Vida Saudável

Câncer de Cólon

A morte do ator Chadwick Boseman, de 43 anos, comoveu admiradores ao redor do mundo. O intérprete do personagem Pantera Negra lutava contra um câncer de cólon há quatro anos. O caso chama a atenção para a prevenção da doença pelo exame de colonoscopia. Muitos casos como o do ator podem ser evitados com a realização precoce desse exame.

Benefícios da Colonoscopia

O maior benefício da colonoscopia certamente é a prevenção do câncer de intestino – local difícil de analisar com procedimentos não invasivos. Esse exame consiste na introdução de um aparelho flexível e fino no final do trato digestivo do paciente, permitindo a avaliação de todo o intestino por dentro. Além disso, durante o exame de coloscopia o médico pode retirar os pólipos, nodulações que podem surgir no intestino e que evoluem para o câncer. Essa é a melhor forma de você ser curado antes mesmo do câncer aparecer. Proctologista em BH

O câncer de cólon é o segundo mais comum em nosso país, segundo a Coloproctologista Dra. Raíssa Reis de Carvalho, coloproctologista especialista em Colonoscopia.

Diagnóstico

Ela explica que é um tumor rastreável e altamente curável, desde que seja feito o diagnóstico precoce. “De acordo com a Sociedade Americana do Câncer, depois dos 45 anos, todo mundo precisa fazer a colonoscopia de rotina ( mesmo sendo assintomático). Caso esse exame fosse mais disponível para a população, a taxa de cura seria muito maior. Infelizmente, na rede pública de saúde o volume de pacientes que precisa do exame é superior à estrutura de realização do mesmo pelo Estado, o que faz com que muitas pessoas demorem meses e até anos para conseguir uma colonoscopia. Isso atrasa e muito o diagnóstico e permite que lesões benignas acabem se transformando em câncer”.

Já no caso de pessoas que apresentam sintomas como sangramento nas fezes, alteração do hábito intestinal (diarreia ou prisão de ventre); dor ou desconforto abdominal;
fraqueza e anemia; perda de peso sem causa aparente e alteração na forma das fezes (muito finas e compridas), esse exame poderá ser indicado em qualquer idade. Se você apresentar algum dos sintomas citados, procure logo um Coloproctologista para que ele avalie se há necessidade de realização do exame em seu caso. Isso pode fazer a diferença entre você desenvolver ou não um câncer de cólon. Colonoscopia em BH

De acordo com um estudo epidemiológico publicado pela Divisão de Prevenção do Câncer do National Cancer Institute (NCI), com dados de 1980 a 2016 e lançado no final de 2019, a incidência do câncer de intestino é crescente. Entre 30 e 39 anos é o tipo de câncer que mais tem aumentado, motivado pelo estilo de vida que favorece os fatores de risco. A pesquisa revela que a incidência no Brasil é maior nas regiões Sul e Sudeste. Em Minas Gerais, são 15,6 casos para cada 100 mil homens e 14,2 para cada 100 mil mulheres. O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima 4 mil casos de câncer de intestino no estado em 2020.

Tratamento

Se diagnosticado precocemente, o câncer de cólon é uma doença tratável e frequentemente curável, com índices de cura que chegam a 90%. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica, o principal tratamento de câncer colorretal é cirúrgico, que envolve a retirada da parte do intestino afetada. Outros tratamentos como quimioterapia e a radioterapia também podem ser indicados, seja pra regressão do tumor, permitindo uma cirurgia menos agressiva, seja para prevenção de retorno do tumor no futuro. Clinica popular em BH

cancer de colon

Obesidade aumenta as chances de coágulos pulmonares perigosos em pacientes com COVID-19

A obesidade piora o COVID-19 e pode levar a coágulos sanguíneos mortais nos pulmões. Os pesquisadores disseram que pacientes obesos com COVID-19 podem ter quase três vezes o risco de desenvolver o que é conhecido como embolia pulmonar. Os médicos podem utilizar nossas descobertas para ajudar a determinar quais pacientes devem avaliar a embolia pulmonar com angiografia por TC pulmonar, já que os sintomas do COVID-19 e da embolia pulmonar se sobrepõem. Endocrinologista Taguatinga

obesidade

A detecção precoce de embolia pulmonar pode permitir tratamento imediato com anticoagulação e minimizar problemas clínicos. Pacientes obesos hospitalizados com COVID-19 devem ser avaliados quanto a aumentos na coagulação, indicados pelo aumento do dímero D – um exame de sangue para coagulação.

De acordo com o estudo, 22% dos 328 pacientes que sofrem de COVID-19 que tinha uma tomografia computadorizada angiografia teve uma embolia pulmonar. Os pesquisadores também descobriram que pacientes que tomavam estatinas para baixar o colesterol antes de tomar COVID-19 eram menos propensos a apresentar embolia pulmonar.

Mais estudos são necessários para determinar se as estatinas têm um efeito protetor contra a embolia pulmonar em pacientes com COVID-19. um estudo recente sugere que os pacientes com COVID-19 devem ser colocados em anticoagulantes para evitar a coagulação. A obesidade pode piorar o COVID-19 porque está associado a um aumento da inflamação. A inflamação também aumenta o risco de coagulação. Endocrinologista Florianopolis

Este estudo ressalta um ponto que está se tornando mais conhecido sobre o COVID-19 – que a obesidade leva a uma cascata inflamatória. Sabemos que os produtos químicos inflamatórios aumentam com a obesidade. Esse é o mecanismo suspeito de por que os pacientes obesos correm maior risco de complicações. A inflamação pode levar a coágulos sanguíneos, embora isso não tenha sido comprovado.

As complicações do COVID-19 que estamos vendo são inflamação e uma tempestade de citocinas, que causa inflamação nas artérias e coágulos sanguíneos por todo o corpo – e a obesidade é a culpada em pacientes de alto risco. Dizer que é por isso que estamos vendo mais embolia pulmonar em pacientes obesos é plausível. São pequenos números iniciais, mas é uma descoberta muito importante e não é surpreendente. Angiologista Taguatinga

Mas se as estatinas são protetoras é algo que deveria ser cuidadosamente estudado. Não há razão clara para iniciar pacientes obesos com estatinas se eles ainda não os tomavam quando foram internados no hospital. Pacientes obesos com COVID-19 precisam dos mesmos cuidados que outros pacientes. Isso inclui anticoagulação. Muitas das complicações do COVID-19 parecem ser causadas pela coagulação, e iniciar pacientes com anticoagulantes pode se tornar um tratamento padrão.

Já estamos começando a analisar a anticoagulação preventiva. Já é algo de que estamos muito conscientes, mas este estudo adiciona evidências a uma correlação direta entre obesidade e coágulos sanguíneos, é isso que há de novo aqui.

Transtornos factícios são condições em que uma pessoa age como se tivesse uma doença física ou mental quando não está realmente doente. Transtorno factício por procuração é quando uma pessoa age como se uma pessoa sob seus cuidados tivesse uma doença quando não o fez.

Pessoas com distúrbios factícios deliberadamente criam ou exageram os sintomas de uma doença de várias maneiras. Eles podem mentir ou fingir sintomas, se machucar para provocar sintomas ou alterar testes (como contaminar uma amostra de urina) para fazer parecer que eles ou a pessoa sob seus cuidados estão doentes. Psiquiatra Taguatinga

psiquiatra

Pessoas com distúrbios factícios se comportam dessa maneira devido a uma necessidade interna de ser vista como doente ou ferida, para não obter um benefício claro, como ganho financeiro. Pessoas com distúrbios factícios estão até dispostas e, às vezes, ansiosas para passar por testes e operações dolorosas ou arriscadas, a fim de obter a simpatia e atenção especial dada às pessoas que estão verdadeiramente doentes ou que têm um ente querido que está doente. Transtornos factícios são considerados doenças mentais porque estão associados a graves dificuldades emocionais.

Muitas pessoas com distúrbios factícios também sofrem de outras condições mentais, principalmente distúrbios de personalidade. Pessoas com transtornos de personalidade têm padrões antigos de pensamento e ação que diferem do que a sociedade considera habitual ou normal. Essas pessoas geralmente também têm habilidades e problemas de enfrentamento deficientes, formando relacionamentos saudáveis. Psiquiatra Brasilia

Os distúrbios factícios são semelhantes a outro grupo de transtornos mentais chamados distúrbios somatoformes, que também envolvem a presença de sintomas que não são devidos a doenças físicas ou mentais reais. A principal diferença entre os dois grupos de distúrbios é que as pessoas com distúrbios somatoformes não fingem sintomas ou enganam outras pessoas sobre seus sintomas de propósito.

Tipos de distúrbios factícios

Existem quatro tipos principais de distúrbios factícios, incluindo:

  • Transtorno factício com sintomas principalmente psicológicos: como a descrição indica, as pessoas com esse distúrbio imitam um comportamento típico de uma doença mental, como a esquizofrenia. Eles podem parecer confusos, fazer afirmações absurdas e relatar alucinações, a experiência de sentir coisas que não existem; por exemplo, ouvindo vozes. A síndrome de Ganser, às vezes chamada de psicose na prisão, é um distúrbio factício que foi observado pela primeira vez em prisioneiros. Pessoas com síndrome de Ganser apresentam episódios curtos de comportamento bizarro, semelhantes aos mostrados por pessoas com doenças mentais graves.
  • Transtorno factício com sintomas principalmente físicos: as pessoas com esse distúrbio afirmam ter sintomas relacionados a uma doença física, como sintomas de dor no peito, problemas estomacais ou febre. Às vezes, esse distúrbio é chamado de síndrome de Munchausen, em homenagem ao Barão von Munchausen, um oficial alemão do século 18 que era conhecido por embelezar as histórias de sua vida e experiências. Psicologa Brasilia
  • Transtorno factício com sintomas psicológicos e físicos: as pessoas com esse distúrbio produzem sintomas de doenças físicas e mentais.
  • Transtorno factício não especificado de outro modo: esse tipo inclui um distúrbio chamado transtorno factício por procuração (também chamado de síndrome de Munchausen por procuração). Pessoas com esse distúrbio produzem ou fabricam sintomas de doença em outra pessoa sob seus cuidados. Ocorre com mais frequência em mães (embora possa ocorrer em pais) que intencionalmente prejudicam seus filhos para receber atenção.

ansiedade pode ser descrita como a resposta a uma ameaça futura ou possível. A ansiedade está intimamente relacionada ao medo, que é a resposta a uma ameaça imediata real ou percebida. O medo e a ansiedade são respostas evoluídas normais em humanos e animais, e as respostas físicas estão ligadas ao sistema de “luta ou fuga”. O sistema nervoso autônomo controla a resposta de luta ou fuga no corpo, e essa resposta geralmente inclui dilatação das pupilas nos olhos, aumento da freqüência cardíaca e aumento da respiração / respiração. As respostas de ansiedade podem incluir maior vigilância (prestando atenção ao ambiente) e tensão muscular. A ansiedade pode ser construtiva, como melhorar o desempenho em um teste, evento esportivo ou falar em público. Embora sejam respostas normais e frequentemente respostas úteis ao perigo, a ansiedade pode causar problemas quando é ativada com muita facilidade, não é desativada quando o perigo está ausente ou quando a resposta é muito forte. Ansiedade excessiva que causa sofrimento ou prejuízo, que interfere na função normal ou evita atividades importantes e pessoas na vida, é considerada um distúrbio de ansiedade.

ansiedade

Quais são os tipos de transtornos de ansiedade?

Os transtornos de ansiedade são diferenciados com base no tipo de objeto ou situação que causa medo, ansiedade ou evitação, bem como nos padrões de pensamento associados ao medo ou à ansiedade. Para ser considerado um transtorno de ansiedade, o medo ou ansiedade também deve ser persistente (durando geralmente seis meses ou mais), e não uma fase normal de desenvolvimento (por exemplo, uma criança com medo de ficar longe dos pais). Os transtornos de ansiedade geralmente começam na infância, mas persistem na idade adulta. Psiquiatra Taguatinga

Os transtornos de ansiedade mais comuns são fobias específicas. Fobias específicas são um medo excessivo de um objeto ou situação específica, como aranhas (aracnofobia), alturas (acrofobia), voo ou espaços fechados (claustrofobia). A maioria das pessoas sabe que seus medos (fobias) são excessivos, mas geralmente se sentem impotentes para controlá-los. Às vezes, uma fobia pode começar após um evento traumático (por exemplo, ficar preso em um espaço pequeno; ver alguém ferido por um animal), mas os sintomas estão relacionados ao medo e não relacionados à re-experiência do trauma (por exemplo, o os sintomas não se encaixam melhor no diagnóstico de transtorno de estresse pós-traumático.

No transtorno de ansiedade social (fobia social ou ansiedade de desempenho), as pessoas são excessivamente amedrontadas ou preocupadas com interações ou situações sociais que podem envolver serem observadas ou examinadas. A autoconsciência de ser observada pelos outros ou de se apresentar na frente dos outros é normal. No entanto, a ansiedade social é muito mais extrema e atrapalha a realização de atividades normais (e muitas vezes necessárias) com sucesso. A fobia social pode estar limitada a situações de desempenho (como falar, cantar, atuar etc. na frente de outras pessoas) ou pode ser mais geral e relacionada a muitas (ou todas) situações em torno de outras pessoas. Psiquiatra Brasilia

transtorno de ansiedade generalizada (TAG) é caracterizado por ansiedade persistente e excessiva e se preocupa com muitas áreas diferentes que são difíceis de controlar. Outros transtornos de ansiedade incluem transtorno de ansiedade de separação, mutismo seletivo, agorafobia (medo de ficar fora de casa em várias situações) e transtorno do pânico (ataques de pânico recorrentes inesperados e medo de ter mais ataques de pânico).

Quais são os sintomas e sinais de ansiedade?

Sintomas e sinais comuns de transtorno de ansiedade podem incluir:

  • inquietação ou nervosismo;
  • cansar-se facilmente, fadiga;
  • problemas de concentração, que também podem aparecer como problemas de memória ou atenção;
  • sentindo como se a mente estivesse “em branco”;
  • irritabilidade;
  • tensão muscular;
  • dores de cabeça;
  • problemas de sono (problemas para adormecer ou dormir sem descanso).

