normalmente tratem o TDAH, a terapia comportamental , as acomodações da escola e o aconselhamento dos pais também são importantes para melhorar a capacidade de a criança funcionar. Psicologa em brasilia.

Os medicamentos mais comuns usados para tratar o TDAH são os medicamentos estimulantes. Cerca de 85% das crianças com TDAH correm risco de ter algum tipo de distúrbio na idade adulta.
As pessoas com TDAH correm um risco maior de ter também ansiedade , depressão , alterações de humor , problemas de abuso de drogas ou álcool , problemas interpessoais, problemas escolares durante a infância, bem como alguns problemas médicos, legais e de emprego a longo prazo durante a adolescência e a idade adulta. Psiquiatra DF.
Muitas das pesquisas mais recentes sobre TDAH em crianças concentram-se em como a exposição a toxinas ambientais pode aumentar o risco de desenvolver essa condição.

Quais são os tipos de TDAH (TDA)?

Existem três apresentações para o TDAH:
  1. Predominantemente hiperativo-impulsivo;
  2. Predominantemente desatento;
  3. Apresentação combinada (impulsiva, desatenta e hiperativa).

O rótulo de diagnóstico do TDAH evoluiu com o tempo. As dificuldades em prestar atenção foram descritas pelo médico que virou escritor de livros infantis, Heinrich Hoffmann, em “A história de Fidgety Philip”, um personagem que teve problemas para ficar parado. Enquanto o pediatra britânico, Sir George Frederic Still, é creditado como o primeiro a descrever todo o grupo de sintomas para o que hoje é conhecido como TDAH, ele viu que isso era causado por um problema de controle moral. Os rótulos anteriores para esta doença incluem doença hipercinética, reação hipercinética da infância, dano cerebral mínimo e disfunção cerebral mínima. Procure um psiquiatra para o tratamento de TDAH em adultos e crianças, psiquiatra brasilia.

Quais são os fatores de risco e as causas do TDAH em crianças?

Embora não exista uma causa única para o TDAH, existem vários fatores biológicos, ambientais e sociais que parecem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver o distúrbio. Estudos de imagens do cérebro mostram que o cérebro de pessoas com TDAH tende a ser menor. As conexões entre certas partes do cérebro são menores e a regulação da dopamina neuroquímica no cérebro tende a ser menor do que nas pessoas que não têm essa condição. Verificou-se que algumas condições médicas apresentam uma maior ocorrência de TDAH em comparação com pessoas sem essas condições. Exemplos incluem convulsões, asma, bem como distúrbios gastrointestinais, como doença celíaca e sensibilidade ao glúten.
Os fatores de risco para o TDAH que podem ocorrer no útero incluem estresse materno, tabagismo ou exposição ao chumbo durante a gravidez e baixo peso ao nascer. Ser homem e ter um histórico familiar de TDAH aumentam a probabilidade de um indivíduo ser diagnosticado com TDAH. Essa doença também tem sido associada à exposição ao fumo do tabaco em casa (fumo passivo) ou ao chumbo durante a infância. Procure uma psicóloga pra tratar o TDAH em crianças. psicologa brasilia.
Socialmente, baixa renda familiar, baixa educação paterna, exposição a trauma na infância ou uma mudança repentina na vida são fatores de risco para o desenvolvimento de TDAH. As expectativas comportamentais baseadas na cultura de uma área, de um distrito escolar, cidade, estado ou país, também podem influenciar a frequência com que esse diagnóstico é feito.

Como funciona a Ultrassonografia / Ecografia?

Na ultrassonografia, ocorrem os seguintes eventos:

  1. A máquina de ultrassom / Ecografia transmite pulsos de som de alta para o seu corpo usando uma sonda.
  2. As ondas sonoras viajam para o seu corpo e atingem um limite entre os tecidos (por exemplo, entre fluidos e tecidos moles, tecidos moles e ossos).
  3. Algumas das ondas sonoras são refletidas de volta para a sonda, enquanto outras viajam mais até chegarem a outro limite e serem refletidas
  4. As ondas refletidas são captadas pela sonda e retransmitidas para a máquina.
  5. A máquina calcula a distância da sonda ao tecido ou órgão (limites) usando a velocidade do som no tecido (5.005 pés / s ou 1.540 m / s) e o tempo do retorno de cada eco (geralmente na ordem de milionésimos) de um segundo).
  6. A máquina exibe as distâncias e intensidades dos ecos na tela, formando uma imagem bidimensional como a mostrada abaixo.