A ansiedade associada a medos específicos (fobia específica ou simples) ou social (fobia social) também pode resultar em evitar certas situações ou elevar os sintomas para desencadear um ataque de pânico. Psicologa Brasilia

Os ataques de pânico são episódios repentinos de intenso medo e/ou desconforto físico que atingem um pico em minutos. Sinais e sintomas específicos de ataques de pânico incluem sintomas físicos e emocionais, como:

  • palpitações (sensação de batimentos cardíacos rápidos e / ou irregulares);
  • dor no peito, aperto no peito ou outro desconforto, sentindo como se estivesse tendo um ataque cardíaco;
  • falta de ar ou dificuldade em respirar;
  • sudorese das palmas das mãos;
  • náusea ou outra dor de estômago;
  • tremendo ou tremendo;
  • sentir-se tonto, instável, tonto ou fraco;
  • desrealização (sentimentos de irrealidade) ou despersonalização (sentimento desapegado de si mesmo);
  • medo de perder o controle ou ficar louco;
  • sensação de dormência ou formigamento;
  • calafrios ou ondas de calor;
  • sentindo como se estivesse sufocando;
  • uma sensação de destruição iminente;
  • sentindo como se estivesse morrendo.

O joelho é uma das partes mais comuns do corpo lesionadas. Esportes, quedas e acidentes de automóvel são responsáveis ​​pela grande maioria das dores e lesões no joelho.

Os diferentes tipos de lesões comuns no joelho são definidos pela anatomia afetada do joelho e pelo mecanismo pelo qual ele é ferido.

lesoes no joelho

Entorses de joelho são lesões nos ligamentos que mantêm o joelho unido. Existem vários ligamentos que estabilizam o joelho e o mantêm alinhado. O ligamento cruzado anterior (LCA) e o ligamento cruzado posterior (PCL) estabilizam o joelho em movimento da frente para trás e cruzam-se no meio da articulação do joelho . O ligamento colateral medial (LMC) e o ligamento colateral lateral (LCL) estabilizam o joelho para que os ossos não deslizem de um lado para o outro.

Entorses de ligamentos são classificados pela quantidade de alongamento ou ruptura das fibras ligamentares e quanta instabilidade causam da seguinte maneira:

  • Entorse de joelho grau 1: o ligamento é esticado e doloroso, mas as fibras não são rasgadas e não há instabilidade.
  • Entorse de joelho de grau 2: as fibras do ligamento estão parcialmente rasgadas, pode ser evidente instabilidade leve.
  • Entorse de joelho grau 3: as fibras do ligamento estão completamente rasgadas e o joelho é instável.

As distensões do joelho ocorrem quando os tendões ou músculos ao redor do joelho são alongados, geralmente devido à hiperflexão ou hiperextensão do joelho. Essas tensões podem causar dor fora da articulação do joelho, mas podem causar disfunção da amplitude de movimento normal do joelho. O tendão patelar se estende da rótula até a frente do osso da tíbia na frente da perna.

A bursite do joelho ocorre quando uma bolsa cheia de líquido (chamada de bursa) no joelho é irritada, inflamada ou infectada. Bursas são sacos cheios de líquido localizados ao redor das articulações que atuam como amortecedores que minimizam o atrito entre vários tecidos, como músculos e tendões ao redor das articulações. No joelho, existem duas bursas principais, uma acima da rótula ( patela ) e outra abaixo da articulação do joelho, perto da frente do osso da tíbia. Ortopedista brasilia

Lágrimas do menisco podem ocorrer devido a danos no interior do joelho. Os meniscos medial e lateral (plural de menisco) são cartilagens articulares semi-redondas que atuam como amortecedores e almofadas lisas para o osso da coxa (fêmur). Esses meniscos podem sofrer lesões agudas ou podem se tornar disfuncionais gradualmente devido ao uso excessivo e / ou ao envelhecimento. Ortopedista em brasilia

A luxação da articulação do joelho pode ocorrer devido a lesões de grande impacto e grande força no joelho (esportes e acidentes de automóvel). Trata-se de uma lesão rara, mas causa graves danos a todos os componentes anatômicos do joelho e pode incluir danos aos vasos sanguíneos e nervos ao redor do joelho. Isso requer tratamento ou cirurgia de emergência.

A rótula (patela) pode deslocar para o lado do joelho. A luxação da patela pode ser muito dolorosa, mas geralmente não apresenta risco de vida e pode ser tratadas colocando-a de volta no lugar (redução da patela), talas e fisioterapia.

As fraturas do joelho ocorrem por golpes diretos nos ossos. A patela, ou rótula, ocorre quando a pessoa cai diretamente sobre os joelhos e a rótula racha devido à força. O colapso da parte superior do osso da tíbia no joelho ( fratura do platô da tíbia ) pode ocorrer devido a uma súbita lesão por compressão no joelho, especialmente em pessoas com osteoporose . Outras fraturas dos ossos longos (fíbula, tíbia e fêmur) são raras, com lesões isoladas no joelho.

Outras lesões de uso excessivo do joelho incluem a síndrome da dor femoropatelar (muitas vezes referida como “joelho do corredor”, que causa dor na frente do joelho) e fraqueza e degeneração da cartilagem sob a rótula (condromalácia da patela). Essas lesões são devidas a um acúmulo de dano repetitivo nas estruturas do joelho. Problemas congênitos no joelho ou mecânica inadequada do movimento do joelho podem causar isso.

A osteocondrite dissecante é um distúrbio articular que ocorre mais comumente em crianças. Os ossos e cartilagens abaixo das articulações perdem o suprimento sanguíneo, resultando em dor e rigidez nas articulações. Essa condição geralmente afeta os joelhos, mas também pode afetar outras articulações, como cotovelos e tornozelos.

A doença de Osgood-Schlatter é uma condição em crianças causada por surtos de crescimento que causam dor no joelho e inchaço abaixo da rótula.

Fatos sobre diabetes tipo 1 e tipo 2:

diabetes

  1. O diabetes é uma condição crônica associada a níveis anormalmente altos de açúcar (glicose) no sangue. A insulina produzida pelo pâncreas reduz a glicose no sangue. Ausência ou produção insuficiente de insulina, ou a incapacidade do organismo de usar adequadamente a insulina causa diabetes.
  2. Os dois tipos de diabetes são referidos como tipo 1 e tipo 2. Os nomes anteriores para essas condições eram diabetes dependente de insulina e não dependente de insulina , ou diabetes juvenil e diabetes adulto.
  3. Alguns dos fatores de risco para diabetes são sobrepeso ou obesidade , levando um estilo de vida sedentário, histórico familiar de diabetes, hipertensão ( pressão alta ) e baixos níveis de colesterol “bom” ( HDL ) e níveis elevados de triglicerídeos em o sangue.
  4. Se você acha que pode ter pré -diabetes ou diabetes, entre em contato com um profissional de saúde. Clinica de Endocrinologia em Brasilia

Como o diabetes faz você se sentir?

Os sintomas do diabetes tipo 1 e tipo 2 incluem:
  1. aumento da produção de urina;
  2. sede excessiva;
  3. perda de peso;
  4. fome;
  5. fadiga;
  6. problemas de pele;
  7. feridas curas lentas;
  8. infecções fúngicas;
  9. formigamento ou dormência nos pés ou dedos dos pés.

O que é diabetes?

O diabetes mellitus é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por altos níveis de açúcar no sangue (glicose) que resultam de defeitos na secreção de insulina, ou sua ação, ou ambos. O diabetes mellitus, comumente referido como diabetes (como será neste artigo), foi identificado pela primeira vez como uma doença associada à “urina doce” e à perda muscular excessiva no mundo antigo. Níveis elevados de glicose no sangue ( hiperglicemia ) levam ao derramamento de glicose na urina, daí o termo urina doce.
Normalmente, os níveis de glicose no sangue são rigidamente controlados pela insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas. A insulina reduz o nível de glicose no sangue. Quando a glicose no sangue aumenta (por exemplo, depois de comer), a insulina é liberada do pâncreas para normalizar o nível de glicose, promovendo a captação de glicose nas células do corpo. Em pacientes com diabetes, a ausência de produção insuficiente ou a falta de resposta à insulina causa hiperglicemia. O diabetes é uma condição médica crônica, o que significa que, embora possa ser controlado, dura toda a vida.

Como sei se tenho diabetes?

Muitas pessoas não sabem que têm diabetes, especialmente em seus estágios iniciais, quando os sintomas podem não estar presentes.
Não existe uma maneira definitiva de saber se você tem diabetes sem fazer exames de sangue para determinar seus níveis de glicose no sangue (consulte a seção Diagnóstico de diabetes).
Consulte o seu médico se tiver sintomas de diabetes ou se estiver preocupado com o risco de diabetes. É importante ter um plano de saude individual em Brasilia para acompanhar seus sintomas e realizar conforme as recomendações médicas.

O que causa diabetes?

A produção insuficiente de insulina (absolutamente ou em relação às necessidades do corpo), a produção de insulina com defeito (o que é incomum) ou a incapacidade das células de usar insulina de maneira adequada e eficiente levam à hiperglicemia e diabetes.
Esta última condição afeta principalmente as células dos músculos e tecidos adiposos e resulta em uma condição conhecida como resistência à insulina . Este é o principal problema no diabetes tipo 2.

A absoluta falta de insulina, geralmente secundária a um processo destrutivo que afeta as células beta produtoras de insulina no pâncreas, é o principal distúrbio do diabetes tipo 1.
No diabetes tipo 2, também há um declínio constante de células beta que se soma ao processo de açúcar no sangue elevado. Essencialmente, se alguém é resistente à insulina, o corpo pode, até certo ponto, aumentar a produção de insulina e superar o nível de resistência. Com o tempo, se a produção diminuir e a insulina não puder ser liberada com tanto vigor, a hiperglicemia se desenvolverá.

O que é glicose?

A glicose é um açúcar simples encontrado nos alimentos. A glicose é um nutriente essencial que fornece energia para o bom funcionamento das células do corpo. Os carboidratos são decompostos no intestino delgado e a glicose nos alimentos digeridos é então absorvida pelas células intestinais na corrente sanguínea e é transportada pela corrente sanguínea para todas as células do corpo onde é utilizada. No entanto, a glicose não pode entrar nas células sozinha e precisa de insulina para ajudar no seu transporte para as células. Sem insulina, as células ficam sem energia de glicose, apesar da presença de glicose abundante na corrente sanguínea. Em certos tipos de diabetes, a incapacidade das células de utilizar glicose dá origem à situação irônica de “fome no meio da abundância”. A glicose abundante e não utilizada é excretada de maneira desnecessária na urina.

O que é insulina?

A insulina é um hormônio produzido por células especializadas (células beta) do pâncreas. (O pâncreas é um órgão profundo do abdômen localizado atrás do estômago.) Além de ajudar a glicose a entrar nas células, a insulina também é importante na regulação rigorosa do nível de glicose no sangue. Após uma refeição, o nível de glicose no sangue aumenta. Em resposta ao aumento do nível de glicose, o pâncreas normalmente libera mais insulina na corrente sanguínea para ajudar a glicose a entrar nas células e diminuir os níveis de glicose no sangue após uma refeição. Quando os níveis de glicose no sangue são reduzidos, a liberação de insulina do pâncreas é reduzida. É importante observar que, mesmo em jejum, há uma liberação constante baixa de insulina que flutua um pouco e ajuda a manter um nível constante de açúcar no sangue durante o jejum. Em indivíduos normais, esse sistema regulador ajuda a manter os níveis de glicose no sangue em um intervalo rigorosamente controlado. Conforme descrito acima, em pacientes com diabetes, a insulina está ausente, é relativamente insuficiente para as necessidades do corpo ou não é usada adequadamente pelo organismo. Todos esses fatores causam níveis elevados de glicose no sangue (hiperglicemia). Clinica de endocrinologista ceilandia.

Quais são os diferentes tipos de diabetes?

Existem dois tipos principais de diabetes, chamados tipo 1 e tipo 2. O diabetes tipo 1 também era anteriormente chamado de diabetes mellitus dependente de insulina (IDDM) ou diabetes mellitus de início juvenil. No diabetes tipo 1, o pâncreas sofre um ataque auto-imune pelo próprio corpo e é incapaz de produzir insulina. Anticorpos anormais foram encontrados na maioria dos pacientes com diabetes tipo 1. Anticorpos são proteínas no sangue que fazem parte do sistema imunológico do corpo. O paciente com diabetes tipo 1 deve confiar na medicação com insulina para sobreviver.

Alimentação compulsiva não é aquela que se refere aos momentos em que no feriado ou datas comemorativas você comeu mais do que deveria. É uma doença, e você sente que não pode parar mesmo que esteja se sentindo desconfortável ou de barriga cheia.

nutrologo brasilia df

Ao contrário de anorexia, você não sente desgosto em comer, apesar do sentimento de culpa e vergonha por ingerir mais do que deveria. Mas você pode superar esses hábitos e sentimentos com o tratamento adequado com o médico nutrólogo juntamente com psicologia.

Se você tem transtorno da compulsão alimentar periódica, pode ter dificuldades em lidar com suas emoções ou se sentir fora de controle de outras maneiras. Você pode usar a comida como uma maneira de confortar ou recompensar a si mesmo. Saltar refeições e outras dietas severas podem desencadear uma reação de compulsão alimentar.

O distúrbio muitas vezes anda de mãos dadas com a depressão . Os pesquisadores estão estudando se os químicos do cérebro ou o metabolismo (o modo como seu corpo usa comida) desempenham papéis. O distúrbio também ocorre em algumas famílias. As mulheres são mais propensas que os homens a tê-lo.

nutrologo brasilia df

Algumas pessoas com transtorno de compulsão alimentar passaram por abuso físico ou emocional, ou tiveram vícios, como o alcoolismo . Se isso soa como você, obter ajuda com esses problemas fará parte da melhoria.

nutrologo brasilia

Aveia: Alimentos com muita fibra podem ajudar seu fígado a trabalhar melhor. Quer um que seja uma ótima maneira de começar o dia? Experimente aveia. A pesquisa mostra que pode ajudá-lo a perder alguns quilos extras e a gordura da barriga, o que é uma boa maneira de afastar a doença do fígado.

amora

Amoras: Eles têm nutrientes neles chamados polifenóis que podem ajudar a protegê-lo contra a doença hepática gordurosa não-alcoólica, que muitas vezes anda de mãos dadas com a obesidade e o colesterol alto. Se blueberry não é sua coisa, outros alimentos ricos em polifenóis incluem chocolate amargo, azeitonas e ameixas.

Brócolis: Adicione muitos vegetais à sua dieta, se você quiser manter seu fígado saudável. O brócolis pode fazer parte dessa estratégia. Alguns estudos sugerem que esse alimento crocante pode ajudar a protegê-lo da doença hepática gordurosa não alcoólica. Se o brócolis cozido no vapor soar um pouco demais, tritá-lo em uma salada de repolho e misturá-lo com amêndoas fatiadas, cranberries secas e um vinagrete picante. Também é delicioso assado com alho e um pouco de vinagre balsâmico.

Café: Se você não conseguir passar o dia sem ele, ficará feliz em saber que pode ter alguns benefícios para o seu fígado. Estudos mostram que beber duas a três xícaras por dia pode proteger seu fígado de danos causados ​​pelo excesso de álcool ou por uma dieta pouco saudável. Algumas pesquisas sugerem que isso pode diminuir o risco de câncer de fígado.

Ervas: Quer proteger seu fígado e seu coração ao mesmo tempo? Polvilhe em um pouco de orégano, sálvia ou alecrim. Eles são uma boa fonte de polifenóis saudáveis. Um benefício extra: eles ajudam você a reduzir o sal em muitas receitas. Canela, curry em pó e cominho são bons para tentar também.

espinafre

Espinafre: As folhas verdes têm um poderoso antioxidante chamado glutationa, que pode ajudar a manter o fígado funcionando corretamente. E espinafre não poderia ser mais fácil de preparar. Faz uma excelente base para uma salada de jantar, e também é delicioso refogado com alho e azeite. Quando estiver murchado, cubra com um parmesão fresco.

Amêndoas: As nozes – especialmente estas – são boas fontes de vitamina E, um nutriente que a pesquisa sugere que pode ajudar a proteger contra a doença do fígado gorduroso. As amêndoas também são boas para o seu coração, então pegue um punhado na próxima vez que sentir vontade de fazer um lanche. Ou experimente-as em saladas, onde elas acrescentam um bom crocante.

Chá Verde: Está repleto de um tipo de antioxidante chamado catequinas. A pesquisa sugere que pode proteger contra algumas formas de câncer, incluindo o fígado. Você terá mais catequinas se você preparar chá e beber quente. Chá gelado e chá verde pronto para beber têm níveis muito mais baixos.

A copa é um período que mexe com todos do mundo, mas principalmente com os brasileiros! Nesse clima de copa e lazer com famílias e amigos, os hábitos alimentares devem ser tratados com atenção, o comportamento de ansiedade e euforia durantes os jogos se alteram deixando os nervos à flor da pele.

copa

Você deve prestar atenção na hora de torcer, manter cuidado com grandes emoções, para evitar problemas cardíacos. De acordo com médicos cardiologistas, a adrenalina aumenta a pressão arterial e os batimentos do coração e, por isso, pessoas que já são cardíacas ou hipertensas por exemplo devem ficar atentas quanto aos riscos.

problemas cardíacos

Pessoas que acompanham todos os jogos, ou não vêem a hora de chegar a vez do Brasil, ou as que fazem apostas, estão sujeitas a passar por períodos de ansiedade, onde muitas das vezes, toda essa tensão e expectativa podem ser prejudicial a saúde. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) o Brasil é o país com maior número de pessoas que sofrem de Transtornos de Ansiedade. As pessoas propensas a esse tipo de transtorno podem ficar ansiosas com facilidade. Dependendo da força da ansiedade, pode ocorrer palpitação no coração, falta de ar, angústia no peito, suor frio nas mãos e até mesmo insônia. Caso sinta alguns desses sintomas, o ideal é procurar avaliação médica.

Durante os jogos e lazer, os brasileiros aproveitam os recessos para exagerar nas bebidas e frituras. Trocando a alimentação do dia a dia por  petiscos, o que pode gerar problemas estomacais, como gastrite por exemplo.

Como se manter saudável durante a Copa?

  • Siga os horários corretos das refeições;
  • Beba muita água;
  • Não exagere no consumo de bebidas alcoólicas e refeições gordurosas;
  • Tente não abusar de suas condições físicas e psicológicas;
  • Opte por petiscos mais saudáveis durante os jogos;
  • Evite excessos e saiba seus limites.

Vídeo do canal Ministério da Saúde

As pessoas não obesas com asma podem reduzir seus sintomas e melhorar sua qualidade de vida através da dieta e do exercício, de acordo com pesquisas apresentadas no European International Respiratory Society International Congress 2017.

A asma é uma condição comum e de longo prazo que afeta cerca de uma em cada dez pessoas no mundo ocidental. A maioria dos pacientes depende do medicamento diário para controlar os sintomas e muitos desconfiam do exercício, temendo que ele possa induzir sintomas.

No entanto, a nova pesquisa sugere que fazer exercício, combinado com uma dieta saudável, poderia ajudar os pacientes a obter um melhor controle de sintomas como sibilância, dor torácica e falta de ar.

A pesquisa foi apresentada pela Dra. Louise Lindhardt Toennesen (MD, PhD) do Hospital Universitário de Bispebjerg, Copenhague, Dinamarca. Ela disse ao congresso: “Há evidências crescentes de que os pacientes com asma obesos podem se beneficiar de uma dieta melhor e um aumento do exercício. Queremos ver se os pacientes não obesos com asma também poderiam se beneficiar”.

Dr Toennesen e seus colegas trabalharam com um grupo de 149 pacientes que foram distribuídos aleatoriamente para um dos quatro grupos.

Um grupo foi convidado a seguir uma dieta rica em proteínas e com baixo índice glicêmico (GI baixo). Uma dieta GI baixa é aquela que mantém os níveis corretos de açúcar no sangue. Eles também foram convidados a comer pelo menos seis porções de frutas e vegetais por dia.

Outro grupo participou de aulas de exercícios três vezes por semana no hospital. Essas classes incluíram rajadas de atividade de alta intensidade projetada para aumentar a musculatura, intercaladas com atividade mais suave.

O terceiro grupo participou das aulas de exercícios e seguiu a dieta, enquanto o grupo de controle restante não o fez. Um total de 125 pessoas permaneceram no estudo durante as oito semanas completas.

Os pesquisadores questionaram os pacientes sobre seus sintomas e sobre sua qualidade de vida, além de testar sua aptidão e a força e a produção de seus pulmões.

Eles descobriram que o treinamento de alta intensidade era seguro para os pacientes. Embora não tenham encontrado uma melhoria definitiva na função pulmonar dos pacientes, eles descobriram que a combinação de dieta e exercício melhorou o controle de sintomas e a qualidade de vida dos pacientes, além de melhorar seu nível de aptidão física.

Em média, aqueles que participaram do exercício e seguiram a dieta classificaram sua classificação de sintomas de asma 50% melhor em comparação com o grupo controle.

Os pacientes que apenas seguiram o programa de exercícios ou o programa de dieta avaliaram, em média, o índice de sintomas de asma 30% melhor que o grupo controle, mas esse resultado não atingiu significância estatística.

O Dr. Toennesen explicou: “As pessoas com asma às vezes acham dificuldades de exercício e isso pode levar a uma deterioração geral em sua aptidão. Nosso estudo sugere que pacientes com asma não obesos possam participar com segurança em exercícios bem planejados de alta intensidade. Esse exercício combinado com uma dieta saudável pode ajudar os pacientes a controlar seus sintomas de asma e desfrutar de uma melhor qualidade de vida.

“Estes são achados importantes, pois sabemos que nem todos os pacientes têm um bom controle sobre seus sintomas e conseqüentemente podem ter uma qualidade de vida mais baixa. Também sabemos que muitos pacientes estão interessados ​​em saber se eles podem melhorar seu controle de asma com exercício e uma dieta saudável .

“Nossa pesquisa sugere que as pessoas com asma devem ser encorajadas a comer uma dieta saudável e a participar da atividade física”.

Dr. Toennesen e seus colegas continuarão a investigar os efeitos da dieta e do exercício na asma a longo prazo. Eles esperam descobrir qual dieta e quais atividades têm o maior impacto, para descobrir se alguns pacientes podem se beneficiar mais do que outros e, em última análise, se as mudanças de estilo de vida podem substituir a medicina de prevenção de asma.

FONTE: (com adaptações): https://www.medicalnewstoday.com

Você não emagrece nem com dieta? A culpa pode ser das bactérias

De acordo com um novo estudo, as bactérias do intestino representam um papel fundamental na perda de peso e elas podem variar de pessoa para pessoa

O estudo

Depois de analisarem amostras de fezes de 62 pessoas acima do peso, pesquisadores do departamento de nutrição da Universidade de Copenhagen, na Dinamarca, descobriram que aqueles que seguiram uma dieta rica em fibras, integrais, frutas e verduras, e baixa em gorduras, durante seis meses e que tiveram uma taxa alta de bactérias do gênero Prevotella e Bacteroides, que costumam compor a flora intestinal, perderam, em média, cerca de 5 quilogramas de gordura 1,5 quilograma mais dos que seguiram a dieta mas mostraram taxas menores das bactérias nas amostras.

Enquanto isso, aqueles que continuaram na dieta habitual, mas que indicaram altas quantidades das bactérias nos exames perderam 1,8 quilograma em comparação aos 2,5 quilogramas dos que tiveram uma proporção baixa, o que, para os cientistas, não é uma diferença estatisticamente significativa.

Papel das bactérias

Para os pesquisadores, o recente achado reforça a ideia de que as dietas devem ser personalizadas e o que funciona para uma pessoa não necessariamente funcionará para outra. “Os resultados demonstram que certas espécies de bactérias desempenham um papel decisivo na perda de peso“, Arne Astrup, líder da equipe de pesquisa. “Agora, podemos explicar por que nem sempre uma dieta, mesmo seguida à risca, emagrece. A bactéria intestinal é uma parte importante dessa resposta.” –

De acordo com Mads Hjort, coautor do estudo, perder gordura em vez de massa muscular é um sinal significativo de um emagrecimento saudável. Porém, essa questão continua sendo apenas científica, ainda não existem métodos práticos de avaliar o microbioma intestinal de cada indivíduo e seus benefícios. “Em um futuro próximo, isso pode ser uma possibilidade.”

 

FONTE:(com adaptações): http://veja.abril.com.br

Imagine usar um remendo de pele medicado para queimar áreas de gorduras indesejadas incluindo aquelas “alcas de amor”.

Um remendo de pele projetado para converter gordura branca pouco saudável em gordura marrom queima de energia foi eficaz em roedores, de acordo com pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Columbia em Nova York.

Eles disseram que o patch poderia ajudar a reduzir a gordura indesejada em áreas específicas do corpo, o que poderia auxiliar no tratamento de problemas relacionados à obesidade e ao diabetes .

“Love handles” – as protuberâncias gordurosas ao longo dos lados do tronco – pode ser um dos alvos.

Pesquisadores por anos têm procurado encontrar uma maneira viável de converter a gordura branca em gordura marrom, um processo chamado de escurecimento. Browning pode ocorrer naturalmente quando o corpo é exposto a temperaturas frias.

“Existem vários medicamentos clinicamente disponíveis que promovem o pardo, mas todos devem ser administrados como pílulas ou injeções”, disse o co-líder do estudo, Li Qiang, professor assistente de patologia e biologia celular.

“Isso expõe o corpo inteiro às drogas, o que pode levar a efeitos colaterais como distúrbios do estômago, aumento de peso e fraturas ósseas . Nosso remendo de pele parece aliviar essas complicações através da entrega da maioria dos medicamentos diretamente ao tecido adiposo”, explicou Qiang em uma universidade lançamento de notícias.

Qiang espera que as pessoas compreendam o valor intrínseco da pesquisa, e não apenas os benefícios cosméticos em potencial.

“Muitas pessoas, sem dúvida, estarão ansiosas para aprender que possamos oferecer uma alternativa não invasiva à lipoaspiração para reduzir as alças de amor”, disse Qiang.

“O que é muito mais importante é que nosso patch pode fornecer um meio seguro e eficaz de tratar a obesidade e distúrbios metabólicos relacionados, como diabetes “, disse ele.

O patch não foi testado em seres humanos. E muitas vezes, os resultados obtidos em estudos com animais não são replicados em estudos com pessoas.

O estudo foi publicado on-line em 15 de setembro na revista ACS Nano. Robert Preidt

FONTE: ( com adaptações): http://www.medicinenet.com

Aprender a reconhecer e tratar os problemas dos pés mantendo-os saudáveis ​​e felizes!

Três em cada quatro americanos terão um problema de pé comum na vida deles. Portanto, você não está sozinho. Essas condições podem ser dolorosas e embaraçosas. No entanto, a grande maioria dessas doenças resulta de negligência, falta de consciência e cuidados adequados. Poucas pessoas nascem com condições de pé.

Joanete

Um joanete é uma porção óssea na base do dedo grande. O mal-alinhamento comum que pode se tornar maior ao longo do tempo causa joaninhas. Isso faz com que o dedo grande desvie para os outros. Um joanete pode ser muito doloroso devido a pressão e / ou artrite e levar à instabilidade de outras articulações no pé. Medicamentos anti-inflamatórios, almofadas, sapatos de caixa larga e menor altura do calcanhar podem ajudar. As inserções personalizadas de sapato (ortopedia funcional) podem abordar a instabilidade global do pé e podem diminuir a velocidade da progressão do joanete. No entanto, quando os tratamentos conservadores não conseguem aliviar os sintomas, a cirurgia para corrigir a deformidade do joanete pode ser indicada.

Milhos e Calos

Fricção e pressão causam grãos e calos. Os grãos são calos impactados na pele e muitas vezes são pequenos, redondos e dolorosos para a pressão. Os calos geralmente aparecem na bola do pé e do calcanhar. Os sapatos mal ajustados ou deformidades nos pés, como martelos e joanetes, podem causar calos. Almofadas podem ajudar a aliviar um milho ou calos doloridos, bem como cortes periódicos por um podólogo. Em alguns casos, é necessário que o paciente consiga inserções de calçados personalizadas (ortopedia funcional) ou cirurgia para corrigir a deformidade subjacente causando o milho ou calo.

Gota

As características da gota incluem vermelhidão, inchaço, dor súbita e rigidez, mais comumente na articulação grande do dedo grande. A gota também pode ocorrer no pé, no tornozelo ou nos joelhos. A gota é o resultado de muito ácido úrico (AU) no corpo, que se cristaliza nas articulações e causa dor. Os ataques agudos podem durar dias ou semanas; Os médicos tratam a gota com medicação anti-inflamatória oral e / ou injeção de cortisona. É possível evitar ataques agudos contínuos, gerenciando a dieta e / ou tomando medicamentos para redução de AU. Um médico pode desenvolver um plano de tratamento mais apropriado para cada paciente. Não tratada, a gota pode se tornar crônica e danificar as articulações até um ponto em que a cirurgia é inevitável.

Verrugas Plantares

As verrugas plantares são infecções virais que desenvolvem crescimentos calos nas solas dos pés. Contagiosas, são frequentemente espalhadas por piscinas públicas e chuveiros. Eles são frequentemente dolorosos e aparecem como crescimentos redondos, isolados ou espalhados em um padrão geográfico (verruga plantar de mosaico). Embora sejam inofensivos, os médicos recomendam o tratamento das verrugas plantares. O ácido salicílico tópico pode ajudar, enquanto a queima, congelamento, terapia a laser e remoção cirúrgica são opções mais agressivas e às vezes necessárias.