Em um exame de Ultrassonografia / Ecografia típico, milhões de pulsos e ecos são enviados e recebidos a cada segundo. A sonda pode ser movida ao longo da superfície do corpo e inclinada para obter várias vistas.

O que é Ultrassonografia?

Uma ultrassonografia / ecografia é um exame médico que utiliza ondas sonoras de alta frequência para capturar imagens ao vivo de dentro do seu corpo. Também é conhecido como sonografia.

A tecnologia é semelhante à usada pelo sonar e radar, que ajuda os militares a detectar aviões e navios. Um ultrassom permite que seu médico veja problemas com órgãos, vasos e tecidos sem precisar fazer uma incisão.

Ao contrário de outras técnicas de imagem, o ultrassonografia / ecografia não usa radiação. Por esse motivo, é o método preferido para visualizar um feto em desenvolvimento durante a gravidez.

ecografia e ultrassonografia

 

Motivos para fazer uma Ultrassonografia?

A maioria das pessoas associa exames de ultrassonografia / ecografia à gravidez. Essas digitalizações podem fornecer à mãe expectante a primeira visão de seu filho ainda não nascido. No entanto, o teste tem muitos outros usos.

O seu médico pode solicitar uma ultrassonografia se você estiver com dor, inchaço ou outros sintomas que exijam uma visão interna de seus órgãos. Uma ultrassonografia pode fornecer uma visão do:

  • Bexiga;
  • cérebro (em bebês);
  • olhos;
  • vesícula biliar;
  • rins;
  • fígado;
  • ovários;
  • pâncreas;
  • baço;
  • tiroide;
  • testículos;
  • útero;
  • veias de sangue.

Um ultrassom também é uma maneira útil de orientar os movimentos dos cirurgiões durante certos procedimentos médicos, como biópsias.

Ads Ecografia Ceilândia

Qual é o preparo para Ultrassonografia?

Os passos que você tomará para se preparar para um ultrassom dependerão da área ou órgão que está sendo examinado.

O seu médico pode pedir que você jejue de oito a 12 horas antes da ecografia, principalmente se seu abdômen estiver sendo examinado. Alimentos não digeridos podem bloquear as ondas sonoras, dificultando ao técnico obter uma imagem clara.

Para um exame da vesícula biliar, fígado, pâncreas ou baço, pode ser solicitado que você faça uma refeição sem gordura na noite anterior ao teste e depois jejue até o procedimento. No entanto, você pode continuar bebendo água e tomando qualquer medicamento conforme as instruções. Para outros exames, pode ser solicitado que você beba muita água e mantenha a urina para que a bexiga fique cheia e melhor visualizada.

Não deixe de informar o seu médico sobre quaisquer medicamentos prescritos, medicamentos vendidos sem receita ou suplementos de ervas que você toma antes do exame.

É importante seguir as instruções do seu médico e fazer qualquer pergunta que possa ter antes do procedimento.

Um ultrassom acarreta riscos mínimos. Diferentemente dos raios X ou tomografia computadorizada, os ultrassons não usam radiação. Por esse motivo, eles são o método preferido para examinar um feto em desenvolvimento durante a gravidez.

Como é realizado uma Ultrassonografia / Ecografia?

Antes do exame, você mudará para uma bata de hospital. Você provavelmente estará deitado em uma mesa com uma seção do seu corpo exposta para o teste.

Um técnico de ultrassonografia, chamado sonógrafo, aplicará uma geleia lubrificante especial na pele. Isso evita o atrito para que eles possam esfregar o transdutor de ultrassom na pele. O transdutor tem uma aparência semelhante a um microfone. A geleia também ajuda a transmitir as ondas sonoras.

O transdutor envia ondas sonoras de alta frequência através do seu corpo. As ondas ecoam quando atingem um objeto denso, como um órgão ou osso. Esses ecos são refletidos novamente em um computador. As ondas sonoras estão em um tom muito alto para o ouvido humano ouvir. Eles formam uma imagem que pode ser interpretada pelo médico.

Dependendo da área que está sendo examinada, pode ser necessário alterar as posições para que o técnico possa ter melhor acesso.

Após o procedimento, o gel será limpo da sua pele. Todo o procedimento geralmente duro menos de 30 minutos, dependendo da área que está sendo examinada. Você estará livre para realizar suas atividades normais após o término do procedimento.