Pé de Atleta

Uma infecção fúngica que pode causar descamação, vermelhidão, coceira, ardor e, às vezes, bolhas e feridas, o pé de atleta é levemente contagioso, passou por contato direto ou caminhando com os pés descalços em áreas como spas, vestiários e piscinas. Os fungos então crescem em áreas úmidas, como nos sapatos, especialmente aqueles sem circulação de ar. O tratamento do pé de atleta inclui loções antifúngicas tópicas ou medicamentos orais para casos mais graves. Pode ser possível evitar o pé de atleta alternando dois ou três pares diferentes de sapatos para deixá-los arejar por alguns dias, além de usar meias e sapatos respiráveis.

Infecção por fungos nas unhas

Ocorrendo quando os fungos microscópicos entram através de uma ruptura na unha ou na pele circundante, uma infecção por fungos pode fazer suas unhas grossas, descoloridas e quebradiças. Se não for tratada, uma infecção por fungos pode se espalhar para outras unhas. Prosperando em lugares quentes e úmidos, como sapatos, decks para piscinas, spas e ginásios, os fungos podem ser espalhados de pessoa para pessoa. Pode começar a contrair o pé de atleta ou sofrer uma lesão na unha, permitindo uma oportunidade para os fungos invadirem o prego. O tratamento pode envolver a aplicação de cremes antifúngicos tópicos, a administração de medicamentos antifúngicos orais ou submetidos à terapia a laser.

Hammertoe

Quando os músculos que controlam os dedos do pé ficam fora do equilíbrio, eles podem causar dolorosas dobras dos dedos nas articulações. Enquanto algumas pessoas são propensas a martelos por causa da função do pé anormal subjacente, outras causas incluem calçados mal ajustados. Um martelo geralmente faz com que a articulação do meio do dedo do pé se incline para baixo, com o dedo do pé aparecendo levantado perto do pé. Os sapatos adequados com uma caixa de dedo mais larga, inserções personalizadas de calçados ortográficos, cortes periódicos de calos e cirurgia podem oferecer alívio.

Unha encravada

Uma unha de dedos que cresceu na pele, uma unha encarnada pode resultar em dor, vermelhidão, inchaço e até infecção. Cortar unhas muito curtas ou não diretas, feridas na unha dos pés e usar sapatos mal ajustados são culpados. No entanto, para algumas pessoas, é uma característica hereditária ou causada por uma deformidade subjacente, como um joanete. Para casos leves, mergulhar o pé em água morna com sais Epsom e manter a unha coberta com uma pomada antibiótica e Band-Aid pode ajudar. Muitas vezes, pode ser necessário que o paciente se submeta a uma cirurgia para remover a parte do prego, temporariamente ou permanentemente.

Flatfoot (Pes Planus)

Flatfoot (plano plano) é uma condição em que o arco longitudinal no pé, que corre longitudinalmente ao longo da sola do pé, não se desenvolveu normalmente e é abaixado ou achatado. Um pé ou ambos os pés podem ser afetados.
Flatfoot pode ser uma condição hereditária ou pode ser causada por uma lesão ou condição, como artrite reumatoide, acidente vascular cerebral ou diabetes.

Crianças e adultos podem ter pés planos. A maioria das crianças são de pé plano até que tenham entre 3 e 5 anos quando o arco longitudinal se desenvolve normalmente.

As pessoas que têm pés planos raramente têm sintomas ou problemas. Algumas pessoas podem ter dor por causa de:

  • Mudanças no ambiente de trabalho;
  • Lesão menor;
  • Ganho de peso repentino;
  • Posição excessiva, andar, saltar ou correr;
  • Calçado mal ajustado.

Disparador de dor: Flip-flops

Muitas vezes, a culpa pela nossa dor depende das escolhas simples que fazemos todos os dias. O dr.David Westerdahl, do Cleveland Clinic Florida, indica sandálias de sola de espuma. Eles fornecem um apoio pobre no arco, levando a dor nos pés, nos tornozelos e nos joelhos.

Solução: use sapatos com suporte de arco. Quando você sabe que vai andar muito, opte por tênis.

 

FONTE: (com alterações): http://www.onhealth.com

Terça-feira, 12 de setembro de 2017 (HealthDay News) – A porta pode estar se abrindo novamente para mulheres na menopausa que sofrem de ondas de calor e suores noturnos para receber algum alívio de uma fonte, uma vez que pensou que era perigoso considerar, dizem os pesquisadores.

A terapia de reposição hormonal para tratar sintomas da menopausa não aumenta o risco de morte prematura da mulher, seja global ou especificamente de câncer ou doença cardíaca, de acordo com os achados de longo prazo do maior ensaio clínico realizado em terapia hormonal.

As mulheres que tomaram estrogênio por uma média de sete anos ou combinação de estrogênio e terapia com progesterona por uma média de cinco anos não apresentaram risco aumentado de morte após 18 anos de seguimento, em comparação com as mulheres que receberam um placebo inativo, descobriram os pesquisadores.

O ensaio clínico “fornece suporte para o uso de terapia hormonal para o tratamento de ondas de calor irritantes e angustiantes, suores noturnos e outros sintomas da menopausa que podem prejudicar a qualidade de vida em mulheres que não têm razão para não fazer terapia hormonal”, afirmou. autor principal Dr. JoAnn Manson. Ela é chefe de medicina preventiva no Brigham and Women’s Hospital em Boston.

A nova atualização mostra que as mulheres não são mais propensas a morrer após o uso da terapia de reposição hormonal, mesmo que a terapia aumente seu risco de problemas de saúde como câncer de mama , acidente vascular cerebral e doença cardíaca , disse Lichtenfeld.

“Existe um risco de eventos adversos, mas esses eventos adversos não levam à morte prematura”, disse Lichtenfeld.

As mulheres agora devem decidir se desejam assumir os riscos de eventos não fatais usando terapia hormonal, entendendo que não parece mudar a vida útil geral, acrescentou Lichtenfeld.

A menopausa é definida como o último período menstrual da mulher , ocorrendo com idade média de 51 anos, de acordo com a Sociedade da Menopausa da América do Norte. Este evento da vida natural leva a níveis mais baixos de estrogênio e outros hormônios, o que pode causar desconforto para algumas mulheres.

O estrógeno sozinho pode ser prescrito para mulheres que tiveram uma histerectomia , disse Manson. Para outros, a progesterona também é dada para proteger contra o risco aumentado de câncer de útero por terapia com estrogênio.

O teste WHI rastreou mais de 27.000 mulheres, idade média 63, que receberam terapia de reposição hormonal ou placebo entre 1993 e 1998.

Após 18 anos – incluindo 10 a 12 anos de seguimento após as mulheres cessaram a terapia hormonal – pesquisadores atrás da nova revisão não encontraram efeito positivo ou negativo sobre a taxa de mortalidade associada ao tratamento com estrogênio ou estrogênio mais progesterona.

Manson disse que a falta de impacto na taxa de mortalidade por qualquer causa é mais importante do que os achados associados com a taxa de mortalidade por câncer ou doença cardíaca .

“Quando você está testando uma medicação que tem um padrão complexo de benefícios e riscos, a mortalidade total ou total é a linha de fundo final quando se avalia o efeito líquido de uma medicação em resultados sérios ou com risco de vida”, disse Manson.

As mortes relacionadas ao câncer relacionadas à combinação de terapia com estrógeno / progesterona pareciam ser uma lavagem, pois o tratamento aumentou o risco de câncer de mama, mas diminuiu o risco de câncer de uterina , disse Manson.

“Descobrimos que a terapia hormonal realmente não afetou a maioria dos outros tipos de câncer, então o efeito geral dos hormônios nas mortes por câncer foi neutro”, afirmou Manson.

Lichtenfeld trouxe outro ponto: as mulheres na terapia hormonal talvez não sejam mais propensas a morrer de câncer ou doenças cardíacas porque os médicos melhoraram o tratamento dessas doenças, disse ele.

“É razoável considerar que melhores tratamentos melhoraram as perspectivas para essas doenças”, disse ele.

Lichtenfeld também enfatizou que a substituição hormonal dada às mulheres foi temporária neste julgamento.

“Este estudo não significa que uma mulher possa iniciar com indiferença a terapia hormonal e ficar com ela durante o resto da vida”, disse ele. Os participantes do estudo receberam “um modesto termo de terapia hormonal para lidar com os sintomas imediatos” da menopausa , explicou Lichtenfeld.

Manson acrescentou que o estudo incluiu apenas estrogênio e progesterona em forma de pílula, já que essa era a única formulação disponível na época. As mulheres agora têm acesso a terapia hormonal que é absorvida através da pele através de patch, gel ou spray, além da capacidade de receber doses mais baixas do que as utilizadas no teste WHI.

“Precisamos de mais pesquisas sobre os benefícios e riscos de algumas dessas novas formulações”, afirmou Manson.

Os resultados do ensaio foram publicados na edição de 12 de setembro do Journal of the American Medical Association .

FONTE (Com alterções): http://www.medicinenet.com

Anterolisthesis é um alinhamento anormal dos ossos na coluna vertebral e geralmente afeta a parte inferior das costas.

Ocorre quando uma vértebra superior desliza de cima para baixo. A dor geralmente é o primeiro sintoma da anterolisthesis.

As vértebras desalinhadas podem comprimir os nervos, e isso pode ter consequências dolorosas e debilitantes. Outras partes do corpo, como os braços ou as pernas, também podem ser afetadas pela anterolisthesis.

A quantidade de deslizamento é classificada em uma escala de leve a grave. O tratamento pode variar desde o repouso até a cirurgia. A anterolisthesis é frequentemente conhecida como espondilolistese.

Causas

  • levantamento de peso;
  • A anterolisthesis pode ser causada por uma força brusca súbita ou pode ser causada por exercícios físicos extenuantes ao longo do tempo;

A anterolisthesis é muitas vezes devido a força brusca súbita ou fraturas . Estes podem ser o resultado de trauma tipicamente experimentado em um acidente de carro ou uma queda, também pode desenvolver ao longo do tempo através de exercício físico extenuante, como a musculação.

O envelhecimento é outra causa comum de anterolisthesis. Isso ocorre naturalmente ao longo do tempo, pois a cartilagem entre as vértebras enfraquece e diminui.

A anterolisthesis também pode ser associada a condições subjacentes, como ossos fracos, artrite ou tumores. Um tumor pode forçar a vértebra a se mover da sua posição natural.

Ocasionalmente, a anterolisthesis está ligada a um defeito de crescimento da coluna vertebral genética em crianças.

Sintomas

Os sintomas da anterolisthesis dependerão da quantidade de deslizamento e da parte da coluna vertebral onde ocorreu o deslizamento.

A anterolisthesis pode causar dor localizada constante e grave, ou pode se desenvolver e piorar ao longo do tempo. A dor pode ser persistente e muitas vezes afeta a parte inferior das costas ou as pernas.

Problemas de mobilidade devido à dor podem levar a inatividade e aumento de peso. Também pode resultar em perda de densidade óssea e força muscular. A flexibilidade em outras áreas do corpo também pode ser afetada.

Outros sintomas de anterolisthesis incluem:

  • espasmos musculares;
  • sensações pulsantes ou formigas;
  • incapacidade de sentir sensações quentes ou frias;
  • dor e postura fraca;
  • fraqueza;

Em casos graves, os seguintes sintomas podem ocorrer dificuldade em andar e movimento corporal limitado
perda de função da bexiga ou do intestino.

Diagnóstico

A suspeita de anterolisthesis pode ser diagnosticada usando raios-X, tomografia computadorizada ou exames de ressonância magnética.
Um médico irá diagnosticar anterolisthesis usando um exame físico e uma avaliação dos sintomas da pessoa. O exame geralmente inclui uma verificação de reflexo.

Raios-X, tomografias e exames de ressonância magnética podem ser usados ​​para confirmar um suspeito de diagnóstico de anterolisthesis. Essas técnicas de imagem são usadas para examinar defeitos ósseos e para avaliar lesões e danos nos nervos.

Classificação

O próximo passo após o diagnóstico é estabelecer a extensão do dano. A escala de classificação a seguir é usada para determinar a gravidade da condição e qual o tratamento necessário.

  • Grau 1 : menos de 25% de derrapagem;
  • 2ª série : deslizamento de 26 a 50 por cento;
  • 3º grau : 51 a 75% de derrapagem;
  • Grau 4 : 76 por cento ou mais deslizamento;
  • Existem casos raros de deslizamento de 100 por cento quando a vértebra superior desliza completamente para abaixo.

Tratamento

Os médicos baseiam um plano de tratamento sobre o grau de deslizamento. As pessoas com deslizamentos de grau 1 e 2 geralmente apresentam sintomas leves, e o tratamento visa aliviar a dor e o desconforto. As derrapagens de 3 e 4 são consideradas graves e podem, em última instância, requerer cirurgia.

As opções de tratamento para derrapagem leve podem incluir um curto curso de descanso na cama, exercícios suaves e medicação para dor. Casos graves podem exigir terapia quiroprática e cirurgia. A cirurgia é considerada um último recurso.

Descansar

O repouso na cama pode ajudar a superar casos leves de anterolisthesis. A participação em esportes e atividades diárias extenuantes deve ser completamente interrompida até que a dor diminua.

Medicação

Os antiinflamatórios não esteróides (AINEs) podem ser usados ​​para ajudar a tratar a dor e a inflamação causada pela anterolisthesis.

Para uma dor mais aguda, podem ser necessários esteróides e opióides. Os esteróides epidurais injetados diretamente nas costas podem reduzir a inflamação e aliviar a dor.

Terapia

Os sintomas complicados podem ser tratados com fisioterapia , muitas vezes ao lado de um programa de exercícios.

Um suporte de apoio ou de apoio pode ser usado para ajudar a estabilizar a parte inferior das costas e reduzir a dor. O tratamento quiroprático pode até ajudar a mover a vértebra de volta à sua posição original.

Exercício

Os exercícios são geralmente realizados em conjunto com a fisioterapia. O exercício pode aumentar o movimento livre de dor, melhorar a flexibilidade e aumentar a força nos músculos das costas.

Exercícios de estabilização podem manter a mobilidade da coluna vertebral, fortalecer os músculos abdominal e das costas e minimizar o movimento doloroso dos ossos na coluna vertebral afetada.

Cirurgia

A cirurgia é um último recurso no tratamento da anterolisthesis. Pode ser necessário que a vértebra continue a escorregar ou se a dor persistir apesar de outros tratamentos.

A cirurgia pode envolver o ajuste das vértebras com placas, fios, hastes ou parafusos.

Normalmente, um dos seguintes procedimentos cirúrgicos é usado para tratar a anterolisthesis.

Descompressão , onde o osso ou outro tecido é removido para liberar pressão nas vértebras e nervos associados.
Fusão espinhal , quando um osso é transplantado para a parte de trás da coluna vertebral. O osso cura e se funde com a coluna vertebral. Isso cria uma massa óssea sólida que ajuda a estabilizar a coluna vertebral.
Também pode ser considerada uma combinação de descompressão e fusão da coluna vertebral.

Fatores de risco

  • senhora mais velha fazendo aeróbica aquática;
  • Os esportes de baixo impacto, como a natação e o ciclismo, podem reduzir o risco de desenvolver anterolisthesis;
  • As pessoas mais velhas são mais propensas a serem afetadas pela anterolisthesis. Geralmente ocorre em pessoas com mais de 50 anos , com mulheres relatando uma taxa de desenvolvimento mais rápida.

O processo de envelhecimento natural faz com que os ossos enfraquecem e se tornem mais suscetíveis a danos, incluindo a anterolisthesis.

As pessoas que se envolvem em atividades intensas e intensas aumentam o risco de adquirir anterolisthesis. Estes incluem atletas e halterofilistas em particular.

O risco de anterolisthesis pode ser reduzido por:

  • fortalecendo as costas e os músculos abdominais;
  • participando de esportes que minimizam o risco de lesão nas costas, como nadar e andar de bicicleta;
  • mantendo um peso saudável para reduzir o estresse na região lombar;
  • comendo uma dieta bem equilibrada para ajudar a manter a força óssea.

FONTE: (com adaptaçaõ): https://www.medicalnewstoday.com

A fundamentação pouco se tem estudado sobre frequência cardíaca e suas relações com alterações metabólicas.

O objetivo é verificar se existe associação entre frequência cardíaca e disfunções metabólicas em crianças e adolescentes.

Método:

Estudo transversal com 2.098 escolares, com idade entre 7 e 17 anos. As variáveis avaliadas foram: frequência cardíaca (FC), pressão arterial sistólica (PAS), diastólica (PAD) e de pulso (PP), duplo-produto (DP), consumo de oxigênio pelo miocárdio (mVO2), perfil lipídico e glicêmico, níveis de ácido úrico, índice de massa corporal (IMC) e circunferência da cintura (CC). Os valores de FC de repouso e esforço foram divididos em quartis. A associação entre os valores contínuos de FC com indicadores cardiometabólicos foi testada por meio da regressão linear.

O resultado do colesterol LDL apresentou média significativamente superior (p = 0,003) nos escolares com FC de repouso maior ou igual a 91 bpm, em comparação aos escolares que apresentaram menos de 75 bpm. Comparados com os quartis da FC de esforço, a PAS, PAD, glicose e ácido úrico apresentaram valores elevados quando a FC foi igual ou superior a 185 bpm. A PAS, a glicose e o colesterol HDL demonstraram associação significativa com a FC de repouso. Observou-se o ácido úrico como um preditor do aumento da FC de esforço.

Na conclusão observou que estudantes com FC de repouso mais elevada apresentam médias superiores de colesterol LDL. Para FC de esforço, observou-se elevação na pressão arterial, nos níveis de glicose e de ácido úrico. O ácido úrico demonstrou ser preditor da elevação da FC de esforço.

 

FONTE: (com alterações): https://www.medcenter.com

A Sífilis Congênita é consequência da disseminação do Treponema pallidum pela corrente sanguínea, transmitido pela gestante para o seu bebê. A infecção pode ocorrer em qualquer fase da gravidez, e o risco é maior para as mulheres com sífilis primária ou secundária.

Com o objetivo de descrever o perfil epidemiológico dos casos notificados de sífilis em gestante e sífilis congênita em Palmas-TO, Brasil.

O método realizou estudo descritivo com dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

Nos resultados foram identificadas 171 gestantes com sífilis (4,7/1000 nascidos vivos [NV]) e 204 casos de sífilis congênita (5,6/1000 NV); predominaram gestantes pardas (71,3%), com baixa escolaridade (48,0%) e diagnóstico tardio no pré-natal (71,9%); a incidência de sífilis congênita variou de 2,9 a 8,1/1000 NV no período; predominaram, como características maternas, idade de 20-34 anos (73,5%), escolaridade até o Ensino Médio completo (85,3%), realização de pré-natal (81,4%), diagnóstico da sífilis no pré-natal (48,0%) e parceiros de mães que realizaram pré-natal não tratados (83,0%), alcançando quase 80% de nascidos vivos com sífilis congênita.

A conclusão viu-se necessária a adoção de novas estratégias para efetividade da assistência pré-natal prestada e consequente redução da incidência da sífilis congênita.

 

FONTE: (com alterações): https://www.medcenter.com

NOVO TRATAMENTO REVOLUCIONÁRIO PARA VARIZES – LASER CLACS

As pernas cansadas pelas varizes e a sensação de queimação são apenas alguns dos sintomas associados às varizes, uma condição que afeta uma em cada duas pessoas e não é apenas relacionada à idade. Muitas pessoas acreditam que é apenas uma questão estética quando, na realidade, é uma doença crônica que afeta um número crescente de pessoas na região a cada ano, causando um impacto negativo direto na qualidade de vida das pessoas.

Varizes e vasinhos (aranhinhas), são as mesmas, mas diferem em tamanho. Parece uma grande estrutura em forma de veias grossas, enquanto a outra é uma rede mais fina verde ou roxa de veias, como uma tela de aranha.

Eles são o resultado de válvulas fracas ou danificadas nas veias. As válvulas tornam-se danificadas quando não se abrem para permitir que o sangue deixe as veias, fazendo com que o sangue faça backup e faça as veias se inundarem.

Ambas as veias varicosas e aranhas causam dores dolorosas e desconforto que podem piorar progressivamente. Se não forem tratados, eles podem causar várias complicações, como úlceras venosas (feridas) e insuficiência venosa crônica, quando as veias das pernas não conseguem bombear o volume de sangue necessário para o coração.

As mulheres grávidas também podem desenvolver varizes porque a gravidez aumenta o volume de sangue no corpo de uma mulher e o feto em crescimento comprime a veia ao longo do trato, causando maior pressão nas veias da perna. Todos esses fatores podem causar danos irreversíveis nas paredes da veia e, enquanto as varizes podem reduzir após o parto, fazendo com que a pessoa acredite que está curada, o dano irreversível permanecerá e reaparecerá no caso de uma segunda gravidez.

O Dr. Ricardo Tavares, cirurgião vascular especialista do Hospital Anchieta (Clinica de tratamento de varizes Corpore Sano), diz: “É muito comum ter varizes e vasinhos(aranhinhas) em uma perna, mas são bem diferentes. Os vazinhos, por exemplo, são pequenas, leves ou vasos sanguíneos roxos que podem ser vistas sob a pele, enquanto as varizes são estiradas nas veias onde os vasos sanguíneos se juntaram.

Enquanto a maioria dos pacientes tratados com varizes são mulheres, os homens também sofrem de doenças venosas, mesmo que sejam menos propensos a procurar tratamento. No entanto, fatores como hereditariedade, gravidez, profissão e obesidade também podem contribuir “.

novo tratamento de varizes

Quando uma pessoa tem os sinais e sintomas de varizes, deve frequentar um especialista para que suas veias sejam examinadas em um estudo de ultra-som completo para eliminar o envolvimento de veias grandes e tratar o problema de suas raízes, para evitar qualquer outra complicação da insuficiência venosa .

A parte visual da condição é tão importante quanto a médica, uma vez que ter varizes na perna pode fazer com que as pessoas se tornem autoconscientes.

No entanto, a ajuda está em mãos, uma vez que uma nova técnica chamada ClaCS (Cryo Laser e Cryo Scleroterapia) promete acabar com as veias dilatadas e agora está sendo feita na clínica corpore sano pelo cirurgião vascular Dr Ricardo Tavares do Hospital Anchieta em Taguatinga-DF.

ClaCS é o novo aliado na luta contra varizes e veias de aranha que combina laser, escleroterapia e jatos de ar frio na pele usando sofisticados dispositivos de última geração.

O tratamento com ClaCS começa pela aplicação de um dispositivo que projeta uma imagem da sofisticada rede de veias debaixo da pele para determinar as veias alimentadoras.

exame para varizes

Em seguida, o resfriamento da pele fica a uma temperatura de até -20 ° C, o que ajuda a reduzir a dor no local de aplicação. Em seguida, um especialista utiliza um laser que emite pulsos de luz que passam pelas camadas superficiais da pele para atingir os vasos sanguíneos, seguido da injeção de medicação na área. Isso faz com que as veias direcionadas fechem, endurecem e se desintegram sem danificar o tecido da pele.

O tratamento minimamente invasivo não requer anestesia e é relativamente rápido em comparação com outros tratamentos.

“A grande vantagem é que os pacientes não exigem o uso prolongado de curativos ou meias de apoio, como outros tratamentos cosméticos já conhecidos. ClaCS oferece resultados rápidos e efetivos e é relativamente indolor. Mas não é, de modo algum, uma solução completa para varizes “, explica o Dr. Ricardo Tavares.

“O objetivo geral é eliminar as varizes, mas o risco de recorrência depende dos fatores de hereditariedade do paciente e do modo de vida. O risco aumenta se o paciente não tomar várias precauções de saúde, como exercitar-se regularmente, abster-se de fumar e monitorar seu peso “.

fontes com adaptações: https://varicoseveins.org/

https://en.wikipedia.org/wiki/Endovenous_laser_treatment

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25858333

 

Pessoas com casos graves de doença da pele, a psoríase pareceu ter quase o dobro do risco de morrer durante um estudo de quatro anos do que as pessoas sem a condição, sugere a pesquisa.

Mas o aumento da taxa de mortalidade só foi observado naqueles com psoríase que afetam mais de 10% da superfície corporal. Para aqueles com doença menos grave, o risco de morrer cedo foi, na verdade, menor do que era para as pessoas que não tinham a condição da pele.

O Dr. Robert Kirsner, presidente da dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Miami, disse que, durante a última década, os médicos descobriram que as pessoas com psoríase tendem a ser menos saudáveis.

“Eles têm excesso de peso , têm diabetes mellitus , fumam, bebem e têm colesterol alto “, disse ele.

“Esses fatores – bem como a presença de psoríase em si – aumentam o risco de doenças vasculares e outros resultados médicos ruins. Como resultado, eles geralmente apresentam ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais e, mais frequentemente, morrem”, disse Kirsner. Ele não estava envolvido na pesquisa atual, mas revisou as descobertas.

Kirsner e autor do estudo, Dr. Megan Noe, sugeriram que as pessoas com psoríase grave conversam com seu médico sobre o tratamento da psoríase e o controle de fatores de risco que podem contribuir para um maior risco de morte precoce, como tabagismo , colesterol alto e diabetes .

dermatologista df

Clinica de Dermatologia no DF

Também é importante notar que não é claro a partir deste estudo, sozinho, se a psoríase grave realmente causa uma taxa de mortalidade maior, ou se há apenas uma associação entre esses fatores.

O estudo incluiu cerca de 8,800 adultos com psoríase e quase 88 mil sem a condição. Os participantes do estudo foram seguidos por cerca de quatro anos em média.

Os voluntários do estudo viveram no Reino Unido. Cerca de metade dos participantes eram mulheres. Sua idade média era de 45. Aqueles com psoríase eram mais propensos a fumar e beber álcool.

Depois que os pesquisadores ajustaram suas estatísticas para que não fossem descartados por fatores como tabagismo e diabetes , eles descobriram que aqueles com o maior nível de psoríase – que afetam mais de 10% da superfície corporal – eram quase duas vezes mais provavelmente morrerão durante o período do estudo.

Cerca de 12 por cento dos pacientes com psoríase caíram na categoria severa, disseram os pesquisadores.

Quando se trata de taxas de mortalidade, a psoríase grave é mais arriscada do que fumar e menos arriscada do que a diabetes , disse Noe.

As pessoas com psoríase menos grave apresentaram menor chance de morrer do que a população em geral. E, isso era verdade mesmo quando os pesquisadores levaram em consideração outros fatores de risco, como idade, status de tabagismo e peso.

Existem teorias, mas não evidências firmes, sobre por que existe uma ligação entre a psoríase extrema e taxas de mortalidade mais altas, disse Kirsner.

Uma teoria é que a psoríase cria mais inflamação – inchaço – no corpo, que machuca as artérias e as veias.

Também é possível que as pessoas com psoríase já tenham inflamação em todo o corpo que não é causada pela condição da pele.

Outra possibilidade é que o estigma social da psoríase possa contribuir para condições mentais, como depressão , tornando mais difícil para os pacientes fazerem certas coisas, incluindo a busca de emprego, sugeriu Noe.

Os pacientes com psoríase extrema devem estar muito preocupados com sua condição? Kirsner disse que, em termos de maior risco de morte prematura, “sabemos que a pior psoríase e a psoríase são maiores, mas o risco individual para qualquer paciente não é claro”.

Os pesquisadores não estimaram a vida média neste estudo.

Os pacientes com psoríase, especialmente a psoríase grave, devem trabalhar com seus médicos para tratar a condição, reduzir o colesterol , parar de fumar, diminuir o peso, controlar o açúcar no sangue, exercitar e tomar aspirina , disse Kirsner. A Fundação Nacional de Psoríase recomenda falar com seu médico sobre os riscos e benefícios de medicamentos, como a aspirina, antes de tomá-los.

Noe disse: “Temos muitos tratamentos bem sucedidos, e os novos medicamentos biológicos funcionam para a maioria das pessoas”.

No entanto, Kirsner acrescentou, enquanto “os tratamentos provavelmente importam, se qualquer tratamento ajudará a reduzir o risco não é claramente conhecido”.

O estudo foi publicado em 29 de agosto no Journal of Investigative Dermatology .

FONTE: (com alterações): http://www.medicinenet.com

Nova pesquisa realizada em camundongos analisa a forma como o álcool se envolve com o centro de recompensas do cérebro e quais mecanismos podem ser colocados em movimento para evitar o consumo excessivo de álcool.

Conhecer amigos e familiares sobre um copo de vinho é um cenário familiar para muitos de nós, mas o consumo de álcool é muitas vezes um tema de divisão. Pode ser fácil se deixar levar e beber demais, o que às vezes pode ter consequências médicas indesejadas.

Estudos recentes,  a Medical News Today, relacionados aos efeitos do consumo de álcool, questionando quanto álcool é seguro e outros sugerindo que uma taça pode ser benéfico.

No entanto, algumas pessoas tendem a se dedicar a beber excessivamente regularmente, e os cientistas ainda estão lutando para entender o mecanismo que leva a esse consumo excessivo.