MAPA 1

MAPA 2

Fatos sobre diabetes tipo 1 e tipo 2:

diabetes

  1. O diabetes é uma condição crônica associada a níveis anormalmente altos de açúcar (glicose) no sangue. A insulina produzida pelo pâncreas reduz a glicose no sangue. Ausência ou produção insuficiente de insulina, ou a incapacidade do organismo de usar adequadamente a insulina causa diabetes.
  2. Os dois tipos de diabetes são referidos como tipo 1 e tipo 2. Os nomes anteriores para essas condições eram diabetes dependente de insulina e não dependente de insulina , ou diabetes juvenil e diabetes adulto.
  3. Alguns dos fatores de risco para diabetes são sobrepeso ou obesidade , levando um estilo de vida sedentário, histórico familiar de diabetes, hipertensão ( pressão alta ) e baixos níveis de colesterol “bom” ( HDL ) e níveis elevados de triglicerídeos em o sangue.
  4. Se você acha que pode ter pré -diabetes ou diabetes, entre em contato com um profissional de saúde. Clinica de Endocrinologia em Brasilia

Como o diabetes faz você se sentir?

Os sintomas do diabetes tipo 1 e tipo 2 incluem:
  1. aumento da produção de urina;
  2. sede excessiva;
  3. perda de peso;
  4. fome;
  5. fadiga;
  6. problemas de pele;
  7. feridas curas lentas;
  8. infecções fúngicas;
  9. formigamento ou dormência nos pés ou dedos dos pés.

O que é diabetes?

O diabetes mellitus é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por altos níveis de açúcar no sangue (glicose) que resultam de defeitos na secreção de insulina, ou sua ação, ou ambos. O diabetes mellitus, comumente referido como diabetes (como será neste artigo), foi identificado pela primeira vez como uma doença associada à “urina doce” e à perda muscular excessiva no mundo antigo. Níveis elevados de glicose no sangue ( hiperglicemia ) levam ao derramamento de glicose na urina, daí o termo urina doce.
Normalmente, os níveis de glicose no sangue são rigidamente controlados pela insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas. A insulina reduz o nível de glicose no sangue. Quando a glicose no sangue aumenta (por exemplo, depois de comer), a insulina é liberada do pâncreas para normalizar o nível de glicose, promovendo a captação de glicose nas células do corpo. Em pacientes com diabetes, a ausência de produção insuficiente ou a falta de resposta à insulina causa hiperglicemia. O diabetes é uma condição médica crônica, o que significa que, embora possa ser controlado, dura toda a vida.

Como sei se tenho diabetes?

Muitas pessoas não sabem que têm diabetes, especialmente em seus estágios iniciais, quando os sintomas podem não estar presentes.
Não existe uma maneira definitiva de saber se você tem diabetes sem fazer exames de sangue para determinar seus níveis de glicose no sangue (consulte a seção Diagnóstico de diabetes).
Consulte o seu médico se tiver sintomas de diabetes ou se estiver preocupado com o risco de diabetes. É importante ter um plano de saude individual em Brasilia para acompanhar seus sintomas e realizar conforme as recomendações médicas.

O que causa diabetes?

A produção insuficiente de insulina (absolutamente ou em relação às necessidades do corpo), a produção de insulina com defeito (o que é incomum) ou a incapacidade das células de usar insulina de maneira adequada e eficiente levam à hiperglicemia e diabetes.
Esta última condição afeta principalmente as células dos músculos e tecidos adiposos e resulta em uma condição conhecida como resistência à insulina . Este é o principal problema no diabetes tipo 2.

A absoluta falta de insulina, geralmente secundária a um processo destrutivo que afeta as células beta produtoras de insulina no pâncreas, é o principal distúrbio do diabetes tipo 1.
No diabetes tipo 2, também há um declínio constante de células beta que se soma ao processo de açúcar no sangue elevado. Essencialmente, se alguém é resistente à insulina, o corpo pode, até certo ponto, aumentar a produção de insulina e superar o nível de resistência. Com o tempo, se a produção diminuir e a insulina não puder ser liberada com tanto vigor, a hiperglicemia se desenvolverá.

O que é glicose?

A glicose é um açúcar simples encontrado nos alimentos. A glicose é um nutriente essencial que fornece energia para o bom funcionamento das células do corpo. Os carboidratos são decompostos no intestino delgado e a glicose nos alimentos digeridos é então absorvida pelas células intestinais na corrente sanguínea e é transportada pela corrente sanguínea para todas as células do corpo onde é utilizada. No entanto, a glicose não pode entrar nas células sozinha e precisa de insulina para ajudar no seu transporte para as células. Sem insulina, as células ficam sem energia de glicose, apesar da presença de glicose abundante na corrente sanguínea. Em certos tipos de diabetes, a incapacidade das células de utilizar glicose dá origem à situação irônica de “fome no meio da abundância”. A glicose abundante e não utilizada é excretada de maneira desnecessária na urina.