Agora, pesquisadores da Universidade da Califórnia, São Francisco, liderados pela Dr. Dorit Ron, com ratos de laboratório para estudar o que acontece no cérebro quando o álcool é consumido.

Sabe-se que os ratos, se tiverem álcool, eventualmente podem começar a preferir que outras bebidas, levando a um padrão de consumo excessivo de álcool. Isso permitiu aos cientistas estudar o efeito do consumo intenso de álcool no sistema nervoso central e identificar as mudanças que ocorrem no cérebro.

“Há – com justiça – muita atenção da mídia no momento sobre o abuso e o vício de opiáceos . Mas o abuso de álcool e o vício são problemas muito maiores e o custo humano é surpreendente: 3,3 milhões de pessoas morrem todos os anos no mundo com o abuso de álcool” explica o Dr. Ron.

“Infelizmente, existem apenas alguns medicamentos no mercado para reduzir o desejo e a recaída, e nenhum deles funciona muito bem”, diz ela.

As descobertas dos pesquisadores foram recentemente publicadas na revista Neuron .

O complexo de proteína aumenta o consumo excessivo

Pesquisas realizadas anteriormente pelo Dr. Ron e outros colegas apontaram para um complexo de proteínas chamado mTORC1, que regula a síntese de proteínas, como desempenhando um papel fundamental no abuso de substâncias – incluindo o consumo excessivo de álcool.

Estudos anteriores sugeriram que beber muito álcool estimula a atividade de mTORC1 em uma parte do cérebro conhecida como núcleo accumbens, que desempenha um papel fundamental no circuito de recompensas. Eles também sugeriram que o aumento do mTORC1 pode ser responsável por mudanças nesta região do cérebro que impulsionam o desejo de álcool, correlacionando-se com o comportamento de busca de álcool.

A atividade de mTORC1 pode ser suprimida usando rapamicina , que é um composto com propriedades imunossupressoras. Quando os pesquisadores administraram rapamicina para ratos que aprenderam a buscar álcool, a preferência dos animais pelo álcool foi significativamente reduzida. Além disso, seu gosto pela água açucarada – uma bebida que os ratos naturalmente acham gratificante – não foi diminuída.

Mas os pesquisadores estavam interessados ​​em descobrir se qualquer droga poderia ser usada para reduzir o desejo de álcool em adultos humanos com propensão para beber intenso. Rapamicina, eles observaram, tem muitos efeitos colaterais, então, usar isso para atingir o consumo excessivo de álcool em seres humanos deve ser evitado.

Proteína responsável por alterações cerebrais

A equipe do Dr. Ron deu um passo adiante com o estudo atual e usou o seqüenciamento de RNA, uma técnica que lhes permitiu focar o papel do mTORC1 na síntese de proteínas e acompanhar as proteínas associadas, para entender melhor o mecanismo que leva ao consumo excessivo de álcool.

Os pesquisadores encontraram um vínculo entre mTORC1 e 12 proteínas diferentes, mas decidiram segmentar apenas um: o prosapip1 , uma proteína recentemente descoberta que os estudos anteriores sugerem, está de alguma forma envolvido com as sinapses. Sua função, no entanto, permanece obscura.

Dr. Ron e sua equipe descobriram que o prosapip1 é responsável pelas mudanças estruturais que ocorrem no núcleo accumbens após o consumo intenso durante um longo período de tempo.

A equipe também queria ver o que aconteceria se a produção desta proteína fosse inibida geneticamente. Eles observaram que, nessa situação, ocorreram menos mudanças cerebrais que ditavam comportamento de busca de álcool após o consumo intenso de álcool.

Além disso, dada a escolha entre álcool e água, os ratos envolvidos no experimento preferiram a água com mais frequência do que o álcool. Mais uma vez, o gosto dos ratos pela água açucarada não foi afetado.

“Identificamos uma nova proteína que desempenha um papel crucial na mudança da paisagem dos neurônios no núcleo accumbens, o que então leva à escalada do problema de beber. Esses achados abrem pesquisas sobre o papel da proteína na plasticidade neural e também sobre como o álcool e outras drogas de abuso alteram nossos cérebros “. Dr. Dorit Ron

Os cientistas esperam que essas descobertas abranjam o caminho para a pesquisa de novos tratamentos não apenas para abuso de álcool, mas também para outros distúrbios de abuso de substâncias.

“Eu tenho feito pesquisas sobre a neurobiologia molecular do abuso de álcool por muitos anos e esta é a primeira vez que eu vi uma molécula de sinalização que parece ser compartilhada por muitas drogas de abuso. Eu acho que de certa forma isso pode ser um Gateway para entender o vício em drogas – é um momento muito excitante “, conclui o Dr. Ron.

FONTE (com alterações): http://www.medicalnewstoday.com

Lesão renal aguda induzida por contraste: A importância dos critérios diagnósticos para estabelecer a prevalência e o prognóstico na unidade de terapia intensiva.

O objetivo é estabelecer se há superioridade entre os critérios para predizer desfecho clínico desfavorável na lesão renal aguda e nefropatia induzidas por contraste.

Os métodos de estudo retrospectivo conduzido em hospital terciário com 157 pacientes submetidos à infusão de contraste radiológico para fins propedêuticos.

Os resultados cumpriram os critérios para inclusão 147 pacientes. Aqueles que cumpriram os critérios de lesão renal aguda induzida por contraste (59) também cumpriram os critérios para nefropatia induzida por contraste (76); 44,3% dos pacientes cumpriram os critérios para o estadiamento pelo sistema KDIGO; 6,4% dos pacientes necessitaram utilizar terapia de substituição renal, e 10,7% dos pacientes morreram.

A conclusão do diagnóstico de nefropatia induzida por contraste foi o critério mais sensível para determinar a necessidade de terapia de substituição renal e óbito, enquanto o KDIGO demonstrou a maior especificidade; na população avaliada, não houve correlação entre o volume de contraste e a progressão para lesão renal induzida por contraste, nefropatia induzida por contraste, diálise de suporte ou óbito.

FONTE: (com alterações): https://www.medcenter.com

Estudos sobre conjuntivite alérgica com um grupo de doenças comuns na infância normalmente acompanhada de outras condições alérgicas, afeta a superfície ocular e está associada a reações de hipersensibilidade de tipo I.

Observaram que existem duas formas agudas:

A conjuntivite alérgica sazonal e a conjuntivite alérgica perene, e três crônicas: a ceratoconjuntivite primaveril, ceratoconjuntivite atópica e a conjuntivite papilar gigante.

Quanto aos sintomas, a inflamação da superfície ocular (concomitante com eosinofilia e neutrofilia) produz prurido, lacrimejamento, edema, vermelhidão da pálpebra e da conjuntiva e fotofobia durante a fase aguda e, ocasionalmente, na fase tardia. Além disso, como no caso de outras doenças alérgicas crônicas, pode haver remodelação tissular da superfície ocular.

Foi realizado um estudo observacional constituído por pacientes com diagnóstico presuntivo de conjuntivite alérgica,  aplicados os critérios de inclusão e exclusão, foi composta por 80 pacientes, foram analisadas as variáveis: idade, gênero, cor da pele, apresentação clínica e fatores de risco associados. Foi utilizada a estatística descritiva (frequências absolutas e porcentagem).

Os resultados mostraram um predomínio de crianças entre 8 e 13 anos (68,8%), seguidos por aqueles entre 3 e 7 (12,5%) e entre 14 e 18 anos (1,9%), homens (72 , 5%) e cor da pele branca (71,2%). O tipo clínico de conjuntivite alérgica mais frequente resultou a sazonal e perene (38,8%), seguido da aguda (31,3%), e o de menor apresentação, a dermatoconjuntivite de contato (5,0%). A exposição ao pó foi referida por 100% dos pacientes.

Concluiu-se que predominaram as crianças entre 8 e 13 anos, homens e cor da pele branca. O tipo clínico de conjuntivite alérgica mais frequente foi a sazonal e perene, e o fator de risco associado a exposição ao pó.

FONTE: (com adaptações): https://www.medcenter.com

Para muitos americanos obesos , a cirurgia de perda de peso pode ser um caminho para perder muitas libras não saudáveis.

Mas novas pesquisas sugerem que também pode levar a uma perda prolongada de glóbulos vermelhos saudáveis, também conhecido como anemia .

Em um estudo de veteranos dos EUA que obtiveram uma forma comum de cirurgia de perda de peso (bariátrica), “as taxas de anemia são altas 10 anos depois”, conclui uma equipe liderada pelo Dr. Dan Eisenberg, cirurgião bariátrico da Faculdade de Medicina de Stanford.

Um especialista que analisou os achados não ficou surpreso.

“A anemia é um problema comum em pacientes que passaram por bypass gástrico, e este estudo revela a gravidade do problema em pacientes que não recebem tratamento adequado”, afirmou a Dra. Allison Barrett. Ela dirige a cirurgia bariátrica no Long Island Jewish Forest Hill, em Forest Hill, NY

Ela acredita que a pesquisa “prova que as complicações da cirurgia, como a deficiência de vitaminas e minerais, também podem ser diminuídas através de um melhor acompanhamento”.

No novo estudo, a equipe de Eisenberg rastreou os resultados para 74 veteranos do sexo masculino, idade média de 51 anos, que sofreram um tipo comum de cirurgia de perda de peso chamada bypass gástrico Roux-en-Y.

A taxa global de anemia antes da cirurgia foi de 20%, observou a equipe, mas por 10 anos após a cirurgia, esse número aumentou para 47%.

Entretanto, os cuidados de acompanhamento foram cruciais. De acordo com o estudo, a anemia era muito mais comum entre os pacientes que não acompanhavam de perto um cirurgião de perda de peso. Para esses pacientes, as taxas de anemia aumentaram de 22% antes da cirurgia para 57% uma década depois.

Em comparação, para os pacientes que se consultam regularmente com seu médico de perda de peso, as taxas de anemia mal se mexeu – a partir de 13 por cento antes da cirurgia para 19 por cento uma década depois.

De acordo com o cirurgião bariátrico Dr. Mitchell Roslin, é porque tratamentos simples podem conter as deficiências que podem ocorrer após a cirurgia.

“No bypass gástrico, a primeira porção do intestino é ignorada e o ferro é absorvido preferencialmente nessa área”, explicou Roslin, que dirige a cirurgia de obesidade no Lenox Hill Hospital, na cidade de Nova York.

“Em geral, isso pode ser compensado com suplementos adequados”, disse ele, “mas os pacientes que não tomam suplementos prescritos provavelmente desenvolverão deficiências”.

De acordo com Roslin, a lição de levar a casa do estudo é que “a cirurgia bariátrica ajuda a reduzir a obesidade, mas os pacientes não devem acreditar que são curados e devem ser compatíveis e continuar a seguir a direção médica durante a vida”.

O estudo foi publicado no dia 20 de setembro na revista JAMA Surgery .

FONTE: (com adaptações): http://www.medicinenet.com

 

Ter níveis de magnésio que são muito altos ou muito baixos podem colocá-lo em risco para a doença de Alzheimer e outras demências, informam os pesquisadores holandeses.

Em um estudo de mais de 9.500 homens e mulheres, os níveis mais altos ou mais baixos de magnésio pareciam aumentar as chances de demência em até 30 por cento.

“Neste momento, os níveis de magnésio não são rotineiramente medidos na prática clínica diária”, disse a pesquisadora principal, Dr. Brenda Kieboom, do Erasmus University Medical Center em Rotterdam. “Se os resultados do nosso estudo forem replicados, os níveis de magnésio podem ser usados ​​para detecção de demência , especialmente em pessoas com risco de baixos níveis de magnésio”.

Mas ela advertiu que “não podemos provar que o magnésio baixo ou alto causa demência com base em nossos dados. Para isso, precisamos de estudos para ver se os suplementos vão reduzir o risco”.

Kieboom disse que também quer estudar se os baixos níveis de magnésio também se associam a um declínio na função mental ao longo do tempo.

“A função mental pode ser vista como um estágio precursor da demência e, se encontrarmos associações similares com a demência, isso apoiará nossa teoria para uma associação causal”, disse ela.

“Nós já descobrimos que os inibidores da bomba de prótons (medicamentos para refluxo ácido , como Nexium e Prilosec) estão associados com maior risco de níveis de magnésio anormalmente baixos, mas continuamos olhando para outras drogas”, disse ela.

As pessoas em risco de baixos níveis de magnésio incluem pessoas que usam inibidores da bomba de prótons ou diuréticos, ou pessoas que têm uma dieta baixa em magnésio, disse Kieboom.

Os alimentos que são boas fontes de magnésio incluem espinafre, amêndoas, castanha de caju, soja e feijão preto, grãos integrais, iogurte e abacates, disse ela.

O relatório foi publicado on-line em 20 de setembro de 2017 na revista Neurology .

Para o estudo, Kieboom e colegas coletaram dados sobre 9.569 pessoas, idade média 65, que participaram do estudo de Roterdã e que não apresentaram demência. Os participantes tiveram seus níveis sanguíneos de magnésio testados.

Durante uma média de oito anos de acompanhamento, 823 participantes desenvolveram demência. Destes, 662 foram diagnosticados com doença de Alzheimer .

Os pesquisadores dividiram os participantes em cinco grupos com base nos níveis de magnésio.

Aqueles com os níveis mais alto e mais baixo de magnésio tiveram um risco aumentado de demência, em comparação com aqueles nos grupos intermediários, descobriram os pesquisadores.

Das quase 1.800 pessoas no grupo de baixo teor de magnésio, 160 desenvolveram demência, assim como quase 180 no grupo de magnésio elevado.

Entre os quase 1.400 cujos níveis de magnésio caíram entre os níveis mais alto e mais baixo, 102 desenvolveram demência.

Os achados realizados mesmo depois que os pesquisadores levaram em consideração outros fatores que poderiam afetar o risco de demência. Estes incluíam peso, tabagismo , consumo de álcool e função renal.

Kieboom disse que os resultados do estudo têm limitações, incluindo que os níveis de magnésio foram medidos apenas uma vez, então eles poderiam ter mudado, e os níveis de magnésio no sangue nem sempre mostram o nível total de magnésio no corpo.

Um especialista dos EUA expressou cautela sobre os achados.

“Em geral, eu me preocuparia mais com o baixo teor de magnésio no malnutrido, por exemplo, aqueles que sofrem de alcoolismo ou fome, e não tanto na população geral bem nutrida”, disse o Dr. Sam Gandy. É diretor do Centro de Saúde Cognitiva do Hospital Mount Sinai, em Nova York.

Gandy, no entanto, não está convencido apenas por este estudo de que os níveis de magnésio aumentam o risco de demência.