O que é insulina?

A insulina é um hormônio produzido por células especializadas (células beta) do pâncreas. (O pâncreas é um órgão profundo do abdômen localizado atrás do estômago.) Além de ajudar a glicose a entrar nas células, a insulina também é importante na regulação rigorosa do nível de glicose no sangue. Após uma refeição, o nível de glicose no sangue aumenta. Em resposta ao aumento do nível de glicose, o pâncreas normalmente libera mais insulina na corrente sanguínea para ajudar a glicose a entrar nas células e diminuir os níveis de glicose no sangue após uma refeição. Quando os níveis de glicose no sangue são reduzidos, a liberação de insulina do pâncreas é reduzida. É importante observar que, mesmo em jejum, há uma liberação constante baixa de insulina que flutua um pouco e ajuda a manter um nível constante de açúcar no sangue durante o jejum. Em indivíduos normais, esse sistema regulador ajuda a manter os níveis de glicose no sangue em um intervalo rigorosamente controlado. Conforme descrito acima, em pacientes com diabetes, a insulina está ausente, é relativamente insuficiente para as necessidades do corpo ou não é usada adequadamente pelo organismo. Todos esses fatores causam níveis elevados de glicose no sangue (hiperglicemia). Clinica de endocrinologista ceilandia.

Quais são os diferentes tipos de diabetes?

Existem dois tipos principais de diabetes, chamados tipo 1 e tipo 2. O diabetes tipo 1 também era anteriormente chamado de diabetes mellitus dependente de insulina (IDDM) ou diabetes mellitus de início juvenil. No diabetes tipo 1, o pâncreas sofre um ataque auto-imune pelo próprio corpo e é incapaz de produzir insulina. Anticorpos anormais foram encontrados na maioria dos pacientes com diabetes tipo 1. Anticorpos são proteínas no sangue que fazem parte do sistema imunológico do corpo. O paciente com diabetes tipo 1 deve confiar na medicação com insulina para sobreviver.

Alimentação compulsiva não é aquela que se refere aos momentos em que no feriado ou datas comemorativas você comeu mais do que deveria. É uma doença, e você sente que não pode parar mesmo que esteja se sentindo desconfortável ou de barriga cheia.

nutrologo brasilia df

Ao contrário de anorexia, você não sente desgosto em comer, apesar do sentimento de culpa e vergonha por ingerir mais do que deveria. Mas você pode superar esses hábitos e sentimentos com o tratamento adequado com o médico nutrólogo juntamente com psicologia.

Se você tem transtorno da compulsão alimentar periódica, pode ter dificuldades em lidar com suas emoções ou se sentir fora de controle de outras maneiras. Você pode usar a comida como uma maneira de confortar ou recompensar a si mesmo. Saltar refeições e outras dietas severas podem desencadear uma reação de compulsão alimentar.

O distúrbio muitas vezes anda de mãos dadas com a depressão . Os pesquisadores estão estudando se os químicos do cérebro ou o metabolismo (o modo como seu corpo usa comida) desempenham papéis. O distúrbio também ocorre em algumas famílias. As mulheres são mais propensas que os homens a tê-lo.

nutrologo brasilia df

Algumas pessoas com transtorno de compulsão alimentar passaram por abuso físico ou emocional, ou tiveram vícios, como o alcoolismo . Se isso soa como você, obter ajuda com esses problemas fará parte da melhoria.

nutrologo brasilia

Aveia: Alimentos com muita fibra podem ajudar seu fígado a trabalhar melhor. Quer um que seja uma ótima maneira de começar o dia? Experimente aveia. A pesquisa mostra que pode ajudá-lo a perder alguns quilos extras e a gordura da barriga, o que é uma boa maneira de afastar a doença do fígado.

amora

Amoras: Eles têm nutrientes neles chamados polifenóis que podem ajudar a protegê-lo contra a doença hepática gordurosa não-alcoólica, que muitas vezes anda de mãos dadas com a obesidade e o colesterol alto. Se blueberry não é sua coisa, outros alimentos ricos em polifenóis incluem chocolate amargo, azeitonas e ameixas.

Brócolis: Adicione muitos vegetais à sua dieta, se você quiser manter seu fígado saudável. O brócolis pode fazer parte dessa estratégia. Alguns estudos sugerem que esse alimento crocante pode ajudar a protegê-lo da doença hepática gordurosa não alcoólica. Se o brócolis cozido no vapor soar um pouco demais, tritá-lo em uma salada de repolho e misturá-lo com amêndoas fatiadas, cranberries secas e um vinagrete picante. Também é delicioso assado com alho e um pouco de vinagre balsâmico.

Café: Se você não conseguir passar o dia sem ele, ficará feliz em saber que pode ter alguns benefícios para o seu fígado. Estudos mostram que beber duas a três xícaras por dia pode proteger seu fígado de danos causados ​​pelo excesso de álcool ou por uma dieta pouco saudável. Algumas pesquisas sugerem que isso pode diminuir o risco de câncer de fígado.

Ervas: Quer proteger seu fígado e seu coração ao mesmo tempo? Polvilhe em um pouco de orégano, sálvia ou alecrim. Eles são uma boa fonte de polifenóis saudáveis. Um benefício extra: eles ajudam você a reduzir o sal em muitas receitas. Canela, curry em pó e cominho são bons para tentar também.

espinafre

Espinafre: As folhas verdes têm um poderoso antioxidante chamado glutationa, que pode ajudar a manter o fígado funcionando corretamente. E espinafre não poderia ser mais fácil de preparar. Faz uma excelente base para uma salada de jantar, e também é delicioso refogado com alho e azeite. Quando estiver murchado, cubra com um parmesão fresco.

Amêndoas: As nozes – especialmente estas – são boas fontes de vitamina E, um nutriente que a pesquisa sugere que pode ajudar a proteger contra a doença do fígado gorduroso. As amêndoas também são boas para o seu coração, então pegue um punhado na próxima vez que sentir vontade de fazer um lanche. Ou experimente-as em saladas, onde elas acrescentam um bom crocante.

Chá Verde: Está repleto de um tipo de antioxidante chamado catequinas. A pesquisa sugere que pode proteger contra algumas formas de câncer, incluindo o fígado. Você terá mais catequinas se você preparar chá e beber quente. Chá gelado e chá verde pronto para beber têm níveis muito mais baixos.

A copa é um período que mexe com todos do mundo, mas principalmente com os brasileiros! Nesse clima de copa e lazer com famílias e amigos, os hábitos alimentares devem ser tratados com atenção, o comportamento de ansiedade e euforia durantes os jogos se alteram deixando os nervos à flor da pele.

copa

Você deve prestar atenção na hora de torcer, manter cuidado com grandes emoções, para evitar problemas cardíacos. De acordo com médicos cardiologistas, a adrenalina aumenta a pressão arterial e os batimentos do coração e, por isso, pessoas que já são cardíacas ou hipertensas por exemplo devem ficar atentas quanto aos riscos.

problemas cardíacos

Pessoas que acompanham todos os jogos, ou não vêem a hora de chegar a vez do Brasil, ou as que fazem apostas, estão sujeitas a passar por períodos de ansiedade, onde muitas das vezes, toda essa tensão e expectativa podem ser prejudicial a saúde. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) o Brasil é o país com maior número de pessoas que sofrem de Transtornos de Ansiedade. As pessoas propensas a esse tipo de transtorno podem ficar ansiosas com facilidade. Dependendo da força da ansiedade, pode ocorrer palpitação no coração, falta de ar, angústia no peito, suor frio nas mãos e até mesmo insônia. Caso sinta alguns desses sintomas, o ideal é procurar avaliação médica.

Durante os jogos e lazer, os brasileiros aproveitam os recessos para exagerar nas bebidas e frituras. Trocando a alimentação do dia a dia por  petiscos, o que pode gerar problemas estomacais, como gastrite por exemplo.

Como se manter saudável durante a Copa?

  • Siga os horários corretos das refeições;
  • Beba muita água;
  • Não exagere no consumo de bebidas alcoólicas e refeições gordurosas;
  • Tente não abusar de suas condições físicas e psicológicas;
  • Opte por petiscos mais saudáveis durante os jogos;
  • Evite excessos e saiba seus limites.

Vídeo do canal Ministério da Saúde

É um procedimento cirúrgico de rápida duração, aproximadamente 30 minutos, que consiste na remoção das veias através de microincisões que dispensam pontos, com cicatrizes discretas ou mesmo imperceptíveis.

tratamento de varizes

O paciente não precisa ficar internado após a microcirurgia. O tratamento feito com anestesia local e ambulatorial, ou seja, não há necessidade de repouso, podendo voltar as atividades 48 horas após o procedimento. É preciso aguardar entre 30 e 45 dias para expor a área tratada ao sol sem riscos de a pele ficar manchada.

É importante lembrar que a retirada das veias não prejudicam a circulação do sangue, pois os vasos saudáveis encarregam-se de manter o fluxo para o coração de forma correta.

Clínicas já vêm adotando essa técnica no tratamento de varizes, angiologista em taguatinga.

Ao decorrer da gestação, a mãe tem que realizar algumas ecografias para avaliação do estado, saúde e evolução do bebê.

Algumas ecografias ora são mais detalhadas e específicas, ora mais marcantes, como a que define o sexo do bebê. Existem alguns tipos de ecografias realizadas na gestação e nesta publicação vamos ver suas diferenças.

ecografia brasilia

A Ecografia no 1º Trimestre: é possível diagnosticar a partir da quarta ou quinta semana através da ecografia a gestação. A viabilidade da gravidez é confirmada através do batimento cardíaco na quinta ou sexta semana. A ecografia é bastante importante se tiver perdas de sangue vaginais durante o primeiro trimestre, isto porque torna possível determinar a localização e viabilidade da gestação. Ao efetuar uma ecografia precoce pode confirmar uma gravidez múltipla e determinar o número de placentas. Também entre as 11ª e as 14ª semanas se podem visualizar a existência de anomalias cromossômicas, como a síndrome de Down.

Ecografia com Detalhes na 18ª a vigésima semana: a gestante nesta altura poderá realizar uma ecografia com o objetivo de detectar malformações do feto. Será examinado cada detalhe em cada parte do corpo do bebê. Onde, todos os problemas serão registrados, desde as grandes as pequenas malformações.

Ecografia 3D: A ecografia em três dimensões tem sido expandida. Esta nova técnica fornece imagens bonitas e bem claras da superfície do bebê, especialmente do rosto.

Ecografia Doppler a Cores: vai converter o movimento de estruturas, em cores diferentes. Assim vai permitir que os vasos sanguíneos sejam examinados para ver a quantidade de sangue que corre dentro deles. Pode-se medir o fluxo sanguíneo, visualizar o cordão umbilical e as artérias uterinas.

Neste vídeo pode-se perceber as diferenças entre as ecografias visualmente:

Indicamos os serviços de Ecografia Brasília para melhor eficácia de seus exames.

O que é Obesidade?

A obesidade é caracterizada pelo acúmulo de gordura corporal. Pode ser diagnosticada por meio do cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC). Ele é calculado dividindo-se o peso (em Kg) do paciente pela sua altura (em metros) elevada ao quadrado. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), quando o resultado fica entre 18,5 e 24,9, o peso é considerado normal. Entre 25,0 e 29,9, sobrepeso, e acima deste valor, a pessoa é considerada obesa.

A obesidade mórbida é quando o valor do IMC ultrapassa 40. Nesse caso, o tratamento inicial além das mudanças de estilo de vida sempre inclui medicamentos e até cirurgia bariátrica pode ser recomenda.

A obesidade é fator de risco para várias doenças:  hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, tumores de intestino e de vesícula. Se não tratada adequadamente, pode até levar à morte.
Pode estar associada à herança genética, mas muitas vezes está é causada por alimentação inadequada. Em alguns casos, decorre de alterações hormonais.
A obesidade pode acarretar diminuição dos níveis de testosterona, levando à redução da libido e disfunção erétil em homens. Já nas mulheres, existe uma redução dos níveis de hormônio feminino e aumento no nível dos hormônios masculinizantes. As mulheres podem ter  aumento de pelos, irregularidade menstrual e redução da fertilidade. O tratamento visa à diminuição das complicações e promover uma melhor qualidade de vida e bem estar físico e psíquico.

antidepressivos-podem-causar-obesidade

Mas o uso prolongado de antidepressivo pode me afetar?

De  acordo com o periódico científico “The BMJ” o uso prolongado de medicamentos antidepressivos foi associado a um aumento sustentado no risco de ganho de peso ao longo de cinco anos.

Segundo os cientistas, pacientes que foram medicados com os 12 remédios mais usados para tratar a depressão tiveram mais chance de elevar sua massa corporal do que pessoas que não tomaram antidepressivos nesse período. O risco se mostrou mais elevado no segundo e no terceiro ano de tratamento.

Caso você já sofra de obesidade, recomendamos as seguintes clínicas para tratamento:

Endocrinologista Brasília Df

Clínica de Endocrinologia em Brasília