“Estou disposto a ser persuadido, caso contrário, se vários estudos independentes produzem distúrbios de magnésio relacionados aos diagnósticos de demência”, disse ele.

“Mas, como alguém que viveu na década de 1970, jogue fora suas panelas e panelas e a purga de antitranspirantes (da crença de que o alumínio está ligado à doença de Alzheimer), gostaria de ver mais e maiores estudos independentes antes de se casar com a ideia” Gandy disse.

FONTE: (com adaptações): http://www.medicinenet.com

O que é a fibrilação atrial?

A fibrilação atrial (AFib) é uma anormalidade do ritmo cardíaco causada por um problema com o sistema elétrico do coração. Normalmente, a eletricidade do coração flui das câmaras superiores (átrios) para as câmaras inferiores (ventrículos), causando a contração normal. Na fibrilação atrial, o fluxo elétrico é caótico, fazendo com que o batimento cardíaco se torne irregular.

Sinal de aviso: Pulso irregular

A fibrilação auricular causa uma frequência cardíaca irregular. Se você verificar o pulso, muitas vezes você sentirá uma “vibração”. Quando a fibrilação atrial é nova no início ou mal controlada por medicamentos, muitas vezes você sentirá seu coração acelerado. Esta frequência cardíaca rápida e anormal pode ser perigosa se não for tratada e controlada rapidamente.

AFib versus ritmo cardíaco normal

Quando o coração bate com um ritmo normal, a eletricidade flui do topo do coração até o fundo do coração, fazendo com que o músculo cardíaco se contrate e mova o sangue através do corpo. Na AFib, a eletricidade flui caóticamente e as câmaras inferiores do coração se contraem irregularmente.

Sinal de aviso: Tonturas

Se o seu coração entra em fibrilação atrial, você pode experimentar sintomas perigosos e assustadores. AFib pode causar sintomas como:

  • Tontura
  • Sentimento de palpitações
  • Falta de ar
  • Dor no peito
  • Fadiga ou intolerância ao exercício

AFib e Stroke

A fibrilação atrial é um fator de risco para AVC. Cerca de 15 por cento de todas as pessoas que têm acidentes vasculares cerebrais têm AFib. Por causa do fluxo de sangue irregular e caótico através do coração, pequenos coágulos de sangue podem se formar nas câmaras cardíacas quando você tem fibrilação atrial. Esses coágulos podem percorrer a corrente sanguínea para o cérebro, causando acidente vascular cerebral. É por isso que as pessoas com AFib crônica costumam usar medicamentos para diluir o sangue.

Quando chamar 911

Se você acha que está sofrendo fibrilação atrial e tem dor no peito, sente-se fraco, sente uma freqüência cardíaca muito rápida (maior que 100 batimentos por minuto), ou possui sinais ou sintomas de acidente vascular cerebral, ligue 9-1-1 imediatamente.

O que causa a fibrilação atrial?

A fibrilação atrial é um problema comum. Os fatores de risco para AFib incluem:

  • Pressão arterial alta mal controlada (hipertensão)
  • Problemas de válvula cardíaca
  • Doença da artéria coronária
  • Abuso de álcool
  • Obesidade
  • Apneia do sono
  • Distúrbios da tireoide

Fatores de risco que você não pode controlar

Ter uma história familiar de fibrilação atrial é um forte fator de risco para você também desenvolvê-lo. Seu risco de contrair AFib também aumenta com a idade, e os homens brancos têm maior incidência de fibrilação atrial.

Fatores de risco que você pode controlar

Existem alguns fatores de risco para a fibrilação atrial que estão no seu controle. Mantenha um estilo de vida saudável e veja seu peso. Pare de fumar e limite o consumo de álcool. Não use drogas ilegais e tenha muito cuidado se usar certos medicamentos prescritos, como o albuterol ou outros estimulantes. Fale com o seu médico se você receber estes medicamentos e tem preocupações.

Cirurgia cardíaca pode ser um gatilho

Um dos riscos de cirurgia de coração aberto ou cirurgia de revascularização do miocárdio (CABG) é a fibrilação atrial. Seu médico trabalhará para controlar ou corrigir isso, pois pode levar a outras complicações.

Lone AFib

A fibrilação atrial que ocorre em pessoas mais jovens (menos de 60 anos), sem uma causa óbvia, é chamada de AFib solitário. O AFib solitário pode ser desencadeado pelo exercício, alimentação, sono e álcool. Às vezes, vem e vai por conta própria e pode não precisar de tratamento imediato. Consulte o seu médico.

Diagnosticando AFib: EKG

Seu médico irá diagnosticar fibrilação atrial em um eletrocardiograma (EKG). Este rastreamento cardíaco mostra um padrão distinto na eletricidade do coração que seu médico pode diagnosticar. Se o seu AFib vem e vai, você precisará usar um monitor cardíaco contínuo (monitor Holter) para diagnosticar o ritmo anormal.

Outros testes para AFib

Uma vez que a fibrilação atrial é confirmada ou suspeita, o seu médico irá realizar mais testes para verificar o músculo cardíaco e as válvulas cardíacas e para detectar coágulos sanguíneos. Esses testes incluem um ecocardiograma (ultra-som do coração) ou um teste de estresse ou possivelmente até mesmo um cateterismo para verificar os bloqueios sanguíneos dos vasos sanguíneos.

Tratamento: Cardioversão

Em alguns casos, a fibrilação atrial pode ser corrigida com um choque elétrico para o coração chamado cardioversão. Em casos de emergência graves, essa pode ser a única escolha para controlar o AFib. Os medicamentos também podem ser testados para fazer a cardioversão do ritmo cardíaco. Se o seu AFib estiver ocorrendo por mais de 48 horas, você não pode ser candidato à cardioversão, pois o risco de ter coágulos sanguíneos que podem levar ao AVC é aumentado.

Tratamento: Medicação

Os pacientes com fibrilação atrial geralmente recebem uma combinação de medicamentos para prevenir complicações. Os diluentes de sangue ou os medicamentos contra a coagulação ajudam a prevenir o risco de AVC. Os medicamentos que controlam a taxa de batimento pelo seu coração impedem o coração de vencer muito rápido. Alguns medicamentos são especificamente projetados para controlar o ritmo elétrico do coração, evitando que ele se torne mais irregular e caótico.

Tratamento: Ablação

Em certos casos, medicamentos ou cardioversão podem não controlar sua fibrilação atrial efetivamente. Um cardiologista especialmente treinado (chamado eletrofisiologista) pode realizar um procedimento cirúrgico chamado ablação para corrigir a fibrilação atrial. Uma ablação por radiofreqüência é feita através de um cateter encadeado em seu coração para enviar eletricidade de baixa voltagem e alta freqüência para a área do seu coração que está causando o ritmo elétrico irregular. Isso destrói a pequena quantidade de tecido causando batimentos cardíacos anormais e pode curar totalmente o AFib.

Tratamento: Marcapasso

Em casos raros, após uma ablação para tratar sua fibrilação atrial, seu médico pode precisar implantar um pacemaker. Os marcapassos não são projetados para tratar a fibrilação atrial. Eles são usados ​​principalmente para corrigir batimentos cardíacos lentos. Discuta os possíveis resultados do seu tratamento cardíaco com seu cardiologista.

Prevenção de AFib

Manter-se saudável e mudar os hábitos de vida ruins é uma maneira importante de reduzir o risco de fibrilação atrial. Faça exercícios com regularidade, pare de fumar, mantenha sua pressão arterial sob controle e coma uma dieta nutritiva com baixo teor de gordura e sal para reduzir seus riscos de problemas cardíacos.

 

FONTE: (com adaptações): http://www.medicinenet.com

Um novo estudo analisa o potencial dos probióticos na prevenção e tratamento do câncer colorretal associado à doença inflamatória intestinal. Até agora, os resultados após testes em camundongos são promissores, mas é necessária mais investigação.

De acordo com a American Cancer Society, o câncer colorretal é o terceiro tipo de câncer mais comumente diagnosticado , excluindo o câncer de pele , entre os adultos nos Estados Unidos. Eles também estimam que o câncer colorretal pode causar cerca de 50.260 mortes em 2017.

Estudos existentes sugerem que alguns dos principais fatores para aumentar o risco de câncer colorretal incluem ter sido diagnosticado com doença intestinal inflamatória, fatores genéticos, tabagismo, falta de atividade física e um alto índice de massa corporal ( IMC ).

De acordo com pesquisas recentes , o microbioma intestinal desempenha um papel fundamental no desenvolvimento do câncer colorretal. No entanto, muitos dos mecanismos em jogo ainda não são claros. Algumas pesquisas sugerem que o uso de probióticos para influenciar o microbioma pode ajudar a prevenir a formação de tumores .

Um novo estudo liderado pelo Dr. James Versalovic, professor de patologia e imunologia no Baylor College of Medicine em Houston, TX, agora analisa se certos probióticos podem ser usados ​​para prevenir ou tratar o câncer colorretal.

Dr. Versalovic e seus colegas se concentraram no papel de Lactobacillus reuteri , que é um probiótico naturalmente encontrado na coragem dos mamíferos. Esta bactéria mostrou reduzir a inflamação no intestino, de modo que a equipe estava interessada em testar seu efeito nos tumores de câncer colorretal.

As descobertas dos pesquisadores são publicadas no The American Journal of Pathology

Probiótico minimiza a formação de tumor

Em ratos adultos, observou-se que a falta de uma enzima chamada histidina descarboxilase (HDC) tornou os animais significativamente mais suscetíveis ao desenvolvimento de câncer colorretal associado à inflamação dos intestinos.

O HDC é produzido por L. reuteri e ajuda a converter L-histidina, que é um aminoácido com papel na síntese protéica, para a histamina, que é um composto orgânico envolvido na regulação da resposta imune.

Dr. Versalovic e equipe testaram o papel de L. reuteri na regulação das respostas imunes com o objetivo de observar seu potencial na inibição da formação de tumores de câncer colorretal.

Eles usaram ratos deficientes em HDC, aos quais eles administraram L. reuteri. Eles também administraram um composto placebo para ratos no grupo controle, para comparar os efeitos.

L. reuteri foi administrado aos ratos uma vez antes, e mais uma vez após, a indução de formação de tumor através da administração de azoximetano, um químico cancerígeno e DSS, uma substância que estimula a inflamação.

Quinze semanas após esse procedimento, foram estudados os tratos gastrointestinais dos camundongos, para controlar a progressão tumoral eo efeito do probiótico.

Os pesquisadores descobriram que L. reuteri estimulou a produção de HDC e aumentou os níveis de histamina no cólon.

A tomografia por emissão de positrões foi utilizada para pesquisar tumores e os pesquisadores observaram que os ratos que haviam ingerido o probiótico exibiram menos tumores e de tamanhos menores. Por outro lado, os animais do grupo controle tiveram tumores maiores e maiores.

As estirpes inativas de L. reuteri , que eram deficientes em HDC, não apresentavam efeitos protetores.

Os pesquisadores também observaram que o probiótico (sua tensão ativa) foi eficaz na redução da inflamação estimulada pelos produtos químicos – isto é, DSS e azoximetano – que havia sido administrado aos ratos.

“Aproveitando o microbioma para tratamento”

“Nossos resultados sugerem um papel significativo para a histamina na supressão da inflamação intestinal crônica e tumorigênese colorretal [formação de tumor]”, diz o Dr. Versalovic. “Nós também mostramos que as células, tanto microbianas como mamíferas, podem compartilhar metabólitos ou compostos químicos que juntos promovem a saúde humana e previnem a doença”.

Os cientistas ainda não sabem o que é a função da histamina em relação ao câncer em seres humanos. No entanto, os dados coletados de 2.113 pessoas diagnosticadas com câncer colorretal, provenientes de 15 conjuntos de dados separados, sugeriram que os indivíduos que apresentam níveis mais altos de HDC melhoram e possuem maior taxa de sobrevivência.

Levando isso em consideração, a equipe espera que os probióticos que ajudem a converter a L-histidina em histamina possam eventualmente ser usados ​​para ajudar o tratamento do câncer colorretal.

” Estamos a ponto de aproveitar os avanços na ciência dos microbiomas para facilitar o diagnóstico e o tratamento das doenças humanas. Ao simplesmente introduzir micróbios que fornecem substâncias vivas desaparecidas, podemos reduzir o risco de câncer e complementar as estratégias de prevenção do câncer baseadas na dieta”. Dr. James Versalovic

FONTE: (COM ADAPTAÇÃO): https://www.medicalnewstoday.com

Devido avanços na medicina e as técnicas cirúrgicas, a cirurgia representa, sem dúvida, um evento para todos os envolvidos na mesma, em torno da qual existem preocupações sobre a morte, dependência física, não acordar da anestesia, dor, doença, recuperação, separação da família, situação econômica e laboral e hospitalização entre outros.

Os autores advertem que diante dessas questões se espera que surjam várias respostas de tipo emocional: ansiedade, stress, depressão que quando se manifestam de forma muito intensa, causam consequências mais profundas levando a que a recuperação pós-operatória seja mais lenta e complicada.

Considerando esses dados, resulta relevante explicar outro estudo publicado na Revista Mexicana de Anestesiología, cujo objetivo foi determinar a eficácia da terapia com consequências sonoras personalizadas em pacientes que foram submetidos a cirurgias programadas, em relação com stress, dor pós-operatória e permanência hospitalar. Tal grupo foi comparado com outro grupo de pacientes que foram submetidos a cirurgias programada semelhantes sem o uso de terapia de sequências sonoras.

160 pacientes participaram do estudo, todos maiores de 18 anos, os quais foram submetidos a cirurgias programadas (Cirurgia Geral, Traumatologia, Ginecologia, Urologia, Vascular e Neurológica); 80 pacientes receberam terapia de ondas sonoras e 80 pacientes não receberam.

Foram aplicadas pesquisas de níveis de stress e dor previa a cirurgia; no pós-cirúrgico imediato e 24 horas após a cirurgia.

Os pesquisadores encontraram uma maior incidência embora não significativa, tanto de dor como stress em pacientes que não receberam terapia sonora de 35%, em relação aos pacientes que receberam a terapia sonora.

Neste sentido, concluiu-se que os pacientes que receberam terapia sonora demostraram um nível menor de stress como de dor, bem como uma diminuição da permanência hospitalar.

Clinica de Ginecologia em Brasília especializada em Rejuvenescimento Íntimo

FONTE: (com alterações): https://www.medcenter.com

A quimioterapia, a radioterapia e a imunoterapia são tipicamente usadas para tratar o câncer, mas não funcionam para todos os pacientes com a doença. Em um novo estudo, cientistas descobriram uma técnica de matar câncer que pode ser mais eficaz do que as terapias convencionais contra o câncer.

Os pesquisadores revelam como um processo chamado morte celular independente da caspase (CICD) freqüentemente levou à erradicação completa das células de câncer colorretal , o que geralmente não é o caso com os atuais tratamentos contra o câncer .

Estude o co-autor do Dr. Stephen Tait, do Cancer Research UK Beatson Institute da Universidade de Glasgow, no Reino Unido, e colegas relataram recentemente suas descobertas na revista Nature Cell Biology .

O câncer continua sendo um dos maiores encargos de saúde do nosso tempo. No ano passado, mais de 1,6 milhão de novos casos foram diagnosticados apenas nos Estados Unidos e quase 600 mil pessoas morreram da doença.

O Dr. Tait e a equipe explicam que a maioria das terapias de câncer atuais induzem a apoptose. A apoptose é uma forma de morte celular programada, ou suicídio celular, que ajuda a eliminar o corpo de células anormais ou desnecessárias ativando proteínas chamadas caspases. Em células cancerosas, no entanto, a apoptose é muitas vezes inativa.

Reativar a apoptose em células cancerosas – por meio de quimioterapia ou imunoterapia, por exemplo – é uma forma de matá-las. Mas isso nem sempre é eficaz.

A pesquisa mostrou que as células cancerosas às vezes são capazes de evadir a apoptose induzida pelo tratamento, e alguns estudos sugeriram que a apoptose pode mesmo promover o crescimento do câncer.

O CICD, no entanto, leva o câncer a matar um passo adiante, e o Dr. Tait e a equipe sugerem que pode ser uma maneira mais eficaz de tratar o câncer do que as terapias atuais.

CICD avisa o ataque do sistema imunológico
Em seu estudo, os pesquisadores explicam que o CICD mata células cancerosas através de um processo chamado permeabilidade à membrana mitocondrial externa (MOMP), mas faz isso sem libertar caspases, que são as proteínas normalmente liberadas pela apoptose.

“[…] as células normalmente morrem após o MOMP mesmo na ausência de atividade caspase […]”, explica a equipe. “Isso define o MOMP como um ponto sem retorno que compromete uma célula a morrer”.

mportante, quando as células cancerosas morrem como resultado do CICD, enviam sinais para o sistema imunológico, levando-o a atacar e destruir as células cancerosas que conseguiram escapar do CICD.

Quando o Dr. Tait e a equipe testaram essa técnica em tumores colorretais cultivados no laboratório, descobriram que conseguiu matar quase todas as células cancerosas.

Enquanto estudos adicionais são necessários para confirmar a segurança e a eficácia do CICD, os pesquisadores acreditam que isso pode levar a melhores tratamentos para uma série de cânceres.

” Essencialmente, esse mecanismo tem potencial para melhorar drasticamente a eficácia da terapia anticancerígena e reduzir a toxicidade indesejada”. Dr. Stephen Tait

“Levando em consideração as nossas descobertas, propomos que CICD envolvente seja um meio de terapia contra o câncer que justifique investigação adicional”, acrescenta.

FONTE: (com adaptação): https://www.medicalnewstoday.com

Experimentar uma dor de cabeça que afeta o lado esquerdo da cabeça pode ser alarmante se a causa for desconhecida.

Compreender os tipos de dores de cabeça que causam dor no lado esquerdo explica a dor e ajuda as pessoas a obter o tratamento certo.

Aproximadamente 50% dos adultos em todo o mundo são afetados por dores de cabeça . A maioria é conhecida como dores de cabeça primárias, pois não existe uma lesão ou condição subjacente. Apenas uma pequena fração de dores de cabeça será causada por algo mais grave.

É importante saber a diferença entre os sintomas de uma dor de cabeça primária e uma condição mais séria. Este artigo explora os sintomas, causas e tratamentos para todos os tipos de dores de cabeça no lado esquerdo.

Fatos rápidos na dor de cabeça no lado esquerdo

Algumas dores de cabeça primárias podem causar dor apenas no lado esquerdo.
A maioria das causas comuns não são graves e são diretas para tratar.
Compreender as causas e sintomas de dores de cabeça primárias que podem causar dor no lado esquerdo pode ajudar a diferenciá-las de condições mais graves.

Tipos de dor de cabeça que afetam o lado esquerdo

Mulher massageando o lado esquerdo da cabeça porque tem dor de cabeça.
Enquanto a maioria das dores de cabeça no lado esquerdo não são causadas por condições graves, em alguns casos, pode haver uma condição subjacente.
Algumas dores de cabeça no lado esquerdo, no entanto, podem ser causadas por condições subjacentes mais graves.

Tipos de dor de cabeça primária

As dores de cabeça primárias que podem causar dor no lado esquerdo incluem:

  • enxaquecas;
  • dores de cabeça de tensão;
  • dores de cabeça em cluster;
  • Condições subjacentes.

As condições subjacentes que podem causar dor de cabeça no lado esquerdo incluem:

  • lesões;
  • doença inflamatória;
  • vaso vascular relacionado;
  • uso excessivo de medicamentos;
  • sinusite.

Causas e sintomas de dores de cabeça primárias

As causas e sintomas de cada tipo relevante de dor de cabeça primária são explorados abaixo.

Enxaqueca

Uma dor de cabeça no lado esquerdo pode ser causada por uma enxaqueca. Enxaqueca afeta cerca de 15% da população brasileira e são mais comuns nas mulheres do que nos homens.

As enxaquecas são caracterizadas por uma dor de cabeça severa, que pode latejar e geralmente é de um lado da cabeça. A dor pode começar em torno do olho ou templo e depois se espalhar pela cabeça.

Para que seja considerada uma enxaqueca, um ou mais dos seguintes sintomas irão acompanhá-la:

  • mudanças na visão;
  • náusea e vômito;
  • tontura;
  • extrema sensibilidade ao som, luz, toque ou cheiro;
  • entorpecimento ou sensação de formigamento no rosto ou nas extremidades.

Normalmente, a enxaqueca dura 4-72 horas . Uma pessoa com uma enxaqueca pode sentir que precisa deitar-se.

A causa subjacente de uma enxaqueca não é inteiramente compreendida. No entanto, pensa-se que se relaciona com a função cerebral e os nervos ou vasos sanguíneos ao redor do cérebro se tornam mais sensíveis.

Enxaquecas podem ser desencadeadas por

  • estresse;
  • certos alimentos, como álcool, queijo ou chocolate;
  • dormir demais ou muito pouco;
  • luzes brilhantes ou luzes que cintilam;
  • barulho;
  • cheiros fortes, como o perfume;
  • Dores de cabeça de tensão.

As dores de cabeça de tensão representam até 42% das dores de cabeça em todo o mundo.

Eles podem ocorrer de um lado, então pode ser a causa de uma dor de cabeça no lado esquerdo. No entanto, as dores de cabeça de tensão são menos propensas a serem unilaterais do que as enxaquecas.

As dores de cabeça de tensão geralmente são menos graves que as enxaquecas, mas ainda podem causar muita dor.

Os sintomas incluem

  • Dor apertada e pressionadora que pode começar atrás dos olhos e espalhar-se pela testa ou na parte de trás da cabeça;
  • um sentimento como a cabeça está em um vício;
  • músculos do pescoço e ombro apertados;
  • a dor geralmente se sente pior ao final do dia.

É pensado que dores de cabeça de tensão são causadas por tensão muscular. Eles tendem a ser desencadeados por:

A causa de uma dor de cabeça no lado esquerdo pode ser uma dor de cabeça em cluster. Cerca de meio milhão de americanos experimentarão uma dor de cabeça aguda pelo menos uma vez em sua vida.

As dores de cabeça em racimo são extremamente dolorosas e são caracterizadas por dor em um lado da cabeça. Os sintomas incluem :

  • dor atrás dos olho, ou ao lado da testa;
  • a dor se torna mais intensa após 5-10 minutos;
  • dor intensa dura entre 30-60 minutos;
  • uma dor menos intensa pode continuar por até 3 horas.

Outros sintomas relacionados podem incluir:

um nariz bloqueado ou escorrendo
uma pálpebra inclinada
regando e vermelhidão em um olho
rosto corado ou suado
A causa exata das dores de cabeça em racimo é desconhecida, mas acredita-se que esteja ligada a uma parte do cérebro chamada hipotálamo.

As dores de cabeça de cluster geralmente ocorrem de forma semelhante todos os dias, em episódios que podem durar entre 4-12 semanas. Eles costumam acontecer na primavera ou no outono, e é por isso que algumas pessoas confundi-los com dores de cabeça de alergia.

Condições subjacentes

Às vezes, uma dor de cabeça no lado esquerdo não é uma dor de cabeça primária, mas é devido a uma condição subjacente. Alguns são mais graves do que outros.

Algumas das causas subjacentes mais graves incluem:

  • lesões;
  • doença inflamatória;
  • problemas de vasos sanguíneos;
  • Menos graves condições subjacentes que podem causar dor de cabeça no lado esquerdo incluem excesso de confiança em analgésicos e sinusite.

Quando consultar um médico

Se as dores de cabeça se desenvolvem após a idade de 50 anos, e pioram-se ou mudam de forma constante, deve ser procurado um conselho médico profissional.
Se uma pessoa experimenta quaisquer sintomas que se relacionem com as condições subjacentes mais graves listadas acima, então eles devem consultar um médico imediatamente.

Esses sintomas incluem visão turva, febre e suores.

Também é importante falar com um médico se:

  • As dores de cabeça desenvolvem-se pela primeira vez com mais de 50 anos;
  • uma pessoa experimenta uma mudança significativa no padrão de dores de cabeça;
  • as dores de cabeça continuam piorando;
  • ocorre uma dores de cabeça particularmente grave;
  • há mudanças na função mental ou personalidade de uma pessoa;
  • dores de cabeça ocorrem após um golpe na cabeça;
  • as dores de cabeça tornam a vida diária incontrolável.

Tratamento e prevenção

A maioria das dores de cabeça pode ser tratada com medicação analgésica sem receita médica, como ibuprofeno ou aspirina .

Um médico pode prescrever analgésicos mais fortes ou relaxantes musculares quando a dor de dor de cabeça e enxaqueca é mais severa. As dores de cabeça em racimo podem ser tratadas com um curso de tratamento puro por inalação de oxigênio.

As mudanças de estilo de vida a seguir podem ajudar a gerenciar dores de cabeça primárias:

Técnicas de relaxamento : Yoga ou outras técnicas de relaxamento podem ajudar a relaxar corpo e mente. Esse relaxamento pode reduzir a tensão muscular, tornando as dores de cabeça e enxaquecas provocadas pelo estresse menos provável.
Evitar desencadeantes de alimentos : gatilhos de enxaqueca como cafeína, álcool e queijo devem ser evitados.
Se uma dor de cabeça é causada por uma condição subjacente, um médico pode aconselhar sobre o melhor curso de tratamento para esta condição.

FONTE: (com alterações): https://www.medicalnewstoday.com

Um antidepressivo de 50 anos poderia parar o acúmulo de uma proteína cerebral envolvida na doença de Parkinson, marcando uma descoberta que poderia nos aproximar da desaceleração da condição.

Um novo estudo liderado por pesquisadores da Michigan State University em Grand Rapids descobriu que as pessoas tratadas com antidepressivos tricíclicos eram menos propensas a exigir tratamento medicamentoso para a doença de Parkinson .

Em pesquisas posteriores, os pesquisadores descobriram que as ratas tratadas com o nortriptilina antidepressivo tricíclico demonstraram uma redução nos níveis de proteína anormal de alfa-sinucleína (a-sinucleína) no cérebro.

O principal autor do estudo Tim Collier, do Departamento de Ciências Translacionais e Medicina Molecular da Universidade Estadual de Michigan, e colegas recentemente relataram suas descobertas na revista Neurobiology of Disease .

A doença de Parkinson é uma doença neurológica progressiva caracterizada por tremores, rigidez dos membros e problemas de movimento e coordenação.

Cerca de 60 mil pessoas nos Estados Unidos são diagnosticadas com Parkinson todos os anos, e até 1 milhão de pessoas nos EUA estão vivendo com a doença.

Um acúmulo de proteína a-synuclein é considerado uma marca registrada da doença de Parkinson. Embora esta proteína esteja presente no cérebro saudável, no cérebro de pessoas com Parkinson, pode formar clusters tóxicos que destroem as células nervosas.

Como tal, os pesquisadores estão à procura de formas de reduzir o acúmulo de sinucleína no cérebro, com o objetivo de retardar a progressão da doença de Parkinson. O novo estudo da Collier e da equipe pode ter identificado tal estratégia.

Nortriptilina e Parkinson

Os pesquisadores descobriram o potencial dos antidepressivos tricíclicos como um tratamento para a doença de Parkinson, coletando dados de pacientes e estudando a ligação entre o uso de antidepressivos eo uso de uma droga de Parkinson chamada levodopa.

“A depressão é uma condição muito frequente associada à doença de Parkinson, por isso nos interessamos se um antidepressivo poderia modificar a evolução da doença”, ressalta Collier.

Eles descobriram que os pacientes que usavam antidepressivos tricíclicos eram menos propensos a exigir terapia com levodopa, sugerindo que antidepressivos tricíclicos poderiam ajudar a retardar a progressão do Parkinson.

Para testar essa teoria, os pesquisadores trataram modelos de ratos da doença de Parkinson com a nortriptilina antidepressiva tricíclica.

Nortriptyline primeiro recebeu aprovação da US Food and Drug Administration (FDA) como um tratamento para a depressão na década de 1960.

Nortriptilina evita o agrupamento de uma sinucleína

O experimento revelou que a nortriptilina levou a uma redução na acumulação de a-sinucleína no cérebro dos ratos.

Na investigação posterior em um modelo de célula, a equipe descobriu que o nortriptilina acelera o processo pelo qual as proteínas de uma sinucleína se movem e mudam de forma, o que os impede de formar clusters tóxicos.

“A ideia de que este efeito de agrupamento é controlado por quão rápido ou lento uma proteína se reconfigura por si só não é um modo padrão de pensar em pesquisas sobre proteínas, mas nosso trabalho foi capaz de mostrar essas mudanças”, diz a co-autora do estudo Lisa Lapidus , do Departamento de Física e Astronomia da Universidade Estadual de Michigan.

” O que mostramos essencialmente é que uma droga já aprovada pela FDA que foi estudada há mais de 50 anos e que é relativamente bem tolerada pode ser uma abordagem muito mais simples para tratar a própria doença, e não apenas os sintomas”. Lisa Lapidus

Os pesquisadores esperam testar a segurança e a eficácia da nortriptilina como tratamento de Parkinson em ensaios clínicos.

FONTE: (com adaptações): https://www.medicalnewstoday.